Porto Alegre, domingo, 21 de dezembro de 2014. Atualizado às 19h58.
Hoje é Dia do Atleta. Hoje é Início do Verão.
PREVISÃO DO TEMPO
PORTO ALEGRE AMANHÃ
AGORA
23°C
26°C
19°C
previsão do tempo
COTAÇÃO DO DÓLAR
em R$ Compra Venda Variação
Comercial 2,6550 2,6570 0,07%
Turismo/SP 2,4800 2,8100 0,70%
Paralelo/SP 2,4900 2,8200 0,70%
mais indicadores
Página Inicial | Opinião | Economia | Política | Geral / Internacional | Esportes | Cadernos | Colunas
ASSINE  |  ANUNCIE  |  ATENDIMENTO ONLINE
» Corrigir
Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.
Nome:
Email:
Mensagem:
» Indique esta matéria
[FECHAR]
Para enviar essa página a um amigo(a), preencha os campos abaixo:
De:
Email:
Amigo:
Email:
Mensagem:
 
» Comente esta notícia
[FECHAR]  
  Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.  
  Nome:  
  Email:    
  Cidade:    
  Comentário:    
500 caracteres restantes
 
Autorizo a publicação deste comentário na edição impressa.
 
136089
Repita o código
neste campo
 
 
COMENTAR CORRIGIR ENVIAR imprimir IMPRIMIR
Repórter Brasília Edgar Lisboa
edgarlisboa@jornaldocomercio.com.br

Repórter Brasília

Coluna publicada em 01/09/2011

Legalidade e III Exército

O deputado federal Vieira da Cunha (PDT-RS) começou seu discurso, em movimentada reunião na Câmara dos Deputados, fazendo um balanço do que representou o Rio Grande do Sul e Leonel Brizola quando foi deflagrada a Campanha da Legalidade. O parlamentar pedetista contou que “naquela época, o povo elegia diretamente também o vice-presidente da República”. Disse que no dia 25 de agosto de 1961, após participar das comemorações alusivas do Dia do Soldado, o presidente Jânio Quadros surpreendeu a Nação com sua renúncia. Seu vice, João Goulart, estava em missão oficial na China. Os ministros militares manifestaram publicamente sua posição: era, segundo eles, “inconveniente” para o País que Jango assumisse a presidência. O marechal Henrique Teixeira Lott dirigiu mensagem aos seus camaradas das Forças Armadas expressando seu “repúdio à solução anormal e arbitrária que se pretende impor à Nação” e foi preso.

O golpe em marcha

“O golpe estava em marcha”, enfatizou Vieira da Cunha. Levanta-se, do Rio Grande do Sul, a voz de um jovem governador, então com 39 anos de idade (Leonel Brizola), e anuncia: “Nós que governamos o Rio Grande do Sul não aceitaremos quaisquer golpes. Não assistiremos passivamente a quaisquer atentados às liberdades públicas e à ordem constitucional. Reagiremos como estiver ao nosso alcance. Nem que seja para sermos esmagados. Mas defenderemos a nossa honra e as nossas tradições”.

Respeito à Constituição

“A Constituição do País tem que ser respeitada”, bradou Leonel Brizola. Estava lançado o “Movimento da Legalidade”. Entrincheirado no Palácio Piratini, no Centro de Porto Alegre, tendo a Brigada Militar a seu lado, o governador Brizola mobiliza o povo gaúcho e brasileiro em defesa do respeito à Constituição, exigindo que seu cunhado e conterrâneo, João Goulart, tome posse como presidente da República. Num ato decisivo para o sucesso do movimento, no dia 27 de agosto de 1961, Brizola requisita a rádio Guaíba, instalando seus estúdios nos porões do Palácio, de onde faria seus inflamados discursos, na famosa Rede da Legalidade, mostrando a força de mobilização do rádio. Vieira da Cunha registrou também o papel decisivo de Neuza Goulart Brizola, irmã de Jango e esposa do governador.

Lavando a honra da Nação

“Venham, e se eles quiserem cometer essa chacina, retirem-se, mas eu não me retirarei e aqui ficarei até o fim. Poderei ser esmagado. Poderei ser destruído. Poderei ser morto. Eu, a minha esposa e muitos amigos civis e militares do Rio Grande do Sul. Não importa. Ficará o nosso protesto, lavando a honra desta Nação. Aqui resistiremos até o fim. A morte é melhor do que vida sem honra, sem dignidade e sem glória. Aqui ficaremos até o fim. Podem atirar. Que decolem os jatos! Que atirem os armamentos que tiverem comprado à custa da fome e do sacrifício do povo! Joguem essas armas contra este povo. Já fomos dominados pelos trustes e monopólios norte-americanos. Estaremos aqui para morrer, se necessário. Um dia, nossos filhos e irmãos farão a independência do nosso povo! Um abraço, meu povo querido! Se não puder falar mais, será porque não me foi possível! Todos sabem o que estou fazendo! Adeus, meu Rio Grande querido! Pode ser este, realmente, o nosso adeus! Mas aqui estaremos para cumprir o nosso dever”, discursou Brizola. Neste mesmo movimentado e decisivo dia 28 de agosto, Brizola recebe em seu gabinete a visita do comandante do III Exército, general Machado Lopes. Para o delírio da multidão que tomava conta da Praça da Matriz, o general comunica ao governador que o III Exército ficaria com a Constituição.

COMENTÁRIOS
paulo roberto bramabilla - 01/09/2011 - 16h18
Que tal fazer um movimento parecido com o da legalidade e fazer o congresso respeitar a constituição ,pois nem o teto salarial é respeitado.Mandar o /sarney embora para o Maranhao com urgencia.

DEIXE SEU COMENTÁRIO CORRIGIR ENVIAR imprimir IMPRIMIR
COLUNAS ANTERIORES
Polêmica das drogas Do pequeno para o médio Setor desrespeitado O Congresso do ano que vem

 EDIÇÃO IMPRESSA

Clique aqui
para ler a edição
do dia e as edições
dos últimos
5 anos do JC.


 
para folhear | modo texto