Porto Alegre, quinta-feira, 24 de julho de 2014. Atualizado às 00h40.
PREVISÃO DO TEMPO
PORTO ALEGRE AMANHÃ
AGORA
15°C
15°C
8°C
previsão do tempo
COTAÇÃO DO DÓLAR
em R$ Compra Venda Variação
Comercial 2,2180 2,2200 0,36%
Turismo/SP 2,1200 2,3700 1,28%
Paralelo/SP 2,1300 2,3600 0,42%
mais indicadores
Página Inicial | Opinião | Economia | Política | Geral / Internacional | Esportes | Cadernos | Colunas
ASSINE  |  ANUNCIE
» Corrigir
Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.
Nome:
Email:
Mensagem:
» Indique esta matéria
[FECHAR]
Para enviar essa página a um amigo(a), preencha os campos abaixo:
De:
Email:
Amigo:
Email:
Mensagem:
 
» Comente esta notícia
[FECHAR]  
  Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.  
  Nome:  
  Email:    
  Cidade:    
  Comentário:    
500 caracteres restantes
 
Autorizo a publicação deste comentário na edição impressa.
 
814176
Repita o código
neste campo
 
 
COMENTAR CORRIGIR ENVIAR imprimir IMPRIMIR
Conexão Política Adão Oliveira
adaooliveira@hotmail.com

Conexão Política

Coluna publicada em 04/02/2011

De dissidências

Junho de 1984, governo João Figueiredo. Era uma manhã modorrenta como tantas outras em Brasília. Sol a pino e baixíssima umidade relativa do ar.

Em um escritório acanhado no Setor Comercial Sul, estava instalado o Diretório Nacional do PDS (Partido Democrático Nacional), partido oficial do regime militar como sucessor da Arena.

Naquela manhã, as salas do diretório estavam “bombando”. O partido iria discutir o nome de Paulo Maluf, que seria levado ao Colégio Eleitoral, como candidato oficial à presidência da República.

O presidente do PDS era o senador José Sarney. Tão logo iniciou a discussão, o então deputado gaúcho Emídio Perondi, malufista roxo, tentou embananar o processo. Deu bate-boca incontrolável entre os defensores e os adversários da candidatura Maluf.

De repente, surpreendentemente, José Sarney deu um murro na mesa e anunciou: “Assim não é possível. Renuncio à presidência”.

Sucederam-se na renúncia, os vice-presidentes Aureliano Chaves e Marco Maciel e o primeiro-secretário Jorge Bornhausen. Sob vaias, os quatro se retiraram do recinto.

No mesmo dia se soube de uma articulação visando à criação, por esse grupo, do Partido da Frente Liberal (PFL). Criado, o PFL se jogou nos braços do PMDB para apoiar o nome de Tancredo Neves como adversário de Paulo Maluf no Colégio Eleitoral.

Foi um acordo articulado por Aureliano Chaves, pelo PFL, e Tancredo Neves, pelo PMDB. O resto se sabe. Tancredo concorreu e venceu no Colégio Eleitoral, formando chapa ao lado de José Sarney, como candidato a vice-presidente da República.

Hoje, a sina da dissidência persegue o Democratas, sucessor do PFL, que surgiu do PDS, substituto da Arena. O “Democratas” debate-se numa crise sem precedentes. Vários de seus nomes mais importantes ameaçam deixar o partido.

O governador de Santa Catarina, Raimundo Colombo, e o prefeito de São Paulo, Gilberto Kassab, dois dos democratas de maior visibilidade, estão articulando suas saídas. Muitos filiados podem acompanhá-los.

O “Democratas”, que por aqui minguou, está se mantendo nos estados do Nordeste. No Rio de Janeiro, o partido é comandado pelos “Maias” - César e Rodrigo Maia - pai e filho, que se valem dele para se manter na mídia e na política.

Há um grande número de Democratas que, embora permaneça no partido, é dissidente do comando nacional. Os desentendimentos entre as alas comandadas por Jorge Bornhausen e Rodrigo Maia se agravaram.

A corrente capitaneada por Bornhausen pretende antecipar as eleições partidárias para maio. Ele trabalha para eleger José Agripino Maia - que não pertence ao clã do Rio - e tirar o partido do comando dos “Maias” cariocas.
Depois disso, Bornhausen abandona a política. Já terá feito um serviço a seu partido.

Adiado

Foi adiado o encontro dos vereadores da CPI da Juventude com o superintendente da Polícia Federal, delegado Ildo Gasparetto. A reunião, que seria nesta quinta-feira, foi transferida para o dia 10 de fevereiro. Parlamentares esperam ter acesso ao inquérito do ProJovem.

COMENTÁRIOS
Angela - 04/02/2011 - 01h29
Bem, esse troço chamado DEM deveria ser banido da política. São velhas raposas, representantes dos mais reacionários setores da sociedade brasileira, que se pudessem, trariam a escravidão de volta e transformariam todos os trbalhadores rurais em escravos, presos em seus latifúndios. Quem não lembra daquele figura perversa, o Arruda dos Panetones, que já havia quebrado o sigilo das votações no painel do Congresso e, como sócio-fundador de uma quadrilha no DF desviou uma mundaréu de dinheiro dos cofres da Capital Federal. O careca foi preso, mas acho que ninguém do partido dele sabia de nada, pois até o presidente regional da legenda Onyx Lorenzoni se fez de morto. Logo ele que adora um holofote para falar mal das esquerdas. Além deles, há o senador Efraim que contratava servidoras pro gabinete com a ajuda de funcionários tão pilantras como ele, dava cem pila para as gurias e usava o nome delas para tirar empréstimos. Uma quadrilha... Um bom dia a todos.

DEIXE SEU COMENTÁRIO CORRIGIR ENVIAR imprimir IMPRIMIR
COLUNAS ANTERIORES

 EDIÇÃO IMPRESSA

Clique aqui
para ler a edição
do dia e as edições
dos últimos
5 anos do JC.


 
para folhear | modo texto