Porto Alegre, domingo, 26 de outubro de 2014. Atualizado às 23h52.
Hoje é Dia do Trabalhador da Construção Civil. Hoje é Dia da Democracia.
PREVISÃO DO TEMPO
PORTO ALEGRE AMANHÃ
AGORA
21°C
29°C
18°C
previsão do tempo
COTAÇÃO DO DÓLAR
em R$ Compra Venda Variação
Comercial 2,4560 2,4580 2,18%
Turismo/SP 2,3300 2,6500 1,11%
Paralelo/SP 2,3400 2,6600 1,11%
mais indicadores
Página Inicial | Opinião | Economia | Política | Geral / Internacional | Esportes | Cadernos | Colunas
ASSINE  |  ANUNCIE  |  ATENDIMENTO ONLINE
» Corrigir
Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.
Nome:
Email:
Mensagem:
» Indique esta matéria
[FECHAR]
Para enviar essa página a um amigo(a), preencha os campos abaixo:
De:
Email:
Amigo:
Email:
Mensagem:
 
» Comente esta notícia
[FECHAR]  
  Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.  
  Nome:  
  Email:    
  Cidade:    
  Comentário:    
500 caracteres restantes
 
Autorizo a publicação deste comentário na edição impressa.
 
106436
Repita o código
neste campo
 
 
COMENTAR CORRIGIR ENVIAR imprimir IMPRIMIR
Conexão Política Adão Oliveira
adaooliveira@hotmail.com

Conexão Política

Coluna publicada em 16/03/2011

Tarso e o Desenvolvimento

Hoje, o governador Tarso Genro (PT) estará, a partir das 12h, no Tá na Mesa, da Federasul, no Palácio do Comércio, Centro de Porto Alegre. Ele vai falar sobre a Preparação do Novo Modelo de Desenvolvimento do Rio Grande do Sul.

O governador dirá aos empresários do comércio o que já se ouvia durante a campanha eleitoral. O seu discurso foi aclamado nas urnas e hoje é o programa com que Tarso Genro administra o Estado.

A fundamentação básica do plano de governo de Tarso é o aumento da capacidade de investimentos, a recuperação das funções públicas do Estado, o desenvolvimento sustentável e uma participação forte e protagonista no cenário nacional.

Isso é, na prática, o que Tarso pregava na teoria: "Desamarrando o Rio Grande do Sul do ponto de vista político, para vivenciar com a União Federal e com o resto do País o que se abriu na nossa nação, a partir dos dois governos do presidente Lula (PT)".

Para Tarso, o Rio Grande precisa acompanhar esse processo, "reciclar-se na sua máquina administrava, na esfera da sua cultura política, para integrar esse círculo virtuoso e promover a sociedade gaúcha a patamares superiores de igualdade social e de desenvolvimento regional".

Dentro dessa perspectiva de desenvolvimento, dirá que o plano de governo do Executivo estadual está organizado em rede, com três pontos modais principais. O primeiro deles é baseado na inovação de um sistema estadual de desenvolvimento, articulado com os órgãos financiadores do governo federal e com as agências estaduais.

Outro ponto tem relação com um conjunto de políticas sociais ligado ao plano nacional de combate à pobreza absoluta. Por fim, o terceiro item diz respeito a ações de preservação das instituições do Estado de Direito, ao lado da efetivação de um sistema de participação popular cidadã.

Com a autoridade de quem tem maioria na Assembleia, o governador dirá que está dialogando e negociando com a oposição, dentro dos limites dos princípios, para dar sustentação a uma nova era de desenvolvimento político social do Estado.

Há controvérsias. Cientistas políticos têm dito que o governo "patrola" a Assembleia. Uma oposição trôpega, cambaleante não impõe a mínima resistência às avançadas de Tarso.

Um superdimensionamento dos projetos encaminhados pelo Executivo à Assembleia pode acabar com as boas relações entre os dois Poderes, na opinião de observadores.

Hoje, no Tá na Mesa, Tarso, articulado, vai ser festejado pelos empresários, muitos deles integrantes do seu "Conselhão".

Sem reeleição

Na discussão da reforma política no Congresso, o senador gaúcho Pedro Simon (foto), do PMDB, defendeu que o voto obrigatório seja mantido no País, mas que se acabe com a possibilidade de reeleição para presidente, governadores e prefeitos. Mesmo não tendo sido indicado para compor a comissão, Simon quer participar dos debates na Casa.

COMENTÁRIOS
paulo roberto brambilla - 16/03/2011 - 09h21
este senador bem que poderia ser mais incisivo no combate ao nr.absurdo de servidores do senado.Pedro,se tu fizeres isto,a população gaúcha lhe será eternamente grata.

DEIXE SEU COMENTÁRIO CORRIGIR ENVIAR imprimir IMPRIMIR
COLUNAS ANTERIORES
Perda de um amigo e jornalista exemplar PTB versus PSB
O governador Tarso Genro (PT) teve baixas ao longo do seu governo. Dois partidos que integraram sua base aliada deixaram de apoiá-lo: PSB e PDT
O recado do “guardião”
Após longo impasse, comissões aprovaram relatório do senador Luiz Henrique sobre o projeto de lei que estabelece novo indexador para as dívidas dos estados com a União
Cristãos novos do PDT
Depois de 20 anos, o PDT volta a ter reais chances de vencer uma disputa majoritária estadual

 EDIÇÃO IMPRESSA

Clique aqui
para ler a edição
do dia e as edições
dos últimos
5 anos do JC.


 
para folhear | modo texto