Porto Alegre, quarta-feira, 01 de outubro de 2014. Atualizado às 22h32.
Hoje é Dia Nacional do Idoso.
PREVISÃO DO TEMPO
PORTO ALEGRE AMANHÃ
AGORA
20°C
21°C
12°C
previsão do tempo
COTAÇÃO DO DÓLAR
em R$ Compra Venda Variação
Comercial 2,4470 2,4490 0,32%
Turismo/SP 2,3000 2,6300 0,38%
Paralelo/SP 2,3300 2,6400 0,38%
mais indicadores
Página Inicial | Opinião | Economia | Política | Geral / Internacional | Esportes | Cadernos | Colunas
ASSINE  |  ANUNCIE  |  ATENDIMENTO ONLINE
» Corrigir
Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.
Nome:
Email:
Mensagem:
» Indique esta matéria
[FECHAR]
Para enviar essa página a um amigo(a), preencha os campos abaixo:
De:
Email:
Amigo:
Email:
Mensagem:
 
» Comente esta notícia
[FECHAR]  
  Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.  
  Nome:  
  Email:    
  Cidade:    
  Comentário:    
500 caracteres restantes
 
Autorizo a publicação deste comentário na edição impressa.
 
120585
Repita o código
neste campo
 
 
COMENTAR CORRIGIR ENVIAR imprimir IMPRIMIR
Repórter Brasília Edgar Lisboa
edgarlisboa@jornaldocomercio.com.br

Repórter Brasília

Coluna publicada em 03/11/2011

Briga pelo financiamento

O deputado federal Henrique Fontana (PT) está correndo para poder votar o seu relatório da reforma política no dia 9 de novembro. O problema é que a maior bancada no Congresso Nacional e o maior aliado de seu partido, o PMDB, não aceita o financiamento público de campanha. A legenda defende financiamento misto, mas o PT não quer abrir mão do financiamento exclusivamente público.

O deputado conversou com peemedebistas, mas nenhum dos dois lados mudou de ideia. "O financiamento virou o maior assunto, porque estamos com dificuldades de fechar a maioria", disse Fontana. Mas, segundo ele, a ida do deputado estadual carioca Marcelo Freixo (P-Sol) para a Europa por pressão das milícias pode fazer a balança pender para o lado petista.

"Esse caso é mais um que comprova que o financiamento privado dá espaço até para a atividade de organizações criminosas." Fontana já alterou o sistema de votação, que deixa de ser o que o eleitor vota obrigatoriamente no partido e no candidato e passa a dar um voto ao eleitor para que ele possa escolher ou o candidato ou a legenda.

"Como criticaram muito a minha proposta, falando que ela foi feita para beneficiar o PT, mudei o sistema de votação para o que é hoje", diz.

Poucos dias atrás, Fontana recusou a candidatura à prefeitura de Porto Alegre, deixando apenas Raul Pont, Adão Villaverde e Adeli Sell para disputar nas prévias.

Deputados em campo

Craques participarão de um jogo de futebol, neste sábado, em Canoas, cidade do presidente da Câmara dos Deputados, Marco Maia (PT), que também entrará em campo. O Jogo da Solidariedade começa às 16h, no estádio da Ulbra. A partida, do time dos deputados federais contra o dos deputados estaduais, terá o pontapé inicial dado pelo prefeito Jairo Jorge (PT), também um parceiro da iniciativa.

Craques no jogo

Romário e Danrlei de Deus (foto) no mesmo campo. E não é um jogo entre Grêmio e Vasco. Os dois participarão como deputados federais do PSB carioca e PSD gaúcho, respectivamente, do Jogo da Solidariedade. E irão jogar pelo mesmo time, já que é uma partida de deputados federais contra estaduais. O ex-boxeador Acelino Popó (PRB-BA) e o ex-futebolista Afonso Hamm (PP-RS) também irão fortalecer o time. Os gaúchos Alexandre Roso (PSB), Bohn Gass (PT), Jose Stédile (PSB) e Vieira da Cunha (PDT) também irão jogar. Sem dúvida um grande jogo. Difícil saber se cumprirá o tempo regimental.

COMENTÁRIOS
Deixe seu comentário sobre este texto.

DEIXE SEU COMENTÁRIO CORRIGIR ENVIAR imprimir IMPRIMIR
COLUNAS ANTERIORES
Presidencialismo de coalizão
O sistema de governo atual no Brasil, chamado de presidencialismo de coalizão, necessita de grandes maiorias no Congresso para aprovar propostas
Composição do Congresso
Já poucas projeções para a composição do parlamento até 1 de janeiro de 2019, data que marca o fim da próxima legislatura
Bicos do governo
As contas do governo estão piorando e o Planalto está fazendo bicos para fechar o ano
Horário político
Este ano, o horário eleitoral gratuito vai custar, neste ano, R$ 839,5 milhões aos cofres públicos

 EDIÇÃO IMPRESSA

Clique aqui
para ler a edição
do dia e as edições
dos últimos
5 anos do JC.


 
para folhear | modo texto