Porto Alegre, domingo, 23 de novembro de 2014. Atualizado às 22h38.
PREVISÃO DO TEMPO
PORTO ALEGRE AMANHÃ
AGORA
22°C
34°C
25°C
previsão do tempo
COTAÇÃO DO DÓLAR
em R$ Compra Venda Variação
Comercial 2,5200 2,5220 0,90%
Turismo/SP 2,4300 2,7300 0,72%
Paralelo/SP 2,4400 2,7400 0,72%
mais indicadores
Página Inicial | Opinião | Economia | Política | Geral / Internacional | Esportes | Cadernos | Colunas
ASSINE  |  ANUNCIE  |  ATENDIMENTO ONLINE
» Corrigir
Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.
Nome:
Email:
Mensagem:
» Indique esta matéria
[FECHAR]
Para enviar essa página a um amigo(a), preencha os campos abaixo:
De:
Email:
Amigo:
Email:
Mensagem:
 
» Comente esta notícia
[FECHAR]  
  Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.  
  Nome:  
  Email:    
  Cidade:    
  Comentário:    
500 caracteres restantes
 
Autorizo a publicação deste comentário na edição impressa.
 
361573
Repita o código
neste campo
 
 
COMENTAR CORRIGIR ENVIAR imprimir IMPRIMIR

Entrevista Notícia da edição impressa de 27/07/2011

Código de barras passa a fazer parte da Nota Fiscal Eletrônica

GS1/DIVULGAÇÃO/JC
Obrigatoriedade vale para empresas que têm produtos com código de barras na embalagem, diz Ana Paula
Obrigatoriedade vale para empresas que têm produtos com código de barras na embalagem, diz Ana Paula

Desde o dia 1 de julho, os contadores e empresários têm mais uma obrigatoriedade no preenchimento da Nota Fiscal Eletrônica (NF-e). O governo federal, por meio do Ministério da Fazenda e do Conselho Nacional de Política Fazendária (Confaz), determinou a obrigatoriedade de preenchimento do campo específico para o código de barras dos produtos, o GTIN - Numeração Global de Item Comercial. O campo para esta numeração controlada mundialmente pela GS1 já existe, mas, até então, seu preenchimento não era obrigatório. De acordo com a assessora de Soluções da GS1 Brasil – Associação Brasileira de Automação, Ana Paula Vendramini Maniero, a nova norma contribui para maior segurança, agilidade e rastreabilidade nas entregas de produtos.

Segundo a especialista, o Brasil é pioneiro nessa medida e seu modelo de gestão deverá servir de exemplo a outros países. Com a nova norma, haverá maior eficiência no controle e na gestão de produtos, tais como alimentos e remédios. No caso dos medicamentos, por exemplo, a possibilidade de fraude, desvio ou falsificação será reduzida consideravelmente, uma vez que, com o preenchimento do número GTIN, será possível rastrear o produto em toda a cadeia de suprimentos. A NF-e foi criada em 2005 com o objetivo de substituir o sistema de emissão do documento em papel, diminuindo assim a burocratização, a sonegação e a fraude.

JC Contabilidade - O Ministério da Fazenda e o Confaz determinaram o preenchimento obrigatório de campo específico para o código de barras dos produtos. O que significa isso na prática?

Ana Paula Vendramini Maniero - Dentro da Nota Fiscal Eletrônica existe um campo para preenchimento do código do produto, é um campo específico, destinado à numeração do GTIN, Global Trade Item Number. Esta numeração identifica qualquer produto e é comumente chamado de código de barras. No Brasil, esta numeração se inicia com o número 789. Desde o dia 1 de julho, fica obrigatório o preenchimento deste campo.

Contabilidade - Com tantas numerações, pode haver alguma confusão?

Ana Paula - Acreditamos que não, pois algumas empresas já preenchiam, só não era obrigatório. As empresas terão de fazer uma adequação no sistema para capturar esta informação e disponibilizar no arquivo eletrônico.

Contabilidade - Para quem vale esta medida? Esta resolução tem abrangência nacional?

Ana Paula - Sim, ela tem abrangência nacional e é obrigatória para todas as empresas que comercializam produtos com código de barras na embalagem. Ninguém será obrigado a ter o código, mas todos os produtos que estiverem com a numeração devem ser disponibilizados na nota fiscal eletrônica. A lei não obriga que se tenha o código de barras, mas grande parte do varejo já possui.

Contabilidade - O que acontece com quem descumprir a determinação?

Ana Paula - Existe a obrigatoriedade; caso não seja preenchido, é passível de autuação. Isso é uma despesa acessória e o valor da multa varia de estado para estado, conforma a legislação de cada um.

Contabilidade - O que muda com a aplicação do código de barras da NF-e do ponto de vista da automação?

Ana Paula - Eu diria que melhora, pois esta nota fiscal eletrônica vai para o fisco, mas o emissor também é obrigado a enviar uma cópia ao destinatário. Imaginemos que ele já tenha esta nota fiscal eletrônica no seu sistema e aí ele recebe a mercadoria. Para cada mercadoria recebida, ele vai ler o código de barras e fazer a conferência automática, dando baixa no estoque. Vai facilitar o recebimento automatizado, pois terá um link entre a identificação daquele produto e o fluxo de informação, que é a nota fiscal.

Contabilidade - Que tipo de facilidade a medida pode trazer?

Ana Paula - As empresas precisam enxergar isso como uma grande oportunidade de ganhos em gestão, automação e rastreabilidade. Saliento a facilidade na rastreabilidade do produto, pois o código de barras nasce na indústria e passa por toda a cadeia. Tendo a sua correta identificação, se torna muito mais fácil localizar o produto. Os empresários precisam enxergar com olhos diferentes e não apenas como mais uma obrigatoriedade.

COMENTÁRIOS
Luciano de Abreu - 27/07/2011 - 07h27
Vale lembrar que não é qualquer código de barras. A legislação se refere ao GETIN.


JOSE CANDIDO FERREIRA -
27/07/2011 - 09h01
Por que contadores terão que obrigatoriedade no prrenchimento da nfe?


Adroaldo Mousquer -
27/07/2011 - 09h04
Ser Contador neste país está se tornando muito difícil. Criam-se obrigações que tornam-se custos para as empresas. Ninguém, repito, ninguém, nos defende (classe). Ficam os poucos que conseguem criar uma estrutura, ou seja, somente aqueles com maior poder de investimento. E os conselhos que não ajudam na formação, tornam-se também sócios na arrecadação, tendo que pagá-lo enquanto trabalhar, sem retorno algum.


Ovidio Ferreira Chaves -
27/07/2011 - 10h51
Concordo em todos os termos com o Eduardo.. principalmente quando se trata de profissional do interior..


Miguel dos Santos Costa -
27/07/2011 - 11h07
Nós contadores precisamos deixar de sermos coitadinhos, não existe mais esta estória de "interior" com a globalização e a internet não tem distância que nos separe, o que nós precisamos é estuadar mais, nos atualizarmos mais, ficarmos acesos e com o "Radar" sempre ligado. O que está acontecendo com a profissão do contador chama-se - Valorização Profissional, animem-se, ...


J.L.Contabilidade & Advocacia -
27/07/2011 - 11h18
É como digo sempre"ESTE É UM PAÍS CHAMADO BRASIL", onde os politicos se reunem somente para dificultar as coisas no meio empresarial, criando "coisas" sem muito nexo e sem terr noção das consequencias daquela norma, Lei,etc.sem se preocupar com a verdadeira consequencia que pode causar!EM TEMPO:"Sobrando somente para nós profissionais da Contabilidade".Digo mais: Hoje o Contador, virou "preenchedor de formularios online" dos governos:Federal, Estadual,Municipal,etc.etc.etc.ISSO É UMA GRANDE VERDADE!!!


Virginia Brasil -
27/07/2011 - 12h15
Concordo plenamente com o Adroaldo estou quase desistindo de prestar serviços contábeis, não está compensando, muitas exigências, legislações, obrigações e ninguem nos defende


Jair -
27/07/2011 - 12h16
Oi pessoal, desculpem a sinceridade. Cada vez mais estamos entregando o ?poder? nas mãos de uma quadrilha internacional. Tudo centralizado num gigantesco computador para ser manuseado de acordo com as conveniências. Deles, evidentemente.


Adriano Merces -
27/07/2011 - 13h24
Infelizmente o agente arrecadador neste mais é o menos valorizado, ou seja, o Contador, que hoje é chamado de parceiro pelo fisco, só que estamos trabalhando de graça por isso. E não temos nenhum incentivo nem ninguém pra nos defender. Alguém ai está enxergando isso???


Leandro -
27/07/2011 - 14h14
Porque sempre "CONTADORES" têm mais uma obrigatoriedade? O contado não faz a emissão de NFe para a empresa!!!! Neste país sobre tudo para contador, sempre é assim! Estou tomando nojo desta área! É melhor ganhar menos e consegui dormir com tranquilidade, coisa que esta profissão não deixa! Todos os contadores mais velho que conheço tem problemas de saúde, isto é um absurdo!!!!!


Sergio -
27/07/2011 - 14h49
Sou Contador há 15 anos e concordo com todos vocês, nossa profissão está virando moeda de troca com o fisco, e se falam tanto que o Contador é um ajudante a controlar a empresa, como????? se nós trabalhamos apenas para o Governo. Quando verem algo novo podem ver, AGORA O CONTADOR TERÁ MAIS UMA ATIVIDADE.....e só...


Luciano -
27/07/2011 - 16h26
Tenho empresa contábil há 42 anos. É o momento da nossa valorização perante a sociedade, companheiros. Devemos enfrentar mais este desafio.


osvaldo valdomiro susin -
27/07/2011 - 17h40
Tudo é muito bonito. Entretanto, cada vez mais estamos trabalhando menos para nosso cliente e mais para o Estado. Hoje trabalhamos para o Estado e recebemos nossos honorários do nosso cliente que de toda a burocracia que está sendo criada A TITULO DE MODERNIZAÇÃO OU AUTOMAÇÃO OU SEJA O QUE FOR na verdade é para passar informações ao nosso patrão Estado que não nos paga nossos serviços e muito nos cobra. E caso não façamos quem paga a conta é novamente nosso cliente e pelo Código Civil nós passamos a devedores solidários junto com nosso cliente. NÃO VENHA O COLEGA ACIMA DIZER QUE TUDO É MUITO BOM E QUE ESTAMOS NA ERA DA GLOBALIZAÇÃO ou coisas do genero. Otimismo é bom sim senhor, mas quando há alguma luz no final do tunel que possa nos trazer alguma vantagem. Euforia por Euforia pode ser sinônimo de loucura ou mostrar que estamos a caminho. Modernização é muito bom, principalmente, quando esta trá em seu bojo vantagem para quem investe nela. De resto é rir sem saber do que ou porque! Não somos contra o governo ou contra a arrecadação de tributos. Somos contra da arrecadação de um trilhão de reais este ano pelo Estado sem mostraar qualquer retorno plausível. Ou pior as manchetes diárias de DESVIOS, CORRUPÇÃO DE TODO GENERO a ponto de os períodicos e revistas não noticiarem apenas um caso, mas apontam casos e mais casos em série e ao final DEMONSTRAM O TOTAL DESVIADO. Será que nunca vamos ver uma noticia alvissareira QUE DIGA QUE FORAM INDISPONIBILIZADOS OS BENS DE 50 OU SABE LÁ QUANTOS POR CORRUPÇÃO ATIVA OU PASSIVA. Se isto acontecer daí sim é chegada a hora de trabalharmos de mangas arregaçadas em prol deste PAIS em que vivemos e que amamos chamado BRASIL. Com certeza a burocracia poderá aumentar e poderemos trabalhar para o Estado, uma vez que este poderá e nos dará muito em troca.


RUDIVAL BRAGA -
27/07/2011 - 20h41
Concordo com os colegas que comentaram sobre a profissão na qual trabalho há 42 anos como técnico. Na verdade eu nunca ví tantas mudanças por parte dos governos, principalmente o Federal que dita as normas a todo momento,querendo as informaçõs prontas para analisar. Tudo estas mudanças não traz beneficios em termos financeiros para os profissionais tendo em vista que os empresários não pareticipam e nemtem conhecimnetos das mudanças,somente lucros que eles temm conhecimentos.Quanto aos Conselhos de classe, eles somentes são um mero arrecadador de anuiddades, não questionam tais absurdos que estão impondo sobre a classe.Eles dizem que estamos valorizados e se valorizando, só se for os mais aquinhoados que tem condições e pagar cursos caríssimos que não tem retorno pelos clientes dal qual trabalhamos. Espero que os conselhos,as Federaçõees e outras entidades que lutem pela classe,e não fiquem de braços cruzados vendo a banda passar somente em seminários e reuniões.Não vamos longe deixaram o governo impor mais uma medida, a tal de conectividade digital, só prá gastar dinheiro com aquisição de certificado engordando mais empresas que exploram o ramo.Acho que não havia necessidade de mudança pela CAIXA,já que o sistema de conectividade social atravéz de senha vinha bem e dando certo. Este é meu desabavo colegas.


Gislene Martins -
27/07/2011 - 23h11
Que tipo de facilidade a medida pode trazer? Facilidade até o momento nenhum, até porque aumentou a contratação de pessoas nos escritorio, aumentando os custos, e os serviços, pois teremos que trabalhar dobrado para atender as exigencias do governo, portanto não vejo nenhuma contrapartida em relaçao a classe contabil, vejo somente o tamanho das multas que o governo querem receber, e quem vai pagar essa multa nos contadores, se não conseguir informar tudo o que o governo exige sem receber nada a nosso favor.


Adilson -
28/07/2011 - 07h48
Realmente a cada dia que passa esta ficando doloroso exercer a profissão de contador porque ninguém colabora, as entidades de classe só sabem cobrar anuidade e todo curso de aperfeiçoamento porque mais simples que seja tem que ser pago, resumindo só devem sobreviver os grandes escritórios porque os clientes dos escritórios pequenos também são pequenos e como repassar o custo se eles também tem dificuldades inclusive muitos em início de atividade sem saber como é difícil ter uma empresa legalizada no Brasil e o Governo anunciando mil maravilhas sendo que até para conseguir o financiamento para o Capital de Giro a empresa tem que ser velha no mercado, e votação nas alterações do Simples Nacional fica só no papel e parcelamento para estas empresas ou até mesmo uma ANISTIA, porque o MENSALÃO e OUTROS ROUBOS ficaram esquecidos porque não ajudar a quem realmente trabalha.


JOSE P. -
28/07/2011 - 08h41
É INFORMATIZAÇÃO!!! isso o fisco classifica como avanço. Sim verdade, avança na arrecadação!!! A explanação do nosso colega Osvaldo é bem colocada porém, pergunto a todos, o que podemos fazer para mudar? então se nós da classe se unir, acredito que teremos força para que ao invés de pesar mais uma obrigação, ganharemos mais um alivio nos trablahos, visto que, a tecnologia será a favor e não contra. Assim, é preciso que buscamos um incentivo maior por parte do governo a titulo de valorizar a classe e nós de valorizar as empresas que estas por sua vez é quem nos paga, então devemos ter mais sendo de cooperação ao invés de indivualização, n intuito de mudar essa visão de que o profissional contábil trabalha para o governo e não para as empresas, o que na realidade não é Isso.


Anderson -
28/07/2011 - 10h12
Concordo com os colegas. Precisamos que os concelhos nos defenda mais, não apenas fique criando e cobrando normas e mais normas para os contadores cumprirem. Pagamos um absurdo de taxa para os conselhos so para termos o registro. Para os contadores donos de escritorios esta cada ves mais complicado, com tanta cobrança por parte dos governos e dos empresarios. A maioria dos empresarios acha que o contador e faz tudo e ainda não valorizam seus trabalhos, isso quando não reclamão que o honorario ta alto, mesmo pagando uma micharia. Vejo muito disso no meu estado. Pior ainda para quem e contador e trabalhade empregado, seja em escritorios de contabilidade ou direto nas empresas. A falta de valorização dos profissionais e muito grande, acho incompativel o valor dos salarios principalmente. Um profissional que responde solidariamente junto com o empresario pelo que acontece na empresa receber em media 1600 reais e absurdo.


clovis -
28/07/2011 - 13h31
Sou contabilista e não sou responsável por emissão de notas do cliente. O Conselho que cuida dos contabilistas devia (se tivesse interesse) punir os profissionais que se envolve com emissão de nota fiscal. Os contadores já tem alguns milhoes de obrigações, inclusive tributária (mesmo sem ser tributarista). Só faltava essa ficar responsável por emissão de notas. Pobre profissão daqui uns dias não dará conta de pagar as multas acessórias.


PAULO EVANGELISTA SARAIVA -
28/07/2011 - 16h27
A CLASSE CONTABIL DEVE SE UNIR EM PASSEATAS E ABAIXO ASSINADOS E SE POSSIVEL NAO ACEITAR ESSAS MULTAS QUE A RECEITA QUE IMPOR TIPO R$ 4.000,00, DO SPED JÁ PAR O ANO QUE VEM, SE AS EMPRESAS MANTEM A NACAO COM SEUS IMPOSTOS E OS CONTADORES SAO RESPONSAVEIS PELA DOCUMENTACAO PARA A ARRECADACAO, A RECEITA NAO RESPEITA NINGUEM E VAMOS FICAR DE BRAÇOS CRUZADOS ? SENDO QUE VOTAMOS E ELEJEMOS OS GOVERNANTES, QUE NOS MULTAM E SE ENVOLVEM EM CASSOS DE CORRUPCAO GIGANTESCO E NÓS ENTAO TEMOS QUE ACEITAR TUDO ISSO E FICAR QUIETOS DE BRAÇOS CRUZADOS E NOSSAS MESAS CHEIAS DE OBRIGACOES ACESSORIAS E AMEAÇA DE MULTAS ? NAO TA NA HORA DE JUNTAR, CRC, CFC, FENACOM E NÓS CONTADORES E EMPRESARIOS E IR PARA RUA COMO NOS PAISES DITAORIAIS QUE A POPULACAO ESTA MUDANDO O SISTEMA DOS GOVERNOS OU VAMOS FICAR LAMENTANDO E CHORANDO E OS GOVERNANTES QUANDO VOCE VAI NUM ORGAO PUBLICO NAO TI TRATA BEM NAO TI INFORMA E AINDA DIZ O "SISTEM É ASSIM MESMO " TRAZ AS OBRIGACOES ACESSORIAS E AMANHA EU TI ATENDO QUE AS SENHAS SE ESGOTARAM E EU JA CUMPRI AS MINHAS 06 HORAS DE TRABALHO, PRECISO DE " DESCANSO", E TENHO QUE PROGRAMAR MINHAS FERIAS.


Cleiton Cesar -
29/07/2011 - 10h02
Meu Deus, onde vamos parar, todas as obrigações das empresas já é de nossa responsabilidade, se deixar de entregar alguma declaração tem multa de 5.000,00, agora vamos ter de ficar conferindo código de barras... precisamos é unir nossa classe, para ao mesmo sermos valorizados, já que trabalhamos para os dois lados(fisco e cliente).


Adriano -
29/07/2011 - 10h24
Nos nossos escritorios temos que atender aos nossos clientes sempre a priori. Fazemos os registros fiscais com a maxima urgencia pois os impostos vencem logo no inicio do mes, temos que entregar os livros fiscais para as empresas conferirem os lançamentos no sistema dela antes da entrega do sintegra (dia 15), mesma data do imposto das industrias, que sufoco. Aí somos chamados nas empresas porque o funcionario nao consegue chegar nos valores apurados pela contabilidade. Tambem tem as empresas que geram o sped fiscal, com o mesmo problema. Enquando o contador nao vai na empresa e faz uma varredura no sistema do cliente essas obrigações nao sao cumpridas.Agora temos o sped do pis/cofins que é um monnstro, pois creditos e debitos por item da nota fiscal. E nossa qualidade de vida hem!


VICENTE FERNANDES DA SILVA -
29/07/2011 - 17h14
Concordo com os colegas, está sendo uma vergonha falar que é contador nesse país, porque é só cobranças, novas obrigações todos os dias são editadas, nenhum conselho da classe faz nada, contador hoje é responsável por tudo de rium que acontece na empresa, e mais não podemos cobrar o que realmente merecemos receber, mas tudo culpa de alguns profissionais sem ética alguma, pois se nos unirmos, como a classe médica e respeitasse uma tabela de honorarios minimos contabeis, aí sim, teriamos valores e poderiamos cobrar melhor nossos honorarios, pois que tem que ir pra briga com o Governo Federal, Estadual e Municipal são os empresários e não nós, só precisamos não ter medo de cobrar nossos honorarios adequadamente.


LORY DENARDI -
01/08/2011 - 21h35
É BASTANTE TRISTE E SEM COMENTÁRIO, O QUE ESTÃO FAZENDO COM A PROFISSÃO DE CONTADOR, POR QUE DIGO ISTO, POIS NÃO SE CONSEGUE MAIS COLOCAR A CASA EM DIA, VISTO DE TANTAS EXIGÊNCIAS E MUDANÇAS QUE ESTÃO OCORRENDO, MUNDAÇNÇAS QUE COM CERTEZA NO MOMENTO NÃO SE FARIAM NECESSÁRIAS, COM ESTA SENDO O DA ""CONECTIVIDADE DIGITAL"", O SISTEMA ATUAL VEM FUNCIONANDO MUITO BEM, SERÁ QUE NO BRASIL SE PENSA, SE FAZ LEIS E MAIS LEIS E TEM QUE SER COLOCADAS EM PRÁTICA DE EMEDIATO, SERÁ QUE NÃO DEVEMOS ESPERAR UM POUCO MAIS, PASSAR POR PROCESSO DE ANALISES, ESTUDOS E VER SE VAI TRAZER BENEFICIOS, SE É ISTO QUE SE QUER DA MESMA, SERÁ QUE NÃO VAI SER COM A NOTA FISCAL ELETRÔNICA, TODOS PRECISAM SE ADAPTAR E HOJE TEM ÓRGÃO QUE ESTÃO ACEITANDO A NOTA FISCAL ELETRÔNICA AVULSA. SERÁ QUE ESTÁ CERTO ? SERÁ QUE ESTA ATITUDE É JUSTA ? COMO QUE FICAM OS QUE TIVERAM CUSTO E HOJE SABEM DESTA SITUAÇÃO ? O QUE DIZER ? SERÁ QUE NÃO É HORA DE CHAMAR PARA ANALISES OS PROFISSIONAIS DA ÁREA PARA ANALISAREM ESTAS LEIS E MEDIDAS ANTES DE COLOCÁ- LAS EM PRÁTICA ? CONCORDO COM MUITO DOS QUE OS COLEGAS COLOCARAM ACIMA E PENSO COMO MUITOS A CLASSE CONTÁBIL ESTÁ SE CANSADO DEMAIS E MUITA COISA EMPURADA SEM MUITA LÓGICA E FUNDAMENTO. PENSO QUE É ORA DE PARARMOS E REVERMOS ALGUNS PARADÍGMAS QUE EXISTENTES HOJE E ESTÃO SUFOCANDO A MAIOR CLASSE DE PROFISSIONAIS E QUE O PAÍS INTEIRO MAIS DEPENDE DELA. É ORA DE PARARMOS PARA PENSARMOS E NÃO PODEMOS MAIS ACEITAR TUDO DA FORMA QUE ESTAMOS ACEITANDO, ESTÁ É MINHA OPINIÃO, E TERIA MUITO MAIS PARA DIZER. ATÉ MAIS E UM GRANDE ABRAÇO AOS COLEGAS.


Luciana -
04/08/2011 - 10h30
Concordo em número, gênero e grau com meus colegas contadores, está ficando cada vez mais difícil permanecer nesta area... Deus nos ajude...


DORA -
04/08/2011 - 14h07
Concordo com os colegas.Em todas as palestras, dizem que o contador tem que ser valorizado e que temos que trabalhar para o cliente.Mas fica cada vez mais difícil resolver os problemas do cliente.Sem contar com as penalidades.


ira -
11/08/2011 - 00h07
Cconcordo plenamente com meus colegas. Desculpe a expressão, mais dá vontade de chutar o balde! Não consigo tirar uma semana de férias! São tantas leis a cunprir que passa o mês, o ano, e vem outro ano com mais obrigações!!!Vamos acabar nos afogando com tantas obrigaões a cumprir! Socorro, SINDICATO DOS CONTABILISTAS! Nos ajude, por favor!


Maria das Dores -
11/08/2011 - 11h33
Diante de tudo que li, concluí que a nossa Classe precisa se unir para obter junto ao CRC/MG alguma providencia, afinal nós pagamos uma anuidade, o que vocês acham?


KLEUBER JAQUES -
11/08/2011 - 11h40
Não sou contra a informatição dos processos de informação, mas eles precisam ser melhores pensados e empregados. Um exemplo pratico diz respeito ao SPED Contábil, fiscal e PIS/COFINS. Perdi um tempo enorme junto aos clientes tentando fazer com que os programs gerassem as informações, sem nenhuma vantagem para o contador. Pelo contrário, a imposição da Consolidação dos débitos parcelados com base na Lei 11.941/2009 em apenas 24 dias corridos, no mesmo mês de fechamento do balanço trimestral das empresas optantes pelo Lucro Real trimestral,logo em seguida ao SPED Contábil e Fiscal (por sinal prorrogado mas o tempo perdido não retorna), VAF/DAMEF e além de ser um mês de férias dos filhos menores (realmente não temos sequer direito a férias - não sei mais o que é isto), está me custando caro, pois com tantas atribuições para um mesmo periodo não consegui consolidar o débito a tempo de 2 de meus clientes e estou à volta com um prejuizo para as empresas de 200.000,00 (que certamente terei que assumir - não sei como, mas tenho). Acho um fardo muito pesado para os Contadores que infelizmente não tem a quem recorrer, só chorar (e desistir).


aloisio dehon -
11/08/2011 - 14h56
pessoal enquanto nossa classe nao se unir, estaremos sempre sujeitos as loucuras de nossos legisladores que simplesmente fazem a lei mas nao sabem as dificuldades na pratica dessas leis.


LUCIA HELEA -
12/08/2011 - 14h35
O que está acontecendo amigos, é que o contador virou mão de obra gratuita para o governo( de qualquer esfera). Poís eles, é que coloquem os seus fiscais, autdiores e etc para trabalharem, é para isso que ganham, e diga-se de passagem MUITO BEM, bem mais que os funcionários de escritório contábil, porque na maioria quem rala é o funcionpario e não o dono do escritório. Quem inventa todas estas obrigações com certeza não tem nocão alguma da rotina de Escritório contábil, é muito fácil ficar sentado atras da mesa e criando leis e meios de pegar os sonegadores as custas do contador. comO disse acima o governos que coloquem os seus funcionários para fiscalizar. ONDE ESTÁ O CRC QUE NÃO DEFENDE A CLASSE, OU SERÁ QUE UNICA FUÇÃO E COBRAR ANUIDADE( E CARA SEM OFERECER NENHUM BENEFICIO PARA QUEM REGISTRA NO ORGÃO).


ROBERTO C. ESTEVES -
17/08/2011 - 09h08
Concordo plenamente com todos os comentarios se nós da classe contabil não agirmos ficaremos a merce de tudo isto, os nossos represetantes (CRC e sindicato) não tomam nenhuma providencia. Vamos morrer de tanto trabalho e desgosto da profissão. O Brasil tem que mudar com conta corrupção e nos arrecadando para suprir esta cambada de ladõres.

DEIXE SEU COMENTÁRIO CORRIGIR ENVIAR imprimir IMPRIMIR
TEXTOS RELACIONADOS
Giacobbo destaca que a nova obrigação aumentará ainda  mais a responsabilidade do contador
Bloco K do Sped Fiscal deve ajudar na gestão dos estoques
Elaine Christina diz que medida atende a uma antiga demanda dos contribuintes
Refis da Copa oferece condições vantajosas para quitar dívidas
Objetivo é discutir os impactos dos processos nos setores da economia brasileira, diz Oliveira
Empresa de softwares cria comitê para discussão do eSocial
Nara  diz que a correção pleiteada é por um índice oficial, como o INPC, ou outro que reponha as per
Trabalhadores buscam ressarcir perdas do FGTS

 EDIÇÃO IMPRESSA

Clique aqui
para ler a edição
do dia e as edições
dos últimos
5 anos do JC.


 
para folhear | modo texto