Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 12 de abril de 2017. Atualizado às 23h11.

Jornal do Comércio

Viver

COMENTAR | CORRIGIR

artes visuais

Notícia da edição impressa de 13/04/2017. Alterada em 12/04 às 17h23min

Reduto pluralista

Está em cartaz, na Galeria Aldo Locatelli do Margs (Praça da Alfândega, s/nº), a mostra Uma possível história da arte no Rio Grande do Sul: Plural[ismos] no Sul. A visitação, com entrada franca, segue até 9 de julho, de terça-feira a domingo, das 10h às 19h. A exposição leva a público 16 obras de artistas relevantes para o sistema da arte local, produzidas nos século XX, pertencentes ao acervo do Museu de Arte do Rio Grande do Sul Ado Malagoli - ou, simplesmente, Margs.
Este módulo tem como objetivo principal mostrar a pluralidade na produção gaúcha nas décadas de 1940, 1950 e 1960. Essa época foi marcada por discussões sobre o Modernismo, lançadas em São Paulo, na emblemática e questionadora Semana de Arte Moderna em 1922; tendo desdobramentos no Sul, especialmente no plano das ideias. Estão representados artistas como João Fahrion (1898-1970), Ado Malagoli (1906-1994), Aldo Locatelli (1915-1962), Vasco Prado (1914-1998), Xico Stockinger (1919-2009), Iberê Camargo (1914-1994), Edgar Koetz (1914-1969) e Antônio Caringi (1905-1981).
CONTINUE LENDO ESTA NOTÍCIA EM NOSSA EDIÇÃO PARA FOLHEAR
CLIQUE AQUI PARA ACESSAR
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia