Porto Alegre, quarta-feira, 16 de abril de 2014. Atualizado às 21h44.
PREVISÃO DO TEMPO
PORTO ALEGRE AMANHÃ
AGORA
22°C
30°C
19°C
previsão do tempo
COTAÇÃO DO DÓLAR
em R$ Compra Venda Variação
Comercial 2,2400 2,2420 0,17%
Turismo/SP 2,1000 2,3600 0,42%
Paralelo/SP 2,1100 2,4000 0,42%
mais indicadores
Página Inicial | Opinião | Economia | Política | Geral / Internacional | Esportes | Cadernos | Colunas
ASSINE  |  ANUNCIE
» Corrigir
Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.
Nome:
Email:
Mensagem:
» Indique esta matéria
[FECHAR]
Para enviar essa página a um amigo(a), preencha os campos abaixo:
De:
Email:
Amigo:
Email:
Mensagem:
 
» Comente esta notícia
[FECHAR]  
  Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.  
  Nome:  
  Email:    
  Cidade:    
  Comentário:    
500 caracteres restantes
 
Autorizo a publicação deste comentário na edição impressa.
 
500586
Repita o código
neste campo
 
 
COMENTAR CORRIGIR ENVIAR imprimir IMPRIMIR
Repórter Brasília Edgar Lisboa | edgarlisboa@jornaldocomercio.com.br

Repórter Brasília

Coluna publicada em 11/10/2011

Mais royalties da União

A União pode deixar de ser um árbitro na questão dos royalties e virar um jogador. Apesar de a comissão de deputados federais e senadores - criada para tentar chegar a um acordo - começar a negociar apenas nesta terça-feira, o líder do PMDB na Câmara dos Deputados, Henrique Eduardo Alves (RN), afirmou que existem estudos que indicam que a União terá que ceder mais que os estados. Mesmo assim, o peemedebista não quis adiantar números, que ainda estão em estudo. A comissão espera chegar a uma proposta concreta para levar ao ministro da Fazenda, Guido Mantega, mas os parlamentares sabem que, se as negociações falharem, o veto à distribuição igualitária dos royalties será derrubado.

Já cedeu o que tinha

Mesmo assim, deputados que lutam pela distribuição dos royalties acham difícil que a União ceda mais do que já propôs, que é abrir mão de 10% dos royalties e 4% da participação especial. “A União já cedeu o que tinha que ceder. Esses royalties estão vinculados à defesa e ciência e tecnologia, é difícil que eles abram mão, é um recurso muito necessário”, disse o deputado federal Fernando Marroni, do PT. Segundo Marroni, agora é a vez de os estados produtores cederem. O presidente da Frente Parlamentar pela Distribuição dos Royalties, deputado federal Alceu Moreira (PMDB), disse que a União já propôs a redução de sua fatia nos royalties, mas que agora a luta é por uma parte maior da participação especial. “Queremos que a União reduza de 46% para 40%.” De acordo com Alceu, esses recursos a menos nos cofres do governo federal não irão fazer diferença no futuro. “Eles já garantem a defesa do litoral com 40% dos recursos da produção de hoje, que é de R$ 20 bilhões. Mas mesmo nas projeções mais pessimistas, em 2020 a produção será de R$ 80 bilhões”, disse.

Resposta de Cherini

Sobre a nota “Queixas inoportunas”, publicada na coluna de 7 de outubro, o deputado federal Giovani Cherini (PDT) enviou uma resposta às críticas do ex-deputado Pompeo de Mattos (PDT). “Antes mesmo da publicação da nota, eu já havia deixado bem claro minha posição inabalável de permanecer no partido no qual construí minha trajetória política e o qual eu mesmo ajudei a construir. Vale lembrar que até hoje, passados 27 anos de minha atuação partidária, só tive uma filiação: no PDT de Leonel Brizola, Getúlio e Jango. Em nota, publicada em meu site (www.cherini.com.br), expressei claramente meu contentamento com o PDT, onde, aliás, me sinto muito confortável. Contudo, acho que o partido precisa de oxigenação e de um choque de democracia. Por isso, participo ativamente do processo para definição da nova presidência da sigla no Rio Grande do Sul. Pela democratização do partido, dou meu apoio à candidatura do secretário Afonso Motta.”

Ouro em educação profissional

O Brasil obteve o segundo lugar no WorldSkills, maior torneio de educação profissional. A edição deste ano foi realizada em Londres. A delegação brasileira contou com 28 estudantes, sendo 23 do Senai e cinco do Senac. O Brasil conquistou 11 medalhas, sendo seis de ouro, três de prata e duas de bronze, além de 10 certificados de excelência.

COMENTÁRIOS
Deixe seu comentário sobre este texto.

DEIXE SEU COMENTÁRIO CORRIGIR ENVIAR imprimir IMPRIMIR
COLUNAS ANTERIORES

 EDIÇÃO IMPRESSA

Clique aqui
para ler a edição
do dia e as edições
dos últimos
5 anos do JC.


 
para folhear | modo texto