Porto Alegre, sexta-feira, 31 de outubro de 2014. Atualizado às 22h43.
Hoje é Dia das Bruxas.
PREVISÃO DO TEMPO
PORTO ALEGRE AMANHÃ
AGORA
22°C
27°C
20°C
previsão do tempo
COTAÇÃO DO DÓLAR
em R$ Compra Venda Variação
Comercial 2,4060 2,4080 2,43%
Turismo/SP 2,2800 2,6200 1,13%
Paralelo/SP 2,2900 2,6300 1,12%
mais indicadores
Página Inicial | Opinião | Economia | Política | Geral / Internacional | Esportes | Cadernos | Colunas
ASSINE  |  ANUNCIE  |  ATENDIMENTO ONLINE
» Corrigir
Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.
Nome:
Email:
Mensagem:
» Indique esta matéria
[FECHAR]
Para enviar essa página a um amigo(a), preencha os campos abaixo:
De:
Email:
Amigo:
Email:
Mensagem:
 
» Comente esta notícia
[FECHAR]  
  Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.  
  Nome:  
  Email:    
  Cidade:    
  Comentário:    
500 caracteres restantes
 
Autorizo a publicação deste comentário na edição impressa.
 
177965
Repita o código
neste campo
 
 
COMENTAR CORRIGIR ENVIAR imprimir IMPRIMIR
Repórter Brasília Edgar Lisboa
edgarlisboa@jornaldocomercio.com.br

Repórter Brasília

Coluna publicada em 13/03/2012

Dissabores da presidente

Eram esperados os dissabores políticos da presidente Dilma Rousseff (PT) no Congresso Nacional. Os parlamentares estavam esperando a oportunidade para dar o troco ao Palácio do Planalto.

A pedra já vinha sendo cantada há algum tempo. Quem não deu muita importância a isso foi a própria presidente da República, talvez não suficientemente informada pela ministra das Relações Institucionais, Ideli Salvatti (PT), e pelos seus líderes na Câmara dos Deputados e no Senado.

O mais recente e significativo percalço enfrentado pelo governo no Legislativo foi a derrota que o PMDB e outros “aliados” infringiram à cúpula governamental no Senado, ao rejeitar a recondução do protegido da presidente, o petista Bernardo Figueiredo, à presidência da Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT).

A primeira consequência é que o trem-bala, entre São Paulo e Rio de Janeiro, classificado de faraônica fantasia por alguns, já aprovado, vai tardar ainda mais para sair do papel.

A vingança parlamentar

As pesquisas indicam que a presidente Dilma se tornou mais popular do que Lula (PT). A base aliada sempre levou em conta a popularidade do ex-presidente porque ele sabia usá-la para afirmar a sua liderança - era um dado da equação do seu poder. No caso de Dilma, é como se os números fossem uma abstração: não impedem os políticos de desafiá-la. Mais a relutância do Palácio do Planalto em autorizar as verbas para as emendas parlamentares, além da recusa do governo de preencher logo as vagas nos escalões superiores da administração federal e não atender os chamados interesses dos aliados de uma dúzia de legendas com interesses difusos, levaram ao confronto. Essa briga entre os dois maiores partidos é vista de duas formas pelo PT: como uma “tensão pré-eleitoral” da ala de oposição do PMDB e uma “injustiça” contra Dilma Rousseff. “É algo totalmente artificial, de uma ala que votou no José Serra (PSDB), vota com a oposição e reclama que não há tratamento do governo”, disse o deputado federal gaúcho Paulo Pimenta (PT), que afirmou que a influência política na escolha de cargos diminuiu.

Utilização da Máquina

Uma herança do ex-presidente Lula que trouxe também a utilização plena da máquina governamental para fortalecer o PT nas eleições deste ano com o objetivo de tirar o PMDB da liderança nas prefeituras do País - hoje 1.177 - é o que coloca a força nacional da sigla de Michel Temer na briga pelos espaços. Para o deputado do PT Henrique Fontana (foto), isso não surpreende. “Lutar para vencer eleições é o que se espera de um partido.”

Segundo ele, o PMDB transferiu o título de um dos seus candidatos mais fortes para Bento Gonçalves para disputar com Roberto Lunelli (PT), que tenta a reeleição. “Mas não fui reclamar com o vice-presidente Temer sobre o PMDB ter tentado retirar os nossos espaços”, comparou.

COMENTÁRIOS
Deixe seu comentário sobre este texto.

DEIXE SEU COMENTÁRIO CORRIGIR ENVIAR imprimir IMPRIMIR
COLUNAS ANTERIORES
Orçamento impositivo frustrado
Uma das propostas de emenda à Constituição que causou mais euforia nos parlamentares e mais medo no governo
Fim dos lixões adiado
Termina no ano de 2014 o prazo para a implementação da Política Nacional de Resíduos Sólidos
Correria dos últimos dias
Os últimos dias do ano são de correria para os deputados e os servidores dos ministérios
Velhas raposas

 EDIÇÃO IMPRESSA

Clique aqui
para ler a edição
do dia e as edições
dos últimos
5 anos do JC.


 
para folhear | modo texto