Porto Alegre, quarta-feira, 27 de maio de 2015. Atualizado às 00h25.
Hoje é Dia Mundial dos Meios de Comunicação.
PREVISÃO DO TEMPO
PORTO ALEGRE AMANHÃ
AGORA
18°C
21°C
17°C
previsão do tempo
COTAÇÃO DO DÓLAR
em R$ Compra Venda Variação
Comercial 3,1480 3,1500 1,67%
Turismo/SP 2,9800 3,3300 0,30%
Paralelo/SP 2,9800 3,3300 0,30%
mais indicadores
Página Inicial | Opinião | Economia | Política | Geral / Internacional | Esportes | Cadernos | Colunas
ASSINE  |  ANUNCIE  |  ATENDIMENTO ONLINE
» Corrigir
Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.
Nome:
Email:
Mensagem:
» Indique esta matéria
[FECHAR]
Para enviar essa página a um amigo(a), preencha os campos abaixo:
De:
Email:
Amigo:
Email:
Mensagem:
 
» Comente esta notícia
[FECHAR]  
  Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.  
  Nome:  
  Email:    
  Cidade:    
  Comentário:    
500 caracteres restantes
 
Autorizo a publicação deste comentário na edição impressa.
 
130533
Repita o código
neste campo
 
 
COMENTAR CORRIGIR ENVIAR imprimir IMPRIMIR

MERCADO FINANCEIRO 12/03/2012 - 11h00min

China e Grécia fazem bolsas dos EUA abrirem em queda

Os indicadores fracos da economia chinesa e dúvidas persistentes em relação à Grécia minam as forças das bolsas para a abertura desta segunda-feira (12), véspera de reunião de política monetária do Federal Reserve (Fed). Dow Jones e Nasdaq abriram. Às 10h35min, Dow Jones apresentava leve alta de 0,05% e a Nasdaq caia 0,02%.

Para analistas consultados pela Agência Estado, o Comitê de Mercado Aberto do Fed (Fomc) não deverá promover nenhuma mudança na reunião de amanhã e afirmam que a melhora gradual da economia americana pode acabar antecipando o início da alta de juros no país para antes do fim de 2014, prazo previsto pelo BC americano. "A única mudança que pode haver é (o Fed) adotar um tom um pouco mais positivo sobre as condições da economia do que o adotado anteriormente", disse o economista-chefe da consultoria MFR, Joshua Shapiro, na última sexta-feira.

Do outro lado do mundo, a questão não é a melhora, mas a piora da economia chinesa, que teve um déficit comercial de US$ 31,48 bilhões em fevereiro, bem maior do que o déficit de US$ 8,5 bilhões esperado por analistas. Além disso, o saldo negativo sucede um superávit de US$ 27,28 bilhões em janeiro. As exportações chinesas cresceram 18,4% em fevereiro em comparação com um ano atrás, enquanto as importações cresceram 39,6%.

Na Europa, o calote grego, o maior da história, não parece ser tão "página virada", como se apressaram em dizer líderes da região. Os investidores não estão seguros sobre o futuro do país no longo prazo e isso ficou claro nos preços dos novos bônus do governo grego, negociados hoje com desconto expressivo. Na sexta-feira, a Associação Internacional de Swaps e Derivativos (ISDA, na sigla em inglês) considerou como default o evento grego, disparando o pagamento dos contratos de swaps de default de crédito (CDS). A exposição líquida atual aos CDS da Grécia é de US$ 3,2 bilhões, mas o pagamento acabará sendo menor do que esse montante, segundo a ISDA. O valor dos CDS será determinado em leilão no próximo dia 19.

COMENTÁRIOS
Deixe seu comentário sobre este texto.

DEIXE SEU COMENTÁRIO CORRIGIR ENVIAR imprimir IMPRIMIR
TEXTOS RELACIONADOS
Dólar avança ante o iene e o euro, após dados positivos dos EUA
No fim da tarde em Nova Iorque, o dólar se valorizava a 123,09 ienes, de 121,54 ienes no fim da segunda-feira
Bovespa fecha no menor nível em um mês, refletindo desempenho ruim de mercados
Bovespa fechou em baixa e no menor patamar em mais de um mês, afetada pelo desempenho ruim das bolsas no exterior e também pelas questões políticas que ameaçam aprovação das medidas de ajuste fiscal
Juros futuros fecham estáveis, a despeito da alta do dólar
Depois de terem acompanhado a alta do dólar por quase toda a sessão, as taxas de juros futuras terminaram perto da estabilidade
Dólar sobe 1,71%, fecha em R$ 3,15 sob expectativa de alta dos juros nos EUA
No fim do pregão, o dólar à vista subiu 1,71%, aos R$ 3,1520. O volume de negócios totalizava US$ 1,510 bilhão no balcão, perto das 16h30

 EDIÇÃO IMPRESSA

Clique aqui
para ler a edição
do dia e acessar
o arquivo do JC.


 
para folhear | modo texto