Porto Alegre, sábado, 18 de abril de 2015. Atualizado às 22h23.
Hoje é Dia Nacional do Livro Infantil.
PREVISÃO DO TEMPO
PORTO ALEGRE AMANHÃ
AGORA
20°C
25°C
13°C
previsão do tempo
COTAÇÃO DO DÓLAR
em R$ Compra Venda Variação
Comercial 3,0410 3,0430 0,86%
Turismo/SP 2,9200 3,2400 0,93%
Paralelo/SP 2,9200 3,2400 1,25%
mais indicadores
Página Inicial | Opinião | Economia | Política | Geral / Internacional | Esportes | Cadernos | Colunas
ASSINE  |  ANUNCIE  |  ATENDIMENTO ONLINE
» Corrigir
Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.
Nome:
Email:
Mensagem:
» Indique esta matéria
[FECHAR]
Para enviar essa página a um amigo(a), preencha os campos abaixo:
De:
Email:
Amigo:
Email:
Mensagem:
 
» Comente esta notícia
[FECHAR]  
  Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.  
  Nome:  
  Email:    
  Cidade:    
  Comentário:    
500 caracteres restantes
 
Autorizo a publicação deste comentário na edição impressa.
 
709578
Repita o código
neste campo
 
 
COMENTAR CORRIGIR ENVIAR imprimir IMPRIMIR

CONJUNTURA 26/03/2012 - 12h52min

Inflação de alimentos eleva confiança da baixa renda

Os consumidores das classes mais baixas nunca estiveram tão otimistas, segundo a Sondagem de Expectativas do Consumidor de março, divulgada hoje pela Fundação Getúlio Vargas (FGV). Além do mercado de trabalho forte, houve forte contribuição da desaceleração da inflação nos preços dos alimentos.

Na faixa de consumidores que ganha até R$ 2.100,00, o Índice de Confiança do Consumidor (ICC) saiu de 116,7 pontos em fevereiro para 122,3 pontos em março. Entre os que ganham de R$ 2.100,01 a R$ 4.800,00, o ICC passou de 123,3 pontos em fevereiro para 128,2 pontos em março. Ambos atingiram o mais alto nível da série, iniciada em setembro de 2005.

"Os números confirmam que a deterioração da inflação contribuiu para que esses consumidores ficassem mais otimistas e satisfeitos com a situação atual, voltando a comprar, principalmente na faixa de renda 1", afirmou Viviane Seda, economista do Instituto Brasileiro de Economia da FGV.

COMENTÁRIOS
Deixe seu comentário sobre este texto.

DEIXE SEU COMENTÁRIO CORRIGIR ENVIAR imprimir IMPRIMIR
TEXTOS RELACIONADOS
Brasil muda tom e elimina críticas ao FMI em declaração
Única queixa do Brasil é com o atraso da reforma de cotas da instituição, que daria mais poder de voto aos emergentes,
Escândalos de corrupção e disputas jurídicas pressionam notas de bancos, diz Fitch
O documento é assinado pela equipe do diretor-sênior de Instituições Financeiras da América Latina, Claudio Gallina
FMI reduz projeção do crescimento potencial do Brasil de 3% para 2,5%
Economia global deve ter crescimento real de 3,5% em 2015 e de 3,9% em 2016
De acordo com a Standard & Poor’s,  cautelosa normalização da política monetária do Federal Reserve deve apoiar a movimentação da economia norte-americana de volta ao pleno emprego

 EDIÇÃO IMPRESSA

Clique aqui
para ler a edição
do dia e as edições
dos últimos
5 anos do JC.


 
para folhear | modo texto