Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, domingo, 03 de setembro de 2017. Atualizado às 18h43.

Jornal do Comércio

Viver

COMENTAR | CORRIGIR

Acontece

Notícia da edição impressa de 04/09/2017. Alterada em 01/09 às 21h00min

Nostalgia em texto

Romance de Alexandra Lopes da Cunha venceu concurso nacional

Romance de Alexandra Lopes da Cunha venceu concurso nacional


ALEXANDRE ALANIZ/DIVULGAÇÃO/JC
Primeiro romance de Alexandra Lopes da Cunha, Demorei a gostar da Elis é recheado de referências aos anos 1980 e faz a felicidade dos saudosistas ao pontuar cada abertura de capítulo com trechos de músicas. Belchior, Blitz, The Smiths, Pixies, David Bowie e até Guilherme Arantes situam o leitor numa Porto Alegre de hoje, mas com várias passadas pelas décadas de 1970 e 1980.
Ela já tem na bagagem dois livros de contos: Amor e outros desastres, depois Vermelho-Goiaba (ganhou o prêmio IEL 60 anos na categoria contos, autor estreante em 2014). Em 2016, Bífida, em parceria com o fotógrafo Raul Krebs, foi sua estreia em poesia.
Agora, com Demorei a gostar da Elis, editado pela Kazuá a partir de um concurso nacional que deu a autora o prêmio Pavão de Romance, e a edição do livro, Alexandra se apresenta ao grande público com um trabalho corajoso, que faz o leitor refletir sobre a vida e a morte, o passar do tempo, o envelhecimento e o amor.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia