Porto Alegre, terça-feira, 22 de julho de 2014. Atualizado às 18h24.
PREVISÃO DO TEMPO
PORTO ALEGRE AMANHÃ
AGORA
26°C
17°C
12°C
previsão do tempo
COTAÇÃO DO DÓLAR
em R$ Compra Venda Variação
Comercial 2,2100 2,2120 0,53%
Turismo/SP 2,1100 2,3400 1,26%
Paralelo/SP 2,1200 2,3500 0,84%
mais indicadores
Página Inicial | Opinião | Economia | Política | Geral / Internacional | Esportes | Cadernos | Colunas
ASSINE  |  ANUNCIE
» Corrigir
Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.
Nome:
Email:
Mensagem:
» Indique esta matéria
[FECHAR]
Para enviar essa página a um amigo(a), preencha os campos abaixo:
De:
Email:
Amigo:
Email:
Mensagem:
 
» Comente esta notícia
[FECHAR]  
  Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.  
  Nome:  
  Email:    
  Cidade:    
  Comentário:    
500 caracteres restantes
 
Autorizo a publicação deste comentário na edição impressa.
 
708609
Repita o código
neste campo
 
 
COMENTAR CORRIGIR ENVIAR imprimir IMPRIMIR

Gestão Notícia da edição impressa de 22/06/2011

Transtorno mental gera prejuízos a empresas

Organizações observam crescimento de problemas característicos da vida moderna, como depressão e ansiedade

Patricia Knebel

GABRIELA DI BELLA/JC
Longas jornadas e falta de tempo agravam o quadro, diz Ana Maria.
Longas jornadas e falta de tempo agravam o quadro, diz Ana Maria.

Os transtornos mentais já são a terceira causa de incapacidade para o trabalho no Brasil. Apesar de as doenças físicas ainda serem a grande preocupação das áreas de saúde das empresas, e até por isso terem programas mais estruturados para combatê-los, cresce o desafio de enfrentar os problemas típicos da vida moderna, como a depressão e ansiedade.

Em algumas regiões mais desenvolvidas do País, como no Sul e Sudeste, os casos de transtornos mentais são ainda mais altos, alerta o psiquiatra clínico e forense e médico do trabalho Duílio Antero de Camargo. Isso acontece porque nessas localidades o nível de serviços intelectualizados tende a ser mais alto, o que naturalmente gera um maior desgaste mental. "Temos praticamente uma epidemia no Brasil", comenta o especialista, que também é presidente da Comissão Técnica de Saúde Mental e Trabalho da Associação Nacional de Medicina do Trabalho (Anamt).

Entre os principais sintomas dos transtornos mentais no trabalho estão a queda da produtividade e uma maior dificuldade para desempenhar tarefas rotineiras, além de tristeza e apatia. O caminho para vencer essa realidade é grande, já que apenas agora as empresas começam a ter mais entendimento da relação entre o ambiente de trabalho e esses transtornos. A exceção costuma ser as grandes companhias, que possuem serviços de medicina do trabalho e já realizam algumas ações de prevenção também relacionadas aos transtornos mentais.

Dentro dessa nova categoria, Camargo destaca a depressão como um dos problemas mais comuns. "Apesar de essa doença normalmente ser multicausal, o ambiente de trabalho gera situações que fazem com que as pessoas mais predispostas acabem desenvolvendo", diz.

Dados da Stress Management Association (Isma-Brasil) apontam que 42% dos profissionais brasileiros vivenciarão algum episódio de depressão durante sua vida profissional, sendo que em 10% são recorrentes. "Os casos aumentam e a projeção já de que a depressão será a doença que mais causará danos nessa década", destaca a presidente da entidade no País, Ana Maria Rossi. O prejuízo das doenças físicas e mentais ao dia a dia das corporações e os desafios para a construção de um ambiente de trabalho mais saudável estão entre os temas que serão debatidos dos dias 28 a 30 de junho, quando acontece em Porto Alegre o 11º Congresso de Stress.

Promovido pela Isma-Brasil, o encontro será realizado no Centro de Eventos do Plaza São Rafael e reunirá nomes como o psicólogo espanhol Eusébio Rial González, PhD e chefe do Observatório de Risco da Agência Europeia para a Segurança e a Saúde no Trabalho. O encontro também apresentará as novas nuances do estresse nas corporações. Atualmente, cerca de 64% das pessoas sofrem mais com o estresse profissional do que com o pessoal, o que causa prejuízos à qualidade de vida de 68% delas.

Ana Maria, que também é representante brasileira da Divisão de Saúde Ocupacional da Associação Mundial de Psiquiatria, destaca a falta de tempo que os indivíduos enfrentam em suas vidas, em função das longas jornadas e também do excesso de tarefas. "Se olharmos atentamente, veremos que quem realmente trabalha oito horas no Brasil são os funcionários públicos e trabalhadores braçais", comenta. A maior parte dos profissionais, segundo ela, se dedica de 10 a 13 horas ao trabalho, mesmo que não precisem. "Se os colegas ficam, as pessoas se sentem intimidadas a fazer o mesmo por temerem ser consideradas pessoas que não vestem a camiseta", acrescenta. A consequência desses excessos é uma maior vulnerabilidade a adoecer e a ter lesões no trabalho.

Volume de ações por dano moral tem aumento na Justiça do Trabalho

Um dos temas de destaque dessa edição do congresso do International Stress Management Association (Isma-Brasil) será a perspectiva jurídica dos temas relacionados ao estresse do trabalho, já que as ações de dano moral crescem a cada ano no Brasil. O juiz gaúcho Ricardo Carvalho Fraga, do TRT da 4ª Região, alerta que há uma avalanche de ações de reparação por dano material e moral ingressando no Judiciário Trabalhista desde 2004. Foi nessa época que a Justiça do Trabalho passou a ser responsável pela apreciação desse tipo de indenização. "A sociedade está exigindo um maior nível de civilidade em todos os ambientes, inclusive no trabalho."

De 2004 a 2009, o número de acórdãos envolvendo dano moral passou de 642 para 8.222 no País. Desse total, mais da metade é relacionado a acidentes de trabalho. O especialista explica que danos morais são as lesões sofridas pelas pessoas físicas ou jurídicas que atingem a sua moralidade e a afetividade, causando constrangimento, vexame e dor. Fraga avalia que as condições de trabalho precisam melhorar. Nesses casos, ele adverte que as exigências de produção não devem ir além daquilo que o colaborador possa cumprir. Já no momento de a empresa fazer alguma cobrança, deve ter atenção para que o tom não seja excessivamente rigoroso.

COMENTÁRIOS
Eliane - 23/06/2011 - 13h59
o transtorno mental está crescendo nas organizações, muitos profissionais ficam intímidados e com receio de ser demotido e acaba ultrapassando sua carga horária, levando o profissional ao stress e consequentemente a tomar remédios para diminuir a pressão pasicológica.O RH das organizações tem que está atento. parabéns ótima máteria.


Anselma -
23/06/2011 - 15h04
A pressão psicologica no trabalho é demais, é preciso ter respeito ao trabalhador, afinal somos humanos e não uma máquina.


Ivan Moyses -
24/06/2011 - 16h48
As mesma empresa que, fora do pais, respeita o colaborador e sua jornada, neste pais laça mão de artifícios sedutores,como cargos e "confiança" para fazer coerção sobre o funcionário. Os resultados são claros agora: Estão adoecendo, e a tendência a piora e grande, pois a mentalidade empresarial não demonstrou mudanças ainda.


Joelma Amelia Muniz -
26/06/2011 - 17h31
É fato que o stress ocupacional é cada vez maior, sendo inúmeras as razões para tal. Também é fato que a produtividade e a qualidade é necessária. Entretanto, é preciso e possível, sobretudo, uma mudança de paradigmas. O ser humano deve se comportar como tal e não como máquina robótica. Digo que precisamos reaprender a humanizar a prestação de serviços.


marcelo -
29/06/2011 - 09h02
Depressão é causada por jornada extra e baixo salário em comparação aos braçais. Analistas e técnicos andam ganhando 2x mais que pedreiro depois de terem investido anos de energia e seus recursos para estudo. E fizeram isso exatamente com intenção de melhorar de vida, senão todo mundo ia ser pedreiro. Pra que estudar?! se metade do que se ganha vai pra custear o estudo, quer dizer que 2x um pedreiro na prática é 1x... Nada contra os braçais, simplesmente a lógica nua e crua de porque as pessoas escolhem uma direção. De quem é a culpa? Do MTE certamente, que não fiscaliza as jornadas. A esperança era o novo REP, agora estão enrolando de novo.


Geralda B. Costa -
14/07/2011 - 22h16
Creio que equívocos como considerar que funcionários públicos fazem jornada de 8 horas - professores são funcionários públicos e fazem jornada tripla, às vezes passa de 13h diárias, fora o trabalho do lar - e a questão do assédio moral que ainda não é punida com o devido rigor, muitos sequer conhecem a legislação já existente sobre o assunto e a falta de reconhecimento profissional em função dos jogos de interesses e de uma atuação mais profícua dos RHs, das CIPAs e do Ministério do Trabalho quanto aos direitos e deveres dos trabalhadores e empregadores, fazem as razões para o aumento dessas doenças ocupacionais e que geram grandes prejuízos às empresas - mas infelizmente, ainda não é contabilizado, não é reconhecido pela maioria delas, que dirá das empresas públicas...

DEIXE SEU COMENTÁRIO CORRIGIR ENVIAR imprimir IMPRIMIR
MAIS TEXTOS DE Gestão

 EDIÇÃO IMPRESSA

Clique aqui
para ler a edição
do dia e as edições
dos últimos
5 anos do JC.


 
para folhear | modo texto