Porto Alegre, quinta-feira, 24 de abril de 2014. Atualizado às 08h18.
Hoje é Dia do Agente de Viagem. Hoje é Dia Internacional do Jovem Trabalhador.
PREVISÃO DO TEMPO
PORTO ALEGRE AMANHÃ
AGORA
18°C
20°C
14°C
previsão do tempo
COTAÇÃO DO DÓLAR
em R$ Compra Venda Variação
Comercial 2,2240 2,2260 0,71%
Turismo/SP 2,1000 2,3600 0,42%
Paralelo/SP 2,1600 2,3900 0,42%
mais indicadores
Página Inicial | Opinião | Economia | Política | Geral / Internacional | Esportes | Cadernos | Colunas
ASSINE  |  ANUNCIE
» Corrigir
Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.
Nome:
Email:
Mensagem:
» Indique esta matéria
[FECHAR]
Para enviar essa página a um amigo(a), preencha os campos abaixo:
De:
Email:
Amigo:
Email:
Mensagem:
 
» Comente esta notícia
[FECHAR]  
  Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.  
  Nome:  
  Email:    
  Cidade:    
  Comentário:    
500 caracteres restantes
 
Autorizo a publicação deste comentário na edição impressa.
 
742935
Repita o código
neste campo
 
 
COMENTAR CORRIGIR ENVIAR imprimir IMPRIMIR
Repórter Brasília Edgar Lisboa | edgarlisboa@jornaldocomercio.com.br

Repórter Brasília

Coluna publicada em 13/03/2012

Dissabores da presidente

Eram esperados os dissabores políticos da presidente Dilma Rousseff (PT) no Congresso Nacional. Os parlamentares estavam esperando a oportunidade para dar o troco ao Palácio do Planalto.

A pedra já vinha sendo cantada há algum tempo. Quem não deu muita importância a isso foi a própria presidente da República, talvez não suficientemente informada pela ministra das Relações Institucionais, Ideli Salvatti (PT), e pelos seus líderes na Câmara dos Deputados e no Senado.

O mais recente e significativo percalço enfrentado pelo governo no Legislativo foi a derrota que o PMDB e outros “aliados” infringiram à cúpula governamental no Senado, ao rejeitar a recondução do protegido da presidente, o petista Bernardo Figueiredo, à presidência da Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT).

A primeira consequência é que o trem-bala, entre São Paulo e Rio de Janeiro, classificado de faraônica fantasia por alguns, já aprovado, vai tardar ainda mais para sair do papel.

A vingança parlamentar

As pesquisas indicam que a presidente Dilma se tornou mais popular do que Lula (PT). A base aliada sempre levou em conta a popularidade do ex-presidente porque ele sabia usá-la para afirmar a sua liderança - era um dado da equação do seu poder. No caso de Dilma, é como se os números fossem uma abstração: não impedem os políticos de desafiá-la. Mais a relutância do Palácio do Planalto em autorizar as verbas para as emendas parlamentares, além da recusa do governo de preencher logo as vagas nos escalões superiores da administração federal e não atender os chamados interesses dos aliados de uma dúzia de legendas com interesses difusos, levaram ao confronto. Essa briga entre os dois maiores partidos é vista de duas formas pelo PT: como uma “tensão pré-eleitoral” da ala de oposição do PMDB e uma “injustiça” contra Dilma Rousseff. “É algo totalmente artificial, de uma ala que votou no José Serra (PSDB), vota com a oposição e reclama que não há tratamento do governo”, disse o deputado federal gaúcho Paulo Pimenta (PT), que afirmou que a influência política na escolha de cargos diminuiu.

Utilização da Máquina

Uma herança do ex-presidente Lula que trouxe também a utilização plena da máquina governamental para fortalecer o PT nas eleições deste ano com o objetivo de tirar o PMDB da liderança nas prefeituras do País - hoje 1.177 - é o que coloca a força nacional da sigla de Michel Temer na briga pelos espaços. Para o deputado do PT Henrique Fontana (foto), isso não surpreende. “Lutar para vencer eleições é o que se espera de um partido.”

Segundo ele, o PMDB transferiu o título de um dos seus candidatos mais fortes para Bento Gonçalves para disputar com Roberto Lunelli (PT), que tenta a reeleição. “Mas não fui reclamar com o vice-presidente Temer sobre o PMDB ter tentado retirar os nossos espaços”, comparou.

COMENTÁRIOS
Deixe seu comentário sobre este texto.

DEIXE SEU COMENTÁRIO CORRIGIR ENVIAR imprimir IMPRIMIR
COLUNAS ANTERIORES

 EDIÇÃO IMPRESSA

Clique aqui
para ler a edição
do dia e as edições
dos últimos
5 anos do JC.


 
para folhear | modo texto