Porto Alegre, domingo, 02 de agosto de 2015. Atualizado às 20h46.
PREVISÃO DO TEMPO
PORTO ALEGRE AMANHÃ
AGORA
18°C
27°C
16°C
previsão do tempo
COTAÇÃO DO DÓLAR
em R$ Compra Venda Variação
Comercial 3,4230 3,4250 1,63%
Turismo/SP 3,2800 3,6500 1,38%
Paralelo/SP 3,2800 3,6500 1,38%
mais indicadores
Página Inicial | Opinião | Economia | Política | Geral / Internacional | Esportes | Cadernos | Colunas
ASSINE  |  ANUNCIE  |  ATENDIMENTO ONLINE
» Corrigir
Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.
Nome:
Email:
Mensagem:
» Indique esta matéria
[FECHAR]
Para enviar essa página a um amigo(a), preencha os campos abaixo:
De:
Email:
Amigo:
Email:
Mensagem:
 
» Comente esta notícia
[FECHAR]  
  Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.  
  Nome:  
  Email:    
  Cidade:    
  Comentário:    
500 caracteres restantes
 
Autorizo a publicação deste comentário na edição impressa.
 
134130
Repita o código
neste campo
 
 
COMENTAR CORRIGIR ENVIAR imprimir IMPRIMIR
Teatro Antônio Hohlfeldt
a_hohlfeldt@yahoo.com.br

Teatro

Coluna publicada em 17/02/2012

Reencontro com a boneca Teresa

Tive a oportunidade de assistir à estreia de Boneca Teresa ou Canção de amor e morte de Gelci e Valdinete, em 1975, no Teatro de Arena. Trinta e sete anos depois, esta mesma peça recebe nova montagem, iniciativa das atrizes e diretoras Jordana de Moraes (Valdinete) e Larissa Gonzalez (Gelci). Num ambiente bastante sintético, criado por Nani Farias, figurinos das próprias atrizes, iluminação de Dionatan Rosa (um bom achado a troca de luzes quando as mulheres estão na delegacia) e som de Cícero Melo, o espetáculo é um dos bons momentos da mostra de verão deste ano.

Boneca Teresa é um dos grandes textos dramáticos de Carlos Carvalho. Através de uma situação concentrada em um contexto já clássico no teatro - personagens colocados por decisão de outrem em espaço fechado, uns frente aos outros - retoma, evidentemente, o conhecido trabalho de Jean-Paul Sartre Entre quatro paredes mas, ao contrário do dramaturgo e filósofo francês do existencialismo, a peça, embora crítica, não é cética e defende, sim, a possibilidade do humano mesmo entre criaturas reificadas e na mais absoluta solidão.

O tema da solidão foi uma constante na dramaturgia de Carlos Carvalho. Isso ocorre com Pt saudações ou em O pulo do gato, seu último trabalho (Carlos Carvalho faleceu enquanto preparava a estreia deste texto). O ser humano encontra-se sozinho diante dos demais. É neste sentido que a formação humanista de Carlos Carvalho encontra a justificativa de sua escrita: por mais abandonadas que estejam, as personagens ainda alcançam um sentido de humanidade que as redime. No caso desta peça - duas mulheres trancadas em um apartamento desconhecido, atraídas por um homem desconhecido -, não obstante seus problemas particulares, conseguem o diálogo e a mais íntima comunicação possível: mesmo desprezada pelos preconceitos de Gelci sobre sua pessoa, Valdinete, a prostituta, não consegue abandonar a eventual companheira que sofre das consequências de um aborto criminoso e acaba retornando para auxiliar a outra. O diálogo seco, contrastado entre a aparente insensibilidade de Valdinete e a ingenuidade de Gelci, permite ao espectador desenvolver toda uma reflexão sobre a condição humana que se traduz, sobretudo, na identificação de um ser com o outro, o que o leva a distanciar-se da condição alienada a que estaria condenado. É isso que salva Valdinete, filosoficamente falando, assim como salva Gelci, biologicamente referida.

O que é mais emocionante é que, quase 40 anos depois de sua estreia, o texto continua vivo e emocionante. Jordana de Moraes incorpora a figura de Valdinete, enquanto Larissa Gonzalez, com alguns problemas de postura corporal (pernas encolhidas ao longo de quase toda a encenação) não deixa de dar humanidade à figura de Gelci, pois tão maior é sua figura física, tão menor é sua força para enfrentar a adversidade, o que bem traduz em trejeitos e excelentes entonações. A pequena plateia da Sala Álvaro Moreira não respirou durante todo o espetáculo e ao final quase nem queria sair, como se precisasse emprestar sua solidariedade às duas personagens. Isso é raro no teatro e evidencia o quanto a encenação tocou o público.

É bom que, mesmo em meio à canícula que nos assola, felizmente diminuída com o ar-condicionado da sala, o Porto Verão Alegre não se restrinja a comédias. Nada contra, é claro, mas é sempre bom a gente se emocionar com um texto dramático, quase trágico como este. Mostra que o teatro ainda está vivo. 

COMENTÁRIOS
Deixe seu comentário sobre este texto.

DEIXE SEU COMENTÁRIO CORRIGIR ENVIAR imprimir IMPRIMIR
COLUNAS ANTERIORES
Devaneios de princesa Alegoria de um mundo conectado
No texto original, um soldado retorna da guerra e, no caminho, depara-se com o diabo, que lhe oferece um livro em troca do violino que o soldado carrega
Emocionante lição de relações
Marianna Salzmann é mais uma nova dramaturga alemã que o Instituto Goethe ajuda a revelar no Brasil
A dramaturgia em nosso meio
No âmbito do curso de Escrita Criativa do Programa de Pós-Graduação em Letras da Pucrs, tive a oportunidade de desenvolver, no segundo semestre de 2014, uma experiência bastante interessante

 EDIÇÃO IMPRESSA

Clique aqui
para ler a edição
do dia e acessar
o arquivo do JC.


 
para folhear | modo texto