Porto Alegre, terça-feira, 02 de setembro de 2014. Atualizado às 10h58.
Hoje é Dia do Repórter Fotográfico.
PREVISÃO DO TEMPO
PORTO ALEGRE AMANHÃ
AGORA
18°C
24°C
15°C
previsão do tempo
COTAÇÃO DO DÓLAR
em R$ Compra Venda Variação
Comercial 2,2500 2,2520 0,31%
Turismo/SP 2,1100 2,3800 0%
Paralelo/SP 2,1200 2,3900 0%
mais indicadores
Página Inicial | Opinião | Economia | Política | Geral / Internacional | Esportes | Cadernos | Colunas
ASSINE  |  ANUNCIE  |  ATENDIMENTO ONLINE
» Corrigir
Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.
Nome:
Email:
Mensagem:
» Indique esta matéria
[FECHAR]
Para enviar essa página a um amigo(a), preencha os campos abaixo:
De:
Email:
Amigo:
Email:
Mensagem:
 
» Comente esta notícia
[FECHAR]  
  Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.  
  Nome:  
  Email:    
  Cidade:    
  Comentário:    
500 caracteres restantes
 
Autorizo a publicação deste comentário na edição impressa.
 
331608
Repita o código
neste campo
 
 
COMENTAR CORRIGIR ENVIAR imprimir IMPRIMIR
Teatro Antônio Hohlfeldt
a_hohlfeldt@yahoo.com.br

Teatro

Coluna publicada em 29/07/2011

Fim de semana de gala

Apesar do tempo chuvoso e frio que temos enfrentado, não podemos nos queixar do que o teatro tem nos apresentado. Quer em termos de produções locais, quer em termos de produções que nos visitam, temos tido a oportunidade de assistir a trabalhos que evidenciam, sempre e sempre, que para ser inteligente e ter sensibilidade não se precisa, necessariamente, de uma produção rica. Pelo contrário, a simplicidade propicie melhores ideias.

Tome-se o caso de A caravana da alegria, que Airton de Oliveira assina. A partir de um texto de Alex Riegel, adaptado por Rodrigo “Kão” Rocha, vamos ter uma proposta tão simples quanto sensível: um gaúcho se desloca de seus pagos para levar uma tropilha e atravessa o País de ponta a ponta, propiciando que se conheça um pouco dos “causos” e das músicas das múltiplas regiões. Assim, Dejayr Ferreira - excelente através dos tipos que apresenta - Jadson Silva e o próprio Rodrigo “Kão” Rocha tocam, cantam e contam histórias divertidas, que prendem a atenção tanto das crianças das mais variadas idades quanto dos adultos que as acompanham (ou não), durante uma hora que passa rápido, tal o envolvimento de todos.

Valendo-se de pequenos adereços, num espaço simplificado, trocando constantemente de figurinos, os três intérpretes vivem personagens variados e divertem com as histórias múltiplas que apresentam, evidenciando a riqueza cultural do País e, ao mesmo tempo, a necessidade de estarmos sempre atentos ao novo que pode nos aparecer em qualquer curva do caminho.

Do mesmo modo, encerrando o Festival do Teatro Brasileiro - Cena Mineira, o diretor Álvaro Apocalypse assina a felicíssima adaptação da obra musical de Sergei Prokofieff, Pedro e o lobo. A obra original está dirigida para orquestra e atores vivos. Aqui, fez-se uma adaptação num espetáculo que mistura intérpretes verdadeiros e bonecos, numa simbiose muito feliz quanto inteligente. No começo, temos os atores apresentando os instrumentos musicais, exatamente como o roteiro musical original prevê. Para isso, sem ter uma orquestra ao vivo em cena, o grupo valeu-se de uma gravação, diga-se de passagem, de excelente qualidade na reprodução.

Feitas as apresentações, passamos ao enredo conhecido. O lobo ameaça o sítio, chega a comer o pato, até que o valente Pedro amarra o animal de tal sorte que ele não pode mais fazer mal a ninguém. Quando chega o caçador, o que lhe resta fazer? E para felicidade de todos, inclusive do avô, até mesmo o pato, que se imaginava morto, comido pelo lobo, reaparece. O enredo simples permite, contudo, um sem-número de brincadeiras do elenco. A manipulação dos bonecos, pelos três atores-intérpretes, é feita às claras, de modo visível para a plateia, mas de maneira exímia, o que permite um ritmo constante do espetáculo, que encanta a todos. Mais que isso, a alternância permanente entre a cena com os bonecos e a cena com os próprios atores, permite uma interatividade inteligente e eficiente com as crianças, que cantam, dançam e torcem pelos personagens, do mesmo modo que ocorria em Caravana da alegria, em que os personagens fazem com que a plateia se levante, dance e até mesmo viva uma ciranda, para delícia de todos. Em nenhum dos dois casos pode-se falar de artificialidade na maneira de construir os espetáculos. Pelo contrário, há um diálogo aberto, fácil e natural entre o espaço do palco e o espaço do público, de modo que todos se integram e se rompe a barreira divisória entre quem faz e quem assiste.

Ao final de ambos os trabalhos, temos aplausos demorados e a dificuldade do público aceitar que o espetáculo terminou e que a plateia precisa ir embora. Um grupo pode querer maior consagração do que esta?

COMENTÁRIOS
Deixe seu comentário sobre este texto.

DEIXE SEU COMENTÁRIO CORRIGIR ENVIAR imprimir IMPRIMIR
COLUNAS ANTERIORES
Entre os melhores do ano
Diz ele que o crítico gosta, mas sempre tem algo a restringir no trabalho. Depois, radicaliza e afirma que o artista acaba se sentindo uma m...
São Paulo surrealista entra em cena
O melhor da agenda teatral de São Paulo, onde estive na semana passada, provavelmente seja o filme do recentemente falecido Alain Resnais,  Amar, beber e cantar
Katakló: mais exigente e mais diversificado
De modo geral, o Katakló, que é uma companhia de dança atlética, como seu nome indica, é formado por antigos atletas olímpicos que resolveram abrir os horizontes de seu treinamento
Entre o egoísmo e as máscaras
A dramaturga alemã Rebeca Kricheldorf (cujo nome também aparece como Rebekka) nasceu em Freiburg, no ano de 1974

 EDIÇÃO IMPRESSA

Clique aqui
para ler a edição
do dia e as edições
dos últimos
5 anos do JC.


 
para folhear | modo texto