Porto Alegre, quinta-feira, 17 de agosto de 2017.
PREVISÃO DO TEMPO
PORTO ALEGRE AMANHÃ
AGORA
10°C
26°C
11°C
previsão do tempo
COTAÇÃO DO DÓLAR
em R$ Compra Venda Variação
Comercial 3,1450 3,1470 0,88%
Turismo/SP 3,1500 3,3500 0%
Paralelo/SP 3,1500 3,3500 0%
mais indicadores
Página Inicial | Opinião | Economia | Política | Geral / Internacional | Esportes | Cadernos | Colunas
ASSINE  |  ANUNCIE  | 
» Corrigir
Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.
Nome:
Email:
Mensagem:
126868
Repita o código
neste campo
 
» Indique esta matéria
[FECHAR]
Para enviar essa página a um amigo(a), preencha os campos abaixo:
De:
Email:
Amigo:
Email:
Mensagem:
126868
Repita o código
neste campo
 
 
» Comente esta notícia
[FECHAR]  
  Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.  
  Nome:  
  Email:    
  Cidade:    
  Comentário:    
500 caracteres restantes
 
Autorizo a publicação deste comentário na edição impressa.
 
126868
Repita o código
neste campo
 
 
imprimir IMPRIMIR

Infraestrutura Notícia da edição impressa de 24/10/2011

Metrô de Porto Alegre atrai o interesse da Alstom

Fabricante de trens quer disputar o fornecimento de vagões para a linha que será implementada em Porto Alegre
ANA PAULA APRATO/JC
Grupo pode ser também sócio minoritário na operação, diz Ferrari
Grupo pode ser também sócio minoritário na operação, diz Ferrari

O braço de indústria ferroviária do grupo Alstom já prospecta investidores e potenciais candidatos a serem concessionários na operação da fase 1 do metrô de Porto Alegre. O diretor comercial, de marketing e de desenvolvimento de negócios na área de transportes da companhia, Luiz Fernando Ferrari, informou que só faltava a confirmação do investimento, feito pela presidente Dilma Rousseff, há cerca de dez dias, para deflagrar a corrida. O grupo francês já manteve contatos com o município durante a formulação do plano de negócios e do traçado. O projeto envolverá investimento de R$ 2,5 bilhões e prevê Parceria Público-Privada (PPP). A estimativa é que metade do valor será aplicado em obras civis e os outros 50% na compra dos veículos e sistemas.

Do total de R$ 1,750 bilhão, R$ 1 bilhão terá origem no Tesouro federal, cifra confirmada por Dilma na vinda ao Estado no dia 14, e R$ 750 milhões virão por meio de financiamento a ser repassado ao Estado e à prefeitura por instituições como a Caixa Econômica Federal. O restante será bancado pelo concessionário que vencer a concorrência para operar por 35 anos. Isenções fiscais de tributos municipais e estaduais reduzirão a conta privada. A linha terá 14,9 quilômetros de extensão, conectando o Centro Histórico à zona Norte, próximo à Federação das Indústrias do Estado (Fiergs). A maior parte do traçado será pela avenida Assis Brasil.

“A Alstom tem duplo papel: pode ser fornecedor e eventual sócio minoritário na operação”, antecipou o executivo. “Há muitos interessados. Todos os principais concessionários que atuam no setor no País e no exterior têm interesse”, completou Ferrari. O diretor lembrou que a empresa é hoje a principal fabricante de trens para esta modalidade de transporte, além de fornecimento de sistemas. Em São Paulo, a Alstom participou da execução da infraestrutura da Linha 4 do metrô, etapa bancada pelo setor público. A expectativa é que a definição da modelagem para a PPP ocorra ainda no primeiro semestre de 2012. Com isso, Ferrari considerou como possível o funcionamento do metrô em 2016. “Se entrarmos no projeto, leva dois anos para fabricarmos os veículos”, estimou, citando que nos dois primeiros ocorre a construção do traçado, com as 13 estações.

O modelo porto-alegrense segue o metrô leve subterrâneo. A meta é transportar 300 mil passageiros ao dia. Ferrari comparou o projeto da Capital com o existente em Buenos Aires e do qual a companhia é fornecedora de vagões. Pelo projeto local, a fonte de energia será elétrica. No Estado, a Alstom tem em Canoas uma planta de montagem de transformadores para geração de energia. A fábrica de trens está em São Paulo. A companhia também desenvolve sistemas para a operação.

Nos contatos que já foram travados com a equipe técnica que coordena o projeto em Porto Alegre (com integrantes da prefeitura e do Estado - Metroplan), a diretoria da área de transportes identificou o tamanho dos veículos, que seguirão padrões internacionais. “O que já fornecemos para a Metrovias na Argentina pode ser uma alternativa ao modelo porto-alegrense”, vislumbrou. Para Ferrari, a indústria brasileira poderá dar conta da necessidade.

Além da Alstom, outros fabricantes estão se instalando para aproveitar a demanda (projetos do PAC da Mobilidade preveem mais metrôs em outras capitais). A razão principal é poder se credenciar aos recursos públicos, como a fonte do Bndes, cuja exigência para ser elegível nos contratos é percentual alto de nacionalização dos componentes.

COMENTÁRIOS
Nenhum comentário encontrado.

imprimir IMPRIMIR
TEXTOS RELACIONADOS
Expectativa é movimentar mais de 34 milhões de toneladas neste ano
Porto do Rio Grande sente pouco os efeitos da crise
Licitação foi autorizada, disse Westphalen
Edital para dragagem do canal do Sangradouro sai em setembro
Quarta faixa vai da Arena do Grêmio até praça de pedágio de Gravataí
Nova pista da Freeway fica pronta em novembro
Muniz prevê que concessão de mais 6,5 mil quilômetros em dois anos
Concessões de rodovias devem ter R$ 55 bilhões

 EDIÇÃO IMPRESSA

Clique aqui
para ler a edição
do dia e acessar
o arquivo do JC.


 
para folhear | modo texto