Porto Alegre, sexta-feira, 19 de setembro de 2014. Atualizado às 23h39.
PREVISÃO DO TEMPO
PORTO ALEGRE AMANHÃ
AGORA
20°C
24°C
15°C
previsão do tempo
COTAÇÃO DO DÓLAR
em R$ Compra Venda Variação
Comercial 2,3630 2,3650 0,29%
Turismo/SP 2,2300 2,5200 1,20%
Paralelo/SP 2,2400 2,5300 0,79%
mais indicadores
Página Inicial | Opinião | Economia | Política | Geral / Internacional | Esportes | Cadernos | Colunas
ASSINE  |  ANUNCIE  |  ATENDIMENTO ONLINE
» Corrigir
Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.
Nome:
Email:
Mensagem:
» Indique esta matéria
[FECHAR]
Para enviar essa página a um amigo(a), preencha os campos abaixo:
De:
Email:
Amigo:
Email:
Mensagem:
 
» Comente esta notícia
[FECHAR]  
  Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.  
  Nome:  
  Email:    
  Cidade:    
  Comentário:    
500 caracteres restantes
 
Autorizo a publicação deste comentário na edição impressa.
 
226328
Repita o código
neste campo
 
 
COMENTAR CORRIGIR ENVIAR imprimir IMPRIMIR
Conexão Política Adão Oliveira
adaooliveira@hotmail.com

Conexão Política

Coluna publicada em 25/09/2009

Terceira via

Após análise da pesquisa qualitativa realizada pelo Instituto Methodus, lideranças do PSB, PP, PCdoB, PDT, PPS, PTB, PR, PV e também do PSC, PTC e PTdoB decidiram formar um grupo de trabalho que deverá elaborar um projeto para 2010. Foi durante reunião realizada, quinta-feira, no Restaurante Copacabana e que contou com a participação do deputado federal Beto Albuquerque, dos presidentes do PSB, Caleb de Oliveira; do PP, Jerônimo Goergen; do PDT, Romildo Bolzan; do PCdoB, Adalberto Frasson; do PV, Edison Pereira; do PTC, João Carlos Rodrigues e do presidente do PTB, deputado Luis Augusto Lara. Também participaram os deputados estaduais Adroaldo Loureiro (PDT) e Miki Breier (PSB), além de dirigentes estaduais das demais siglas. Também ficou acertado que os partidos irão discutir nomes para compor a chapa majoritária.

Coordenador da reunião, Caleb de Oliveira destacou que há enorme sintonia entre os partidos no sentido de construir um projeto novo para o Estado. Já o pré-candidato ao Governo, Beto Albuquerque, enfatizou que a terceira via avança. “Ficou claro na pesquisa que o Rio Grande do Sul clama por uma nova alternativa, uma terceira via que coloque os interesses dos gaúchos em primeiro lugar”, informou Beto. Segundo o deputado, “o debate não é sobre a evolução dos conflitos e sim sobre a involução da economia do Rio Grande do Sul”. Ele lamentou o fato de o Estado representar somente 6% do PIB nacional. “A política tem produzido problemas para os gaúchos e não apresentado soluções como deveria”.

Ciro Gomes

O deputado Ciro Gomes (PSB-CE) decidiu que vai concorrer à presidência da República. Mas, ele tem dois grandes desafios para viabilizar a sua candidatura ao Palácio do Planalto. Terá de construir palanques competitivos nos estados e ainda conquistar legendas que lhe garantam tempo de propaganda eleitoral gratuita no rádio e na tevê. Sozinho, o PSB tem apenas 1 minuto e 11 segundos diários em cadeia nacional. É pouco. Por isso que coligar com o PDT e com o PCdoB. Sem isso, ele não chega lá.

Ajuris repudia liminar do CNJ

Na quarta-feira, o Conselho Nacional de Justiça (CNJ) emitiu liminar suspendendo o adicional da diferença da URV, pagos mensalmente à magistratura e aos servidores do Poder Judiciário do Rio Grande do Sul. O argumento é de que o cálculo da conversão foi feito de forma indevida, não respeitando a Lei 8.800, que determina a utilização do valor da URV correspondente ao dia efetivo do pagamento do salário.

Para o presidente da Associação dos Juízes do Rio Grande do Sul (Ajuris), Carlos Cini Marchionatti, a decisão do conselheiro do CNJ José Adônis Callou de Araújo Sá é equivocada, prematura e perigosa. “A decisão proferida simplesmente acolheu o laudo, evidenciando a insuficiência das razões de decidir. O julgamento em nada justifica a sua prolação em caráter liminar e precipitado, senão a pressa, o arbítrio e o exame parcial e limitado da situação”, assegura Marchionatti. Para ele, era imprescindível que, antes de emitir a liminar, o CNJ teria que ter ouvido o presidente do Tribunal de Justiça gaúcho acerca do laudo emitido pelos técnicos do Tribunal de Contas da União.

O pagamento das URVs trata-se de decisão judicial que se estende do período de conversão do cruzeiro novo até os dias de hoje e que, na década de 1990 - período em que o País efetuou diversas trocas de moeda vigente -, não foi devidamente pago. “Se existem eventuais ilegalidades em relação a isso, elas merecem ser investigadas e esclarecidas, mas não se pode tratar o funcionalismo ou a magistratura como vilã de uma situação que foi criada à revelia e, cujo parcelamento aceitou-se num ato de cooperação para com o Executivo”, frisa o presidente da Ajuris.

COMENTÁRIOS
Paulo A Gazzana - 25/09/2009 - 08h49
TERCEIRA VIA: Mais uma esperança nasce. Um grupo de políticos chegar a conclusão que a política só está atrapalhando, é um feito notável, pode ser o início da virada. Espero que daí não apareça um lindo plano de governo que seja esquecido após as eleições. Um bom começo seria esclarecer a população que os problemas do RS não serão resolvidos numa única gestão, serão necessários muitos governos sérios e competentes. No final do governo Rigotto foi feito algo semelhante, que emocionou o país. A oposição combateu esse plano, fez baderna, teatrinho, gritou, atrapalhou, o plabno foi esquecido, a população se danou, enfim, mais uma gestão perdida. Melhor seria não ter pago os impostos e fechado o governo. Teríamos mais dinheiro no bolso, ao menos isso. Apesar das acusações que pesam contra o governo gaúcho, é preciso reconhecer o excelente trabalho realizado e a falta de responsabilidade da oposição que gritou muito, mas não apresentou nada melhor (criticar é mais fácil). Denunciar a corrupção foi um trabalho notável, mas fazer só isso, durante uma gestão, é muito pouco. O eleitor precisa aprender a reclamar e a exigir o cumprimento dos planos de governo, para deixar de ser o eterno palhaço. Somos culpados, os maus políticos, os vigaristas de plantão, apenas aproveitam as oportunidades.

DEIXE SEU COMENTÁRIO CORRIGIR ENVIAR imprimir IMPRIMIR
COLUNAS ANTERIORES

 EDIÇÃO IMPRESSA

Clique aqui
para ler a edição
do dia e as edições
dos últimos
5 anos do JC.


 
para folhear | modo texto