Porto Alegre, sexta-feira, 24 de outubro de 2014. Atualizado às 15h41.
Hoje é Dia das Nações Unidas - ONU.
PREVISÃO DO TEMPO
PORTO ALEGRE AMANHÃ
AGORA
27°C
30°C
19°C
previsão do tempo
COTAÇÃO DO DÓLAR
em R$ Compra Venda Variação
Comercial 2,4720 2,4740 1,55%
Turismo/SP 2,3800 2,6600 0,74%
Paralelo/SP 2,3800 2,6600 1,11%
mais indicadores
Página Inicial | Opinião | Economia | Política | Geral / Internacional | Esportes | Cadernos | Colunas
ASSINE  |  ANUNCIE  |  ATENDIMENTO ONLINE
» Corrigir
Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.
Nome:
Email:
Mensagem:
» Indique esta matéria
[FECHAR]
Para enviar essa página a um amigo(a), preencha os campos abaixo:
De:
Email:
Amigo:
Email:
Mensagem:
 
» Comente esta notícia
[FECHAR]  
  Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.  
  Nome:  
  Email:    
  Cidade:    
  Comentário:    
500 caracteres restantes
 
Autorizo a publicação deste comentário na edição impressa.
 
208752
Repita o código
neste campo
 
 
COMENTAR CORRIGIR ENVIAR imprimir IMPRIMIR
Teatro Antônio Hohlfeldt
a_hohlfeldt@yahoo.com.br

Teatro

Coluna publicada em 29/07/2011

Fim de semana de gala

Apesar do tempo chuvoso e frio que temos enfrentado, não podemos nos queixar do que o teatro tem nos apresentado. Quer em termos de produções locais, quer em termos de produções que nos visitam, temos tido a oportunidade de assistir a trabalhos que evidenciam, sempre e sempre, que para ser inteligente e ter sensibilidade não se precisa, necessariamente, de uma produção rica. Pelo contrário, a simplicidade propicie melhores ideias.

Tome-se o caso de A caravana da alegria, que Airton de Oliveira assina. A partir de um texto de Alex Riegel, adaptado por Rodrigo “Kão” Rocha, vamos ter uma proposta tão simples quanto sensível: um gaúcho se desloca de seus pagos para levar uma tropilha e atravessa o País de ponta a ponta, propiciando que se conheça um pouco dos “causos” e das músicas das múltiplas regiões. Assim, Dejayr Ferreira - excelente através dos tipos que apresenta - Jadson Silva e o próprio Rodrigo “Kão” Rocha tocam, cantam e contam histórias divertidas, que prendem a atenção tanto das crianças das mais variadas idades quanto dos adultos que as acompanham (ou não), durante uma hora que passa rápido, tal o envolvimento de todos.

Valendo-se de pequenos adereços, num espaço simplificado, trocando constantemente de figurinos, os três intérpretes vivem personagens variados e divertem com as histórias múltiplas que apresentam, evidenciando a riqueza cultural do País e, ao mesmo tempo, a necessidade de estarmos sempre atentos ao novo que pode nos aparecer em qualquer curva do caminho.

Do mesmo modo, encerrando o Festival do Teatro Brasileiro - Cena Mineira, o diretor Álvaro Apocalypse assina a felicíssima adaptação da obra musical de Sergei Prokofieff, Pedro e o lobo. A obra original está dirigida para orquestra e atores vivos. Aqui, fez-se uma adaptação num espetáculo que mistura intérpretes verdadeiros e bonecos, numa simbiose muito feliz quanto inteligente. No começo, temos os atores apresentando os instrumentos musicais, exatamente como o roteiro musical original prevê. Para isso, sem ter uma orquestra ao vivo em cena, o grupo valeu-se de uma gravação, diga-se de passagem, de excelente qualidade na reprodução.

Feitas as apresentações, passamos ao enredo conhecido. O lobo ameaça o sítio, chega a comer o pato, até que o valente Pedro amarra o animal de tal sorte que ele não pode mais fazer mal a ninguém. Quando chega o caçador, o que lhe resta fazer? E para felicidade de todos, inclusive do avô, até mesmo o pato, que se imaginava morto, comido pelo lobo, reaparece. O enredo simples permite, contudo, um sem-número de brincadeiras do elenco. A manipulação dos bonecos, pelos três atores-intérpretes, é feita às claras, de modo visível para a plateia, mas de maneira exímia, o que permite um ritmo constante do espetáculo, que encanta a todos. Mais que isso, a alternância permanente entre a cena com os bonecos e a cena com os próprios atores, permite uma interatividade inteligente e eficiente com as crianças, que cantam, dançam e torcem pelos personagens, do mesmo modo que ocorria em Caravana da alegria, em que os personagens fazem com que a plateia se levante, dance e até mesmo viva uma ciranda, para delícia de todos. Em nenhum dos dois casos pode-se falar de artificialidade na maneira de construir os espetáculos. Pelo contrário, há um diálogo aberto, fácil e natural entre o espaço do palco e o espaço do público, de modo que todos se integram e se rompe a barreira divisória entre quem faz e quem assiste.

Ao final de ambos os trabalhos, temos aplausos demorados e a dificuldade do público aceitar que o espetáculo terminou e que a plateia precisa ir embora. Um grupo pode querer maior consagração do que esta?

COMENTÁRIOS
Deixe seu comentário sobre este texto.

DEIXE SEU COMENTÁRIO CORRIGIR ENVIAR imprimir IMPRIMIR
COLUNAS ANTERIORES
O melhor do ano, inequivocamente
O palco do Theatro São Pedro viveu um fim de semana excepcional, quando ali foi apresentada a peça Os homens do triângulo rosa , criação dramatúrgica dirigida por Margarida Peixoto
Espetáculo digno e inesquecível
Espetáculo Elis, a musical supera amplamente tudo o que de melhor se poderia esperar
Um musical bem brasileiro, criativo e encantador
A junção do trabalho de Vanessa Dantas (libretista), Wladimir Pinheiro (maestro e compositor) e Fabiana de Mello Souza (direção) resulta num espetáculo dirigido às crianças
Novo grupo com dicção nova
Espetáculo se vale de linguagens variadas, mas linguagens que se colocam a serviço de uma perspectiva eminentemente teatral

 EDIÇÃO IMPRESSA

Clique aqui
para ler a edição
do dia e as edições
dos últimos
5 anos do JC.


 
para folhear | modo texto