Porto Alegre, quarta-feira, 22 de outubro de 2014. Atualizado às 00h38.
Hoje é Dia do Enólogo.
PREVISÃO DO TEMPO
PORTO ALEGRE AMANHÃ
AGORA
16°C
29°C
17°C
previsão do tempo
COTAÇÃO DO DÓLAR
em R$ Compra Venda Variação
Comercial 2,4750 2,4770 0,52%
Turismo/SP 2,3400 2,6400 0,76%
Paralelo/SP 2,3500 2,6500 0,76%
mais indicadores
Página Inicial | Opinião | Economia | Política | Geral / Internacional | Esportes | Cadernos | Colunas
ASSINE  |  ANUNCIE  |  ATENDIMENTO ONLINE
» Corrigir
Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.
Nome:
Email:
Mensagem:
» Indique esta matéria
[FECHAR]
Para enviar essa página a um amigo(a), preencha os campos abaixo:
De:
Email:
Amigo:
Email:
Mensagem:
 
» Comente esta notícia
[FECHAR]  
  Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.  
  Nome:  
  Email:    
  Cidade:    
  Comentário:    
500 caracteres restantes
 
Autorizo a publicação deste comentário na edição impressa.
 
129524
Repita o código
neste campo
 
 
COMENTAR CORRIGIR ENVIAR imprimir IMPRIMIR

MERCADO FINANCEIRO 12/03/2012 - 11h00min

China e Grécia fazem bolsas dos EUA abrirem em queda

Os indicadores fracos da economia chinesa e dúvidas persistentes em relação à Grécia minam as forças das bolsas para a abertura desta segunda-feira (12), véspera de reunião de política monetária do Federal Reserve (Fed). Dow Jones e Nasdaq abriram. Às 10h35min, Dow Jones apresentava leve alta de 0,05% e a Nasdaq caia 0,02%.

Para analistas consultados pela Agência Estado, o Comitê de Mercado Aberto do Fed (Fomc) não deverá promover nenhuma mudança na reunião de amanhã e afirmam que a melhora gradual da economia americana pode acabar antecipando o início da alta de juros no país para antes do fim de 2014, prazo previsto pelo BC americano. "A única mudança que pode haver é (o Fed) adotar um tom um pouco mais positivo sobre as condições da economia do que o adotado anteriormente", disse o economista-chefe da consultoria MFR, Joshua Shapiro, na última sexta-feira.

Do outro lado do mundo, a questão não é a melhora, mas a piora da economia chinesa, que teve um déficit comercial de US$ 31,48 bilhões em fevereiro, bem maior do que o déficit de US$ 8,5 bilhões esperado por analistas. Além disso, o saldo negativo sucede um superávit de US$ 27,28 bilhões em janeiro. As exportações chinesas cresceram 18,4% em fevereiro em comparação com um ano atrás, enquanto as importações cresceram 39,6%.

Na Europa, o calote grego, o maior da história, não parece ser tão "página virada", como se apressaram em dizer líderes da região. Os investidores não estão seguros sobre o futuro do país no longo prazo e isso ficou claro nos preços dos novos bônus do governo grego, negociados hoje com desconto expressivo. Na sexta-feira, a Associação Internacional de Swaps e Derivativos (ISDA, na sigla em inglês) considerou como default o evento grego, disparando o pagamento dos contratos de swaps de default de crédito (CDS). A exposição líquida atual aos CDS da Grécia é de US$ 3,2 bilhões, mas o pagamento acabará sendo menor do que esse montante, segundo a ISDA. O valor dos CDS será determinado em leilão no próximo dia 19.

COMENTÁRIOS
Deixe seu comentário sobre este texto.

DEIXE SEU COMENTÁRIO CORRIGIR ENVIAR imprimir IMPRIMIR
TEXTOS RELACIONADOS
Petróleo sobe com crescimento da China acima do esperado
Preços continuam nos menores patamares em anos, diante das permanentes preocupações com a alta oferta e baixa demanda
Bovespa cai ao menor nível desde 5 de junho com eleições
Ibovespa fechou em queda pela segunda sessão consecutiva, no menor nível desde o dia 5 de junho, conduzido pelas perdas das ações das empresas estatais e de bancos
Ouro fecha na máxima em seis semanas
Caso a medida seja realmente adotada, destacará as crescentes preocupações com a fragilidade econômica do bloco
Juros sobem com vantagem de Dilma em pesquisas
A sondagem Datafolha mostrou Dilma com 52% dos votos válidos, de 49% no levantamento anterior, enquanto Aécio caiu para 48%, de 51%

 EDIÇÃO IMPRESSA

Clique aqui
para ler a edição
do dia e as edições
dos últimos
5 anos do JC.


 
para folhear | modo texto