Porto Alegre, quinta-feira, 27 de novembro de 2014. Atualizado às 22h44.
Hoje é Dia do Técnico de Segurança do Trabalho. Hoje é Dia Internacional de Combate ao Câncer. Hoje é Feriado nos EUA - Dia de Ação de Graças.
PREVISÃO DO TEMPO
PORTO ALEGRE AMANHÃ
AGORA
22°C
30°C
18°C
previsão do tempo
COTAÇÃO DO DÓLAR
em R$ Compra Venda Variação
Comercial 2,5270 2,5290 0,87%
Turismo/SP 2,3900 2,6600 0,37%
Paralelo/SP 2,4000 2,6700 0,37%
mais indicadores
Página Inicial | Opinião | Economia | Política | Geral / Internacional | Esportes | Cadernos | Colunas
ASSINE  |  ANUNCIE  |  ATENDIMENTO ONLINE
» Corrigir
Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.
Nome:
Email:
Mensagem:
» Indique esta matéria
[FECHAR]
Para enviar essa página a um amigo(a), preencha os campos abaixo:
De:
Email:
Amigo:
Email:
Mensagem:
 
» Comente esta notícia
[FECHAR]  
  Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.  
  Nome:  
  Email:    
  Cidade:    
  Comentário:    
500 caracteres restantes
 
Autorizo a publicação deste comentário na edição impressa.
 
836459
Repita o código
neste campo
 
 
COMENTAR CORRIGIR ENVIAR imprimir IMPRIMIR
Conexão Política Adão Oliveira
adaooliveira@hotmail.com

Conexão Política

Coluna publicada em 07/02/2011

A história revisitada

José Sarney está em evidência. Recentemente foi eleito presidente do Senado. Pela terceira e última vez. Sarney já cansou de exercer o poder. Já foi até presidente da República, sem ao menos estar preparado para isso. Pura sorte. Tancredo é que foi eleito para presidir o Brasil. Morreu, sem realizar o seu sonho e a expectativa do povo brasileiro. Hoje, ninguém mais lembra de Tancredo Neves. Ele foi esperança, não é saudade, sequer lembrança.

Mas como é mesmo que José Sarney chegou à presidência? Tudo começou na noite de 14 de maio de 1985. O ministro João Leitão de Abreu, jurista e chefe da Casa Civil de João Figueiredo, estava recolhido à sua residência na Granja do Ipê, quando foi avisado que lá estavam o então presidente da Câmara dos Deputados, Ulisses Guimarães, o presidente do Senado, José Fragelli, o senador Fernando Henrique Cardoso e o general Leônidas Pires Gonçalves. Eles foram comunicar que Tancredo Neves, estava sendo hospitalizado naquele instante. E em seguida questionaram o jurista: "Ministro, quem deverá assumir, amanhã"? José Sarney que foi eleito com Tancredo Neves, respondeu Leitão de Abreu, depois de consultar a Constituição. No dia seguinte a Nação perplexa assistia à posse de José Sarney, como presidente da República, em exercício. Ele assumiu a presidência, sozinho. Todos os ministros de João Figueiredo estavam exonerados. Por sugestão do Dr. Leitão de Abreu, o general Figueiredo não passou a faixa para Sarney. O próprio dr. Leitão contou-me essa história.

Consultado sobre a cerimônia ele sugeriu ao presidente Figueiredo que não passasse a faixa porque Sarney entraria no exercício do cargo como substituto e não como sucessor. Tancredo Neves estava vivo. Eventualmente sem condições de assumir a presidência da República, mas vivo. Foi uma decisão consciente e correta. Tancredo só morreria em abril. Então, fica claro que o general João Figueiredo não se negou a entregar a faixa por birra - como disseram - e sim, por determinação constitucional. A faixa presidencial é o símbolo do poder, mas não completa a investidura. É como a coroa do rei. Ela só é transmitida quando cessa o mandato de um presidente e começa o de outro. O que sai entrega a faixa ao presidente que entra, como Lula fez com Dilma Rousseff.

Quando o titular do cargo viaja ao exterior, por exemplo, não passa a faixa, apenas transmite a investidura. Aí uma questão. Se Figueiredo não passou a faixa para Sarney, como é que na fotografia oficial de presidente da República, Sarney aparece "enfaixado"? Quem lhe colocou a faixa foi Gervázio Batista, então fotógrafo oficial do Palácio do Planalto. Para o registro da história.

Missão de paz

O ex-deputado estadual Paulo Brum (foto), do PSDB, que não se reelegeu no ano passado, vai assumir neste mês a Secretaria Especial de Acessibilidade e Inclusão Social de Porto Alegre. O atual titular, Tarcísio Cardoso (PSDB), passa a ser adjunto. A informação do prefeito José Fortunati (PDT) está na entrevista especial publicada nesta edição.

COMENTÁRIOS
Deixe seu comentário sobre este texto.

DEIXE SEU COMENTÁRIO CORRIGIR ENVIAR imprimir IMPRIMIR
COLUNAS ANTERIORES
Perda de um amigo e jornalista exemplar PTB versus PSB
O governador Tarso Genro (PT) teve baixas ao longo do seu governo. Dois partidos que integraram sua base aliada deixaram de apoiá-lo: PSB e PDT
O recado do “guardião”
Após longo impasse, comissões aprovaram relatório do senador Luiz Henrique sobre o projeto de lei que estabelece novo indexador para as dívidas dos estados com a União
Cristãos novos do PDT
Depois de 20 anos, o PDT volta a ter reais chances de vencer uma disputa majoritária estadual

 EDIÇÃO IMPRESSA

Clique aqui
para ler a edição
do dia e as edições
dos últimos
5 anos do JC.


 
para folhear | modo texto