Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, domingo, 10 de setembro de 2017. Atualizado às 18h59.

Jornal do Comércio

Panorama

COMENTAR | CORRIGIR

AUDIOVISUAL

Notícia da edição impressa de 11/09/2017. Alterada em 08/09 às 18h28min

Panda Filmes finaliza gravações de Paralelo 30, sitcom ambientada em Porto Alegre

Enredo acompanha jovens universitários em Porto Alegre

Enredo acompanha jovens universitários em Porto Alegre


PANDA FILMES/PANDA FILMES/DIVULGAÇÃO/JC
Ricardo Gruner
Em 2007, Frederico Ruas, Leo Garcia e Zeca Brito, sem orçamento e recém-formados em produção audiovisual, reuniram amigos e gravaram o piloto de uma série que tratava com humor da vida de jovens estudantes em Porto Alegre. Uma década e algumas reviravoltas depois, o projeto enfim está em fase de finalização. As gravações da sitcom Paralelo 30, em versão atualizada para a sociedade contemporânea, acabaram há cerca de uma semana. A previsão de estreia é para o início do próximo ano, no canal Prime Box Brazil.
Serão seis capítulos de 26 minutos cada. No núcleo da história está uma república localizada no Centro da capital gaúcha, onde vivem Calzone, Dodô, Tina e Val. Há ainda Geraldo, que não mora com eles, mas passa boa parte do seu tempo por lá. O que move o enredo é a chegada de uma intercambista espanhola que vem parar - por engano - em Porto Alegre.
"Uma das coisas em comum entre o piloto original e a série é a ideia de falar sobre os dias atuais, a partir da perspectiva de pessoas que estão começando uma vida adulta", aponta Frederico Ruas, diretor do projeto. "Então há algumas semelhanças, mas é outra história, com outros atores."
De acordo com ele, entram em pauta problemas e questões do cotidiano. Dos seis personagens, por exemplo, dois são irmãos. Um deles é um jovem de direita, liberal e fã de João Doria. Outro integra a esquerda militante e envolve-se com movimentos sociais e ocupação das universidades. A diferença gera piadas. "E temos assaltos na série", adianta o realizador, apontando: "Nós tratamos isso como parte do dia a dia... Quem foi assaltado hoje?". Os protagonistas são interpretados por Alessandra Bier, Diogo Verardi, Gabriela Poester, Hayline Vitória, Rodolfo Ruscheinsky e Walney Costa.
Já a produção ficou por conta da Panda Filmes, a quem os direitos para a série foram dados por volta de dois anos depois da gravação do piloto. Em 2013, a empresa inscreveu o projeto em edital do Programa de Apoio ao Desenvolvimento do Audiovisual Brasileiro e Paralelo 30 foi adiante.
Se Ruas usa o termo comédia dramática para descrever o original, apresenta a versão final como sitcom - que tradicionalmente tem exemplos como Friends e Seinfeld. "Em termos de texto dá chamar assim, mas em termos de filmagem, linguagem, estilo de interpretação, demos uma roupagem mais atual", aponta ele, completando: "E nem tem como ser sitcom tradicional porque nelas se tem um estúdio em que tu podes mexer as paredes". Ao invés dessa opção, o principal cenário foi o apartamento em que residem os personagens. Além dele, foram registradas sequências na beira do Guaíba, Centro, Moinhos de Vento e Floresta. Ao todo, foram cinco semanas de gravações.
Outras situações também contribuíram para o desenvolvimento de Paralelo 30, a começar por uma mudança no panorama do audiovisual. "Nós achávamos que em breve o mercado de séries ia acontecer, mas, na época, não existia no Rio Grande do Sul", lembra o diretor, festejando a alteração no sistema. A renovação do jeito de se fazer humor, a partir de iniciativas como o Porta dos Fundos, também entra nesse contexto. "Ele não é uma sitcom, mas deu uma remodelada em algumas coisas. Trouxe essa dimensão política, a possibilidade de fazer um humor político, algo que não era tão presente antes", completa o criador.
Os responsáveis por trabalhar nos novos roteiros foram Alessandro Engroff, Felipe Boff, Felipe Longhi, Giulia Goés, Giuliana Heberle e Leo Garcia - um dos criadores da iniciativa. Garcia e Ruas também estão envolvidos com outra série já contemplada em edital. A bênção, drama de ficção científica, já tem acordo com o Canal Brasil - mas a previsão de estreia é para daqui a dois anos.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia