Porto Alegre, sábado, 19 de agosto de 2017.
PREVISÃO DO TEMPO
PORTO ALEGRE AMANHÃ
AGORA
16°C
20°C
12°C
previsão do tempo
COTAÇÃO DO DÓLAR
em R$ Compra Venda Variação
Comercial 3,1450 3,1470 1,00%
Turismo/SP 3,1500 3,3100 0%
Paralelo/SP 3,1500 3,3100 0%
mais indicadores
Página Inicial | Opinião | Economia | Política | Geral / Internacional | Esportes | Cadernos | Colunas
ASSINE  |  ANUNCIE  | 
» Corrigir
Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.
Nome:
Email:
Mensagem:
123464
Repita o código
neste campo
 
» Indique esta matéria
[FECHAR]
Para enviar essa página a um amigo(a), preencha os campos abaixo:
De:
Email:
Amigo:
Email:
Mensagem:
123464
Repita o código
neste campo
 
 
» Comente esta notícia
[FECHAR]  
  Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.  
  Nome:  
  Email:    
  Cidade:    
  Comentário:    
500 caracteres restantes
 
Autorizo a publicação deste comentário na edição impressa.
 
123464
Repita o código
neste campo
 
 
imprimir IMPRIMIR

PROMOÇÃO Notícia da edição impressa de 12/04/2012

Agas considera que falta opção para o fim da sacola plástica

MARCELO G. RIBEIRO/JC
Entidade promoveu ontem debate para discutir o uso dos produtos
Entidade promoveu ontem debate para discutir o uso dos produtos

A substituição das sacolas plásticas por embalagens retornáveis no Rio Grande do Sul deve ser encarada por cautela pelas empresas do setor. Esse foi o argumento defendido pela Associação Gaúcha de Supermercados (Agas) durante o II Fórum Agas das Sacolas Plásticas: Problema ou solução?, promovido ontem em Porto Alegre.

O debate sobre o tema ganhou força em todo o País desde o dia 4 de abril, quando os supermercados de São Paulo encerraram a distribuição das sacolas plásticas aos consumidores. A medida já vinha sendo implantada por diversas lojas naquele estado. A experiência paulista é considerada positiva por Sussumu Honda, presidente da Associação Brasileira de Supermercados (Abras). Ele lembra que a entidade assinou, em 2011, um compromisso de reduzir em 30% até o final de 2013 o consumo de sacolas plásticas no País. “Nesse processo o Rio Grande do Sul tem sido mais pragmático, cauteloso, mas o Brasil deve seguir a tendência mundial de uso de embalagens reutilizáveis.”

No entanto, o presidente da Agas, Antônio Cesa Longo, acredita que a medida pode se revelar prematura, devido à falta de alternativas que sejam práticas, recicláveis, economicamente viáveis e menos prejudiciais ao meio ambiente do que os sacos plásticos tradicionais, que geralmente são usados como embalagem para lixo caseiro. “As pessoas não param de gerar lixo, então onde ele vai parar? Se apenas eliminar a sacola do mercado estaremos trocando somente a cor do saco de lixo, de branco para azul ou preto.”

Outro ponto destacado por Longo é a oposição dos consumidores à mudança. “Temos uma pesquisa que aponta que 81% dos clientes são contra eliminação da sacola.” Segundo ele, 5% dos consumidores já estão trazendoas embalagens de casa. “Mas 80% da decisão de compra acontece no ponto de venda, então determinar quantas sacolas e de qual tamanho será preciso é difícil.”

O presidente da Associação Brasileira da Indústria de Embalagens Plásticas Flexíveis (Abief), Alfredo Schmidt, também critica a medida adotada em São Paulo, afirmando que ela resulta em perdas econômicas para os clientes. “Os supermercados paulistas vão deixar de tirar do bolso deles R$ 220 milhões por ano comprando sacolas que os consumidores terão que pagar, pois eles ainda precisam comprar sacos para lixo”, apontou. Segundo Schmidt, a proibição também já afeta a indústria plástica, uma vez que gerou uma queda de mais de 40% nos pedidos de sacolas naquele estado.

Outras alternativas, como o uso de materiais degradáveis, ainda são economicamente inviáveis segundo os supermercadistas. “Uma sacola média custa cerca de R$ 0,05. Com esse valor, representam em torno de 0,3% dos despesas totais de uma loja. As degradáveis têm valores entre R$ 0,30 e R$ 0,60, o que não incentiva seu uso”, destaca o empresário Arlei Karpinski. Proprietário de dois supermercados no município de Getúlio Vargas, no Norte do Estado, Karpinski aponta que o maior problema das sacolas para os mercados é o seu consumo excessivo.

“Num município de 16 mil habitantes, onde não atingimos toda a população, distribuímos anualmente mais de um milhão de sacolas”, comenta. Ele aponta que suas lojas estão oferecendo alternativas, como caixas de papelão e sacolas reutilizáveis, mas que é necessário maior conscientização dos consumidores e melhorias no empacotamento. “Muitas embalagens são usadas com apenas metade da capacidade. Não se dá valor àquilo que é dado de graça.”

Uma das redes que incentiva os consumidores a reduzirem o consumo de sacolas é o Walmart, que adota, desde 2008, um programa de descontos, onde o cliente que não usa embalagens plásticas recebe um abatimento de R$ 0,03 a cada cinco produtos comprados. Segundo Felipe Zacari Antunes, gerente de sustentabilidade do Walmart Brasil, o programa já reduziu a distribuição de sacolas em 67 milhões de unidades, gerando R$ 2 milhões em descontos. No Estado são R$ 528 mil em descontos e 17,6 milhões de sacolas a menos.

COMENTÁRIOS
Míndel Bernadete Ferreira Cavalheiro - 12/04/2012 - 08h46
Ótima reportagem. Porém nós gaúchos temos que ser mais decididos e por fim neste material. Temos outras opções para utilizar. As pessoas precisam ser ensinadas como organizar seus lixo. é um pouco de preguiça e acomodação para resolver a questão. a indústria plástica que ache uma solução para os demais plásticos que existem para serem recpetores de lixo pequenos e que possam ser colocados nos conteiners. Pensem. Usem a massa cinzenta. Não fiquem só pensando no lucro e no dinheiro que deixarão de ganhar. É uma questão de boa vontade.

imprimir IMPRIMIR
TEXTOS RELACIONADOS
Vendas de material de construção caem 3% em janeiro
Em comparação ao mês de dezembro, houve queda de 10 pontos percentuais nas vendas de materiais de construção
Temporada de descontos avança em todo Estado
Liquida Tchê começa hoje em 100 municípios gaúchos com a meta de superar os R$ 2 bilhões comercializados no ano passado
Varejo do vestuário critica salvaguardas à indústria
De acordo com a Associação Brasileira do Varejo Têxtil, a ação coordenada pela Associação Brasileira da Indústria Têxtil e de Confecção é "injustificada"
Campanha deste ano promete crescer 8%, prevê Schifino
Liquida Porto Alegre é lançado com projeção de R$ 1 bilhão

 EDIÇÃO IMPRESSA

Clique aqui
para ler a edição
do dia e acessar
o arquivo do JC.


 
para folhear | modo texto