Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 16 de abril de 2018.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Sistema Financeiro

Notícia da edição impressa de 17/04/2018. Alterada em 16/04 às 20h39min

Caixa reduz juros para financiar casa própria

Banco também voltou a financiar até 70% do valor de imóveis usados

Banco também voltou a financiar até 70% do valor de imóveis usados


/ANA PAULA APRATO/ARQUIVO/JC
A Caixa Econômica Federal anunciou ontem uma redução na taxa de juros para financiar a casa própria. É o primeiro corte anunciado pelo banco desde novembro de 2016, ou seja, em 17 meses. O banco também voltou a financiar até 70% do valor de imóveis usados; o limite estava em 50%. O corte dos juros vale para financiamentos usando recursos do SBPE (Sistema Brasileiro de Poupança e Empréstimo). As novas taxas valem desde ontem.
As taxas mínimas da Caixa na linha do SBPE caíram de 10,25% para 9% ao ano para imóveis de até R$ 950 mil no Distrito Federal, em Minas Gerais, no Rio de Janeiro e em São Paulo. Para os demais estados, o limite é de R$ 800 mil. Já para imóveis acima desses valores, as taxas mínimas caíram de 11,25% ao ano para 10%.
Com a mudança, a Caixa se torna a instituição bancária com a melhor opção de taxa para o consumidor. Itaú e Bradesco empatam em segundo lugar, segundo a consultoria Melhor Taxa. O Banco do Brasil oferece, respectivamente, taxas de 9,24% e 10,15% ao ano para as categorias de empréstimo citadas acima. No Itaú, é de 9% e 9,5%.
A redução vem com atraso em relação aos concorrentes privados, que começaram a reduzir as taxas à medida que o Banco Central cortou a Selic, taxa básica de juros da economia. Entre os maiores bancos do País, a Caixa era a única que ainda cobrava juros de dois dígitos no crédito imobiliário. "A Caixa estava praticando as taxas mais caras do mercado. No ano passado, o banco estava se debatendo para conseguir resolver sua capitalização e não conseguiu liberar crédito para o consumidor", diz Alberto Ajzental, professor de mercado imobiliário da FGV (Fundação Getulio Vargas).
A Caixa também diz ter melhorado as condições no financiamento de imóveis para as famílias. O limite para financiar imóveis usados subirá de 50% para 70%. O banco também retomou o financiamento de operações de interveniente quitante (imóveis com produção financiada por outros bancos) com cota de até 70%.
A Caixa informou, ainda, que possui R$ 82,1 bilhões para o crédito habitacional para 2018. "O objetivo da redução é oferecer as melhores condições para os nossos clientes, além de contribuir para o aquecimento do mercado imobiliário e suas cadeias produtivas", diz Nelson Antônio de Souza, presidente do banco, em nota.
Apesar de concentrar 69% dos financiamentos imobiliários no País, a participação da Caixa neste segmento diminuiu, segundo a Abecip (Associação Brasileira das Entidades de Crédito Imobiliário e Poupança). Em fevereiro, a Caixa ficou em segundo lugar no financiamento com recursos da poupança, atrás do Bradesco.
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia