Porto Alegre, domingo, 26 de outubro de 2014. Atualizado às 23h52.
Hoje é Dia do Trabalhador da Construção Civil. Hoje é Dia da Democracia.
PREVISÃO DO TEMPO
PORTO ALEGRE AMANHÃ
AGORA
20°C
29°C
18°C
previsão do tempo
COTAÇÃO DO DÓLAR
em R$ Compra Venda Variação
Comercial 2,4560 2,4580 2,18%
Turismo/SP 2,3300 2,6500 1,11%
Paralelo/SP 2,3400 2,6600 1,11%
mais indicadores
Página Inicial | Opinião | Economia | Política | Geral / Internacional | Esportes | Cadernos | Colunas
ASSINE  |  ANUNCIE  |  ATENDIMENTO ONLINE
» Corrigir
Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.
Nome:
Email:
Mensagem:
» Indique esta matéria
[FECHAR]
Para enviar essa página a um amigo(a), preencha os campos abaixo:
De:
Email:
Amigo:
Email:
Mensagem:
 
» Comente esta notícia
[FECHAR]  
  Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.  
  Nome:  
  Email:    
  Cidade:    
  Comentário:    
500 caracteres restantes
 
Autorizo a publicação deste comentário na edição impressa.
 
479945
Repita o código
neste campo
 
 
COMENTAR CORRIGIR ENVIAR imprimir IMPRIMIR
Repórter Brasília Edgar Lisboa
edgarlisboa@jornaldocomercio.com.br

Repórter Brasília

Coluna publicada em 01/09/2011

Legalidade e III Exército

O deputado federal Vieira da Cunha (PDT-RS) começou seu discurso, em movimentada reunião na Câmara dos Deputados, fazendo um balanço do que representou o Rio Grande do Sul e Leonel Brizola quando foi deflagrada a Campanha da Legalidade. O parlamentar pedetista contou que “naquela época, o povo elegia diretamente também o vice-presidente da República”. Disse que no dia 25 de agosto de 1961, após participar das comemorações alusivas do Dia do Soldado, o presidente Jânio Quadros surpreendeu a Nação com sua renúncia. Seu vice, João Goulart, estava em missão oficial na China. Os ministros militares manifestaram publicamente sua posição: era, segundo eles, “inconveniente” para o País que Jango assumisse a presidência. O marechal Henrique Teixeira Lott dirigiu mensagem aos seus camaradas das Forças Armadas expressando seu “repúdio à solução anormal e arbitrária que se pretende impor à Nação” e foi preso.

O golpe em marcha

“O golpe estava em marcha”, enfatizou Vieira da Cunha. Levanta-se, do Rio Grande do Sul, a voz de um jovem governador, então com 39 anos de idade (Leonel Brizola), e anuncia: “Nós que governamos o Rio Grande do Sul não aceitaremos quaisquer golpes. Não assistiremos passivamente a quaisquer atentados às liberdades públicas e à ordem constitucional. Reagiremos como estiver ao nosso alcance. Nem que seja para sermos esmagados. Mas defenderemos a nossa honra e as nossas tradições”.

Respeito à Constituição

“A Constituição do País tem que ser respeitada”, bradou Leonel Brizola. Estava lançado o “Movimento da Legalidade”. Entrincheirado no Palácio Piratini, no Centro de Porto Alegre, tendo a Brigada Militar a seu lado, o governador Brizola mobiliza o povo gaúcho e brasileiro em defesa do respeito à Constituição, exigindo que seu cunhado e conterrâneo, João Goulart, tome posse como presidente da República. Num ato decisivo para o sucesso do movimento, no dia 27 de agosto de 1961, Brizola requisita a rádio Guaíba, instalando seus estúdios nos porões do Palácio, de onde faria seus inflamados discursos, na famosa Rede da Legalidade, mostrando a força de mobilização do rádio. Vieira da Cunha registrou também o papel decisivo de Neuza Goulart Brizola, irmã de Jango e esposa do governador.

Lavando a honra da Nação

“Venham, e se eles quiserem cometer essa chacina, retirem-se, mas eu não me retirarei e aqui ficarei até o fim. Poderei ser esmagado. Poderei ser destruído. Poderei ser morto. Eu, a minha esposa e muitos amigos civis e militares do Rio Grande do Sul. Não importa. Ficará o nosso protesto, lavando a honra desta Nação. Aqui resistiremos até o fim. A morte é melhor do que vida sem honra, sem dignidade e sem glória. Aqui ficaremos até o fim. Podem atirar. Que decolem os jatos! Que atirem os armamentos que tiverem comprado à custa da fome e do sacrifício do povo! Joguem essas armas contra este povo. Já fomos dominados pelos trustes e monopólios norte-americanos. Estaremos aqui para morrer, se necessário. Um dia, nossos filhos e irmãos farão a independência do nosso povo! Um abraço, meu povo querido! Se não puder falar mais, será porque não me foi possível! Todos sabem o que estou fazendo! Adeus, meu Rio Grande querido! Pode ser este, realmente, o nosso adeus! Mas aqui estaremos para cumprir o nosso dever”, discursou Brizola. Neste mesmo movimentado e decisivo dia 28 de agosto, Brizola recebe em seu gabinete a visita do comandante do III Exército, general Machado Lopes. Para o delírio da multidão que tomava conta da Praça da Matriz, o general comunica ao governador que o III Exército ficaria com a Constituição.

COMENTÁRIOS
paulo roberto bramabilla - 01/09/2011 - 16h18
Que tal fazer um movimento parecido com o da legalidade e fazer o congresso respeitar a constituição ,pois nem o teto salarial é respeitado.Mandar o /sarney embora para o Maranhao com urgencia.

DEIXE SEU COMENTÁRIO CORRIGIR ENVIAR imprimir IMPRIMIR
COLUNAS ANTERIORES
O novo presidente
Quem ocupar o Palácio do Planalto a partir do ano que vem terá que construir uma base de apoio num Congresso com 28 partidos
Vitória sem participação
Os produtores de fumo brasileiros tiveram uma vitória na COP 6, a Conferência das Partes da Convenção-Quadro para Controle do Tabaco
PSDB menor
Ao contrário do PSDB nacional, que aumentou a bancada de deputados federais e disputa o segundo turno à presidência com boas chances, o PSDB gaúcho está definhando
As várias capitais
Outros cinco municípios tentam conseguir o título de “capital nacional”, sendo que dois são gaúchos

 EDIÇÃO IMPRESSA

Clique aqui
para ler a edição
do dia e as edições
dos últimos
5 anos do JC.


 
para folhear | modo texto