Porto Alegre, segunda-feira, 03 de agosto de 2015. Atualizado às 20h14.
PREVISÃO DO TEMPO
PORTO ALEGRE AMANHÃ
AGORA
20°C
22°C
17°C
previsão do tempo
COTAÇÃO DO DÓLAR
em R$ Compra Venda Variação
Comercial 3,4520 3,4540 0,84%
Turismo/SP 3,2900 3,6600 0,27%
Paralelo/SP 3,2900 3,6600 0,27%
mais indicadores
Página Inicial | Opinião | Economia | Política | Geral / Internacional | Esportes | Cadernos | Colunas
ASSINE  |  ANUNCIE  |  ATENDIMENTO ONLINE
» Corrigir
Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.
Nome:
Email:
Mensagem:
» Indique esta matéria
[FECHAR]
Para enviar essa página a um amigo(a), preencha os campos abaixo:
De:
Email:
Amigo:
Email:
Mensagem:
 
» Comente esta notícia
[FECHAR]  
  Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.  
  Nome:  
  Email:    
  Cidade:    
  Comentário:    
500 caracteres restantes
 
Autorizo a publicação deste comentário na edição impressa.
 
852835
Repita o código
neste campo
 
 
COMENTAR CORRIGIR ENVIAR imprimir IMPRIMIR

Mercado Financeiro 20/03/2012 - 17h47min

Notícias externas fazem Bovespa fechar em queda

A China voltou a dominar o noticiário e ditou o mau humor generalizado nos mercados acionários. A Bovespa encerrou esta terça-feira com recuo de 0,64%, aos 67.295,56 pontos. A queda das commodities pesou sobre as ações de mineradoras e siderúrgicas, que também fecharam em território negativo. As ações da Vale caíram 1,53% a ON e 0,83% a PNA.

Notícias negativas vindas da China fizeram crescer o temor em relação à desaceleração da demanda chinesa. Hoje, o que mais influenciou os investidores foram as declarações do presidente da divisão de minério de ferro da mineradora australiana BHP Billiton, Ian Ashby. Também contribuiu para o nervosismo a fala do ex-conselheiro do Banco Popular da China (PBOC, banco central chinês, na sigla em inglês) Xia Bin.

Ashby disse que a demanda da China por minério de ferro está "se achatando" e isso atingiu em cheio os preços das commodities e das moedas de países exportadores de matérias-primas. Até porque, ao mesmo tempo, houve aumento de combustíveis na China, o segundo do ano.

Já Xia disse esperar crescimento médio de 7% na economia chinesa nos próximos 5 anos. Afirmou, porém, que a taxa relativamente mais lenta de crescimento não significa que Pequim deva relaxar a política monetária. Segundo Xia, a desaceleração da economia deve levar Pequim a acompanhar os riscos no mercado imobiliário do continente. Xia disse, ainda, considerar improvável que a taxa anual de crescimento da China caia abaixo de 6%, mesmo com a desaceleração do crescimento global, dado o aumento do poder aquisitivo local.

Para o operador de Bolsa da HCommcor DTVM Rafael Dornaus, a notícia hoje é apenas uma justificativa para a realização de lucros. "Não assusta (a notícia), é um movimento de realização de lucros puxado pela notícia sobre China", disse. Segundo outra fonte, a Bolsa tende a ficar reagindo as notícias pontuais para o bem ou para mal.
No pior momento do dia, a Ibovespa atingiu a mínima de 66.704 (-1,52%) e, na máxima, 67.725 pontos (-0,01%).

Assim como os metais básicos que fecharam em queda hoje na London Metal Exchange, pressionados pela valorização do dólar no decorrer da sessão e pela aversão ao risco por parte dos investidores, as ações das siderúrgicas por aqui também amargaram quedas. A Gerdau PN (-2,19%); Metalúrgica Gerdau PN (-2,11%), Siderúrgica Nacional ON (-0,47%) e MMX ON (-1,68%).

Petrobras também seguiu o petróleo no mercado internacional e caiu. O papel ON cedeu 0,96% e o PN, 0,45%. Na Nymex, o contrato de petróleo com vencimento em abril encerrou com queda de 2,29%, a US$ 105,61 o barril.
Por outro lado, as empresas voltadas para o consumo doméstico figuraram entre os destaques de alta do Ibovespa. Cyrela ON (+3,34%), Hypermarcas ON (+3,18%), MRV ON (+2,87%) e Light ON (+2,50%).

Lá fora, não foi diferente, e os mercados acionários em Nova York também terminaram no vermelho. O índice Dow Jones fechou com queda de 0,52%, o S&P 500 caiu 0,30% e o Nasdaq, -0,14%.

COMENTÁRIOS
Deixe seu comentário sobre este texto.

DEIXE SEU COMENTÁRIO CORRIGIR ENVIAR imprimir IMPRIMIR
TEXTOS RELACIONADOS
Ibovespa cai 1,43% com Petrobras e Bradesco como destaques de baixa
Do lado político, pressionou o fim do recesso parlamentar, com a expectativa de votação de temas delicados ao governo, somado à nova etapa da operação Lava Jato, chamada de Pixuleco
Dólar sobe 1% e crava 3ª alta seguida ante o real
O dólar à vista encerrou em R$ 3,4510 (+1,00%), entre a máxima de R$ 3,4590 (+1,23%) e a mínima de R$ 3,4320 (+0,44%)
Taxas futuras sobem com alta do dólar, risco político e exterior
Os juros futuros subiram com força, refletindo o comportamento do dólar, o temor com o quadro político doméstico e a cautela no exterior
Bolsa de Atenas fecha com queda de 16,23%
A última queda da bolsa de Atenas com dimensão comparável foi em dezembro de 1987, quando se registraram perdas de 15,3% numa única sessão.

 EDIÇÃO IMPRESSA

Clique aqui
para ler a edição
do dia e acessar
o arquivo do JC.


 
para folhear | modo texto