Porto Alegre, sábado, 25 de outubro de 2014. Atualizado às 14h05.
PREVISÃO DO TEMPO
PORTO ALEGRE AMANHÃ
AGORA
25°C
27°C
18°C
previsão do tempo
COTAÇÃO DO DÓLAR
em R$ Compra Venda Variação
Comercial 2,4560 2,4580 2,18%
Turismo/SP 2,3300 2,6500 1,11%
Paralelo/SP 2,3400 2,6600 1,11%
mais indicadores
Página Inicial | Opinião | Economia | Política | Geral / Internacional | Esportes | Cadernos | Colunas
ASSINE  |  ANUNCIE  |  ATENDIMENTO ONLINE
» Corrigir
Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.
Nome:
Email:
Mensagem:
» Indique esta matéria
[FECHAR]
Para enviar essa página a um amigo(a), preencha os campos abaixo:
De:
Email:
Amigo:
Email:
Mensagem:
 
» Comente esta notícia
[FECHAR]  
  Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.  
  Nome:  
  Email:    
  Cidade:    
  Comentário:    
500 caracteres restantes
 
Autorizo a publicação deste comentário na edição impressa.
 
164475
Repita o código
neste campo
 
 
COMENTAR CORRIGIR ENVIAR imprimir IMPRIMIR
Repórter Brasília Edgar Lisboa
edgarlisboa@jornaldocomercio.com.br

Repórter Brasília

Coluna publicada em 30/11/2011

Aids no Brasil

Os números da epidemia de Aids no Brasil são motivo para comemoração. Segundo dados do Ministério da Saúde, a porcentagem de pessoas portadoras do vírus HIV estacionou em 0,6% da população. Além disso, entre 1997 e 2010, o número de infecções caiu 21%. Mas a região Sul não tem muito o que comemorar, especialmente o Rio Grande do Sul. A taxa de incidência da doença no Sul foi de 28,8 casos por 100 mil habitantes, muito mais que o Norte, segundo lugar, com 20,6 casos por 100 mil habitantes. E o estado que mais teve casos em 2010 foi o Rio Grande do Sul, com 27,7 casos por 100 mil habitantes. Porto Alegre é a cidade brasileira que se destaca, com 99,8 casos por 100 mil habitantes. A coluna ouviu a avaliação de deputados federais da bancada gaúcha que são médicos.

Menos registros

O problema é que os números do Rio Grande do Sul representam muito mais uma preocupação para o resto do País do que um problema no Estado. Isso porque a rede de atendimento e diagnóstico é mais acessível do que em outros lugares. “Acredito que é um problema de sub-registro em outros estados”, acredita o deputado Osmar Terra (PMDB). Segundo ele, o Brasil é o país que tem os melhores programas de combate ao HIV, mas precisa incentivar mais a busca ativa do vírus. “Mas, de qualquer forma, o Brasil está de parabéns.”

Medo desaparecendo

O deputado Alexandre Roso (PSB) destaca que, além de o acesso aos diagnósticos ser maior, o que aumenta o número de infectados, o medo da doença está desaparecendo. “Essa geração não viveu a primeira fase da Aids, quando os tratamentos eram inexistentes. Mas a Aids ainda é uma doença grave.” Mesmo assim, segundo Roso, as campanhas e a divulgação de números estão fazendo voltar o interesse dos gestores na doença. “Até porque os números de infectados são provavelmente maiores.”

Queda insuficiente

Para Darcísio Perondi, do PMDB, a queda no número de casos foi insuficiente, o que mostra a necessidade de políticas públicas mais agressivas. “Houve acomodação. Agora é necessário ter uma reação forte dos estados e da União para combater o vírus”, comentou o deputado.

Incentivo

Henrique Fontana (PT) comemorou a estabilização no número de casos, mas com ressalvas. “O fato de ter estabilizado é um sinal positivo, mas insuficiente. O Brasil não pode se conformar apenas com isso”, disse. De acordo com Fontana, até agora o número de casos vinha aumentando, o que diminuía era a taxa de aumento. “Essa estabilização deve servir de incentivo para o País entrar numa era de diminuição.”

COMENTÁRIOS
Deixe seu comentário sobre este texto.

DEIXE SEU COMENTÁRIO CORRIGIR ENVIAR imprimir IMPRIMIR
COLUNAS ANTERIORES
O novo presidente
Quem ocupar o Palácio do Planalto a partir do ano que vem terá que construir uma base de apoio num Congresso com 28 partidos
Vitória sem participação
Os produtores de fumo brasileiros tiveram uma vitória na COP 6, a Conferência das Partes da Convenção-Quadro para Controle do Tabaco
PSDB menor
Ao contrário do PSDB nacional, que aumentou a bancada de deputados federais e disputa o segundo turno à presidência com boas chances, o PSDB gaúcho está definhando
As várias capitais
Outros cinco municípios tentam conseguir o título de “capital nacional”, sendo que dois são gaúchos

 EDIÇÃO IMPRESSA

Clique aqui
para ler a edição
do dia e as edições
dos últimos
5 anos do JC.


 
para folhear | modo texto