Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 23 de maio de 2017. Atualizado às 12h23.

Jornal do Comércio

Gastronomia e Vinhos 2017

COMENTAR | CORRIGIR

VINÍCOLAS

Notícia da edição impressa de 19/05/2017. Alterada em 23/05 às 12h25min

Vinícola Peterlongo: Investimento em vinhos finos e espumantes

Enólogo Marty e Sella estão à frente da nova fase da vinícola

Enólogo Marty e Sella estão à frente da nova fase da vinícola


JEFERSON SOLDI/DIVULGAÇÃO/JC
A Peterlongo, uma vinícola centenária, responsável por elaborar o primeiro espumante brasileiro e, a partir daí, dar início à história da bebida no Brasil, realizou grandes investimentos na vindima deste ano de olho no mercado de espumantes e vinhos finos, que passam a ganhar mais atenção. Suas linhas Armando e Terras oferecem como proposta o consumo rápido. Com novo rótulo e novos vinhos, agora feitos para casas especializadas, a linha Armando chega repaginada ao mercado.
A aquisição de 28 tanques de aço inox com capacidade total de armazenagem de 150 mil litros de vinhos - todos com cinta de refrigeração -, mais de 100 barricas de carvalho francês, prensa para uvas tintas, além da remodelação do setor de recepção e tratamento das uvas são alguns dos investimentos que já entram em operação na vindima. O projeto é liderado pelo enólogo francês Pascal Marty, winemaker da Peterlongo. Dos 33 hectares da área de plantio  em Encruzilhada do Sul, 22 são destinados ao cultivo das variedades tintas Pinot Noir e Merlot, e da branca Chardonnay. Em breve, a área deve receber novas variedades.
A capacidade anual de produção da Peterlongo é de 6 mil litros. Entre os anos de 2002 e 2015 - quando a produção chegou a 4.173.866 litros -, houve crescimento de 400% na empresa. Em 2016, um ano atípico, não houve crescimento em razão da grande perda da produção. Especialmente a falta de suco de uva impactou nos resultados. A projeção para este ano é de crescimento de 30%, quando a produção pode chegar a 5 milhões de litros.
A vinícola é uma das patrocinadoras da Stock Car, a principal categoria do automobilismo nacional. O investimento em eventos tenta aproximar a vinícola das grandes marcas. Outra iniciativa de marketing criativa e que pretende alavancar as vendas é o wine movie, projeto de enoturismo que promove cinema a céu aberto entre os vinhedos. A segunda edição da iniciativa ocorre em 22 de setembro. 
A Peterlongo foi, em 2016, a segunda vinícola brasileira que mais exportou, segundo dados do Ibravin (Instituto Brasileiro do Vinho). A maior conquista foi o mercado da China. Hoje, a empresa possui um profissional que atua somente nesta área, a fim de ampliar a participação no mercado externo. Familiar até o ano de 2002, a Peterlongo foi adquirida por dois sócios, e Luiz Carlos Sella é o sócio-diretor que acompanha a empresa de perto. De lá para cá, a vinícola sanou dívidas e, a partir de 2015, retomou o crescimento e passou a investir em produtos de alta qualidade, com investimentos no vinhedo, no maquinário, na equipe e, mais recentemente, na contratação de uma consultoria por Marty. "Estamos vivendo uma nova vindima. Esta será a primeira safra de uma nova era da Peterlongo, que começou com as comemorações do seu centenário. E muita coisa ainda está por vir, especialmente na taça", comenta Sella.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia