Porto Alegre, sexta-feira, 28 de novembro de 2014. Atualizado às 22h44.
PREVISÃO DO TEMPO
PORTO ALEGRE AMANHÃ
AGORA
20°C
30°C
18°C
previsão do tempo
COTAÇÃO DO DÓLAR
em R$ Compra Venda Variação
Comercial 2,5270 2,5290 0,87%
Turismo/SP 2,3900 2,6600 0,37%
Paralelo/SP 2,4000 2,6700 0,37%
mais indicadores
Página Inicial | Opinião | Economia | Política | Geral / Internacional | Esportes | Cadernos | Colunas
ASSINE  |  ANUNCIE  |  ATENDIMENTO ONLINE
» Corrigir
Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.
Nome:
Email:
Mensagem:
» Indique esta matéria
[FECHAR]
Para enviar essa página a um amigo(a), preencha os campos abaixo:
De:
Email:
Amigo:
Email:
Mensagem:
 
» Comente esta notícia
[FECHAR]  
  Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.  
  Nome:  
  Email:    
  Cidade:    
  Comentário:    
500 caracteres restantes
 
Autorizo a publicação deste comentário na edição impressa.
 
613124
Repita o código
neste campo
 
 
COMENTAR CORRIGIR ENVIAR imprimir IMPRIMIR

Editorial Notícia da edição impressa de 19/03/2012

As reformas que o Brasil aguarda e jamais chegam

Será mesmo que o gaúcho sofre no paraíso?  As incongruências, as situações antagônicas, os discursos empolados que pouco se traduzem em ações e a comédia bufa da reforma do estádio Beira-Rio. Nada contra o clube, nem em favor da troca de estádio. Mas o fato está aí, e contra fatos não há argumentos. O então prefeito Telmo Thompson Flores, de 1969 a 1975, lembrava as piadas que ele e outros simpatizantes colorados ouviam quando o Internacional lançou o Beira-Rio. “Vão vender boia cativa”, dizia ele aos jornalistas no tradicional encontro das 18h. Mas o Beira-Rio saiu, como, antes, o Olímpico. Ambos, à época, empreendimentos magníficos. Mesmo com os percalços econômicos, o dólar na gangorra do sobe e desce, a grita por proteção contra os produtos importados e as rusgas com a Fifa, tivemos algo para comemorar. É que o saldo líquido de empregos criados com carteira assinada no País foi de 150.600 em fevereiro. No primeiro bimestre de 2012 foram criados 293.987 empregos formais.

Ao mesmo tempo, com a aprovação da previdência complementar para os que entrarem no serviço público federal a partir de agora, o Brasil terá eliminado – mas apenas em 30 anos – um dos maiores gargalos financeiros e que estrangula o orçamento público para investimentos na sua infraestrutura. São cerca de R$ 60 bilhões de déficit anual no setor, ou seja, a diferença entre o que é arrecadado nos contracheques dos servidores e o que é pago para cerca de um milhão de inativos e pensionistas da União. Enquanto isso, o INSS paga 27 milhões de segurados e o seu déficit, com teto máximo que ronda os R$ 4 mil, é bem menor, algo em torno de R$ 35 bilhões. Enquanto isso, falta dinheiro para saúde, educação e segurança.

Porém, não vamos nos iludir: o grande problema que temos é a desigualdade social. E ela é fruto de um somatório de situações, como a falta da família, a má educação, quando existe, o desemprego e a depressão psicológica que se abate sobre os seres humanos quando eles não têm perspectivas de vida. Sonhos de melhoria, de consumo, de prazeres, mesmo que os prazeres, a disciplina e os deveres devam caminhar juntos. No Brasil de agora há uma execrável liderança, pois somos o país em que ocorrem mais homicídios. A reza que se faz, diariamente, quando um ente querido sai de casa para o trabalho, o estudo ou o lazer, é que Deus não consinta que sejamos o carrasco que sangra as ovelhas nem uma ovelha nas mãos dos bandidos algozes à espreita. Devemos dizer sempre a verdade, e a transparência pessoal, empresarial e nos serviços públicos está, felizmente, entrando na moda. Os brasileiros não devem temer bradar a verdade na presença dos poderosos e dizer mentiras para receber os aplausos dos fracos. Mesmo que alcancemos a riqueza, que não percamos a sabedoria de distinguir o certo do errado. A sensatez deve balizar o trabalho dos políticos, dos parlamentares e dos juízes, que não devem perder a modéstia. Vamos conservar a esperança, à espera das reformas que demoram para serem discutidas e aprovadas, mesmo com o senso comum de mais de uma década de que elas são inadiáveis. Precisamos ter somente o orgulho da dignidade. Faltam-nos gestão, metas, persistência e planejamento estatal. Então, basta. Que venham as reformas.

COMENTÁRIOS
orlando - 19/03/2012 - 18h27
Que texto vazio... Pelo jeito, a reforma que resolverá os problemas do país é a privatização da previdência do setor público. Foi a única coisa atacada objetivamente no texto.

DEIXE SEU COMENTÁRIO CORRIGIR ENVIAR imprimir IMPRIMIR
TEXTOS RELACIONADOS
Uma equipe econômica que entende do seu trabalho
Não adianta apontar defeitos com um viés nitidamente ideológico. Aliás, houve crítica durante a campanha eleitoral de que um candidato ou candidata “entregaria o Banco Central aos banqueiros”
Mesmo com problemas, Brasil continua muito atrativo  
O noticiário é repetitivo, sobre casos de corrupção. O egocentrismo acentuou-se com a globalização dos anos 1960 e nota-se indignação com os delitos
Corrupção não pode e não será sinônimo de Brasil
A Polícia Federal deflagrou operação no Rio de Janeiro contra auditores da Receita Federal que teriam desviado mais de R$ 1 bilhão dos cofres públicos
Com arbitragem, Justiça condena a sua lentidão
Na Justiça, tudo tem prazo para que as petições sejam protocoladas, passar por um juiz e, depois, serem consideradas pela outra parte. Entre esses dois atos, duas ou três semanas

 EDIÇÃO IMPRESSA

Clique aqui
para ler a edição
do dia e as edições
dos últimos
5 anos do JC.


 
para folhear | modo texto