Porto Alegre, quinta-feira, 31 de julho de 2014. Atualizado às 00h09.
PREVISÃO DO TEMPO
PORTO ALEGRE AMANHÃ
AGORA
15°C
20°C
18°C
previsão do tempo
COTAÇÃO DO DÓLAR
em R$ Compra Venda Variação
Comercial 2,2410 2,2430 0,53%
Turismo/SP 2,0500 2,4100 1,68%
Paralelo/SP 2,0600 2,4200 1,68%
mais indicadores
Página Inicial | Opinião | Economia | Política | Geral / Internacional | Esportes | Cadernos | Colunas
ASSINE  |  ANUNCIE
» Corrigir
Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.
Nome:
Email:
Mensagem:
» Indique esta matéria
[FECHAR]
Para enviar essa página a um amigo(a), preencha os campos abaixo:
De:
Email:
Amigo:
Email:
Mensagem:
 
» Comente esta notícia
[FECHAR]  
  Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.  
  Nome:  
  Email:    
  Cidade:    
  Comentário:    
500 caracteres restantes
 
Autorizo a publicação deste comentário na edição impressa.
 
152404
Repita o código
neste campo
 
 
COMENTAR CORRIGIR ENVIAR imprimir IMPRIMIR
De Olho na tevê Carlos Pires de Miranda
carlos@piresdemiranda.com.br

De Olho na tevê

Coluna publicada em 11/05/2011

Efeito Grenal


Se o Inter entrou em campo como favorito ao título, o placar de 3 a 2 devolveu ao Grêmio essa condição. Renato caía perigosamente no conceito da torcida, equilibrou-se a tempo e com um empate (ou até derrota) no Olímpico pode empurrar a marola na direção de Falcão. Que, como começou agora, mesmo com mais um fracasso não corre perigo de se afogar. Não me atreveria a garantir o mesmo para grande parte do grupo de jogadores.

Frango em dose dupla   

No primeiro gol, não tive dúvida: Renan deveria ter ficado na goleira, nunca ali, disputando no alto e perdendo a jogada para Viçosa. Quando o Grêmio marcou o terceiro, parecia o replay da cena. Desculpas não há, explicação pode ter: o goleiro colorado não confia em sua defesa – o que atualmente não seria de estranhar –, se obriga a jogar como zagueiro e fracassa estrondosamente como goleiro. Em pleno Beira-Rio e contra seu mais feroz adversário. Creio que Falcão escalará Lauro no domingo, que o Inter devolverá Renan à Espanha e terá um novo goleiro para o Brasileirão.

Décimo, com festa

Atualmente, quando vejo Fórmula 1, fico torcendo para um brasileiro chegar até o décimo lugar. No GP da Turquia terminei frustrado: Massa em 11º, Barrichello em 15º. Ambos alegadamente por erros de estratégia das equipes e dos boxes. Com a Ferrari de Massa, como já acontecia ao tempo de Barrichello, sempre acontece alguma coisa – menos vitória.

Botõezinhos demais

Por que o heptacampeão mundial Michael Schumacher, com uma Mercedes projetada sob medida para ele, leva ultrapassagem até do japonês Kobayashi, embora se diga em plena forma? E como o jovem Nico Rosberg, com o mesmo carro, chega ao quinto lugar no GP da Turquia? Simples: é tanta tecnologia embarcada nos atuais carros da categoria que a geração de Shumacher não dá conta de utilizar todo o potencial oferecido. Algo como netinho e vovô mexendo no computador.

Pitacos

Damião deixou o seu no Grenal. Lance feio, mas de muito oportunismo e perfeito posicionamento: um cabeceio potente, bola desviada no zagueiro – gol. Também, foi só.*** Leitor Delmar Castro da Silva pede a opinião “desse especialista” sobre Renan no Grenal. Está lá no alto, mas nem precisava ter jogado na posição para opinar. *** E eu, que queria ver o Coritiba confirmar suas 23 vitórias consecutivas enfrentando algum adversário de porte: que tal aqueles 6 a 0 no Palmeiras de Felipão?

Mais pitacos

Há uma semana começou uma série de zebras. As derrotas de Cruzeiro e Fluminense na Libertadores foram incríveis.*** Sobre Peñarol e Inter, logo após o jogo escrevi uma nota: “Maracanã, 1950; Beira-Rio, 2011”. Grandezas diferentes, claro, mas sempre a garra uruguaia sepultando os favoritos brasileiros. *** Repetindo 2009, o Corinthians foi o líder de faturamento entre os clubes brasileiros no ano passado. O segundo foi o Inter, depois São Paulo, Palmeiras, Cruzeiro, Flamengo e, em sétimo lugar, o Grêmio. Tudo conforme auditoria de balanços efetuada pela BDO RCS.

COMENTÁRIOS
Deixe seu comentário sobre este texto.

DEIXE SEU COMENTÁRIO CORRIGIR ENVIAR imprimir IMPRIMIR
COLUNAS ANTERIORES
Não poderia ser outro
Se Tite não quis, somente Felipão teria cacife para pegar o Grêmio neste momento
A volta do desacreditado
Se agora Dunga é a solução pensada pela CBF, então por que deixou de servir em 2010? Por ser rude com jornalistas, ou pela hoje compreensível derrota para a Holanda
De volta à realidade
Depois de assistir a vários grandes jogos da Copa, em gramados de ótima qualidade, com torcedores civilizados ocupando quase todas as cadeiras de modernos estádios, voltamos ao cotidiano de nosso futebol
Conseguimos: muito pior do que em 1950
Entre cautela e pretensa agressividade, Felipão escolheu a segunda hipótese – com Bernard –, mostrando desconhecer o potencial do adversário

 EDIÇÃO IMPRESSA

Clique aqui
para ler a edição
do dia e as edições
dos últimos
5 anos do JC.


 
para folhear | modo texto