Porto Alegre, terça-feira, 21 de outubro de 2014. Atualizado às 22h55.
Hoje é Dia do Contato Publicitário.
PREVISÃO DO TEMPO
PORTO ALEGRE AMANHÃ
AGORA
18°C
29°C
17°C
previsão do tempo
COTAÇÃO DO DÓLAR
em R$ Compra Venda Variação
Comercial 2,4750 2,4770 0,52%
Turismo/SP 2,3400 2,6400 0,76%
Paralelo/SP 2,3500 2,6500 0,76%
mais indicadores
Página Inicial | Opinião | Economia | Política | Geral / Internacional | Esportes | Cadernos | Colunas
ASSINE  |  ANUNCIE  |  ATENDIMENTO ONLINE
» Corrigir
Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.
Nome:
Email:
Mensagem:
» Indique esta matéria
[FECHAR]
Para enviar essa página a um amigo(a), preencha os campos abaixo:
De:
Email:
Amigo:
Email:
Mensagem:
 
» Comente esta notícia
[FECHAR]  
  Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.  
  Nome:  
  Email:    
  Cidade:    
  Comentário:    
500 caracteres restantes
 
Autorizo a publicação deste comentário na edição impressa.
 
124090
Repita o código
neste campo
 
 
COMENTAR CORRIGIR ENVIAR imprimir IMPRIMIR
Repórter Brasília Edgar Lisboa
edgarlisboa@jornaldocomercio.com.br

Repórter Brasília

Coluna publicada em 15/12/2010

Tribuna acessível

Depois de três deficientes físicos terem sido eleitos deputados, a Mesa Diretora da Câmara dos Deputados decidiu que vai adaptar o plenário para permitir que Mara Gabrilli (PSDB-SP), Rosinha da Adefal (PTdoB-AL) e Walter Tosta (PMN-MG) possam fazer os seus discursos. Os três são cadeirantes e não tem acesso à tribuna e nem a Mesa Diretora. “Essas obras já deveriam ter sido feitas”, diz o deputado Germano Bonow (DEM). Ele explica que o grande impedimento a essas obras, o tombamento do Plenário da Câmara, “deve ser contornado o mais rápido possível”. Segundo Bonow, a Assembleia Legislativa do Rio Grande do Sul já é adaptada para receber deficientes físicos “há muito tempo”. A Câmara informou, por meio de sua assessoria, que o diretor-geral se comprometeu a tornar a tribuna acessível até fevereiro, mas que os dois projetos, a construção de uma rampa e a instalação de uma plataforma móvel, estão enfrentando dificuldades.

Força de paz em ação ainda este ano

O ministro da Defesa, Nelson Jobim, anunciou que a força de paz para atuar nos morros do Rio de janeiro entrará em ação ainda este ano. O início da operação será decida pelo Comando Militar do Leste que tem á frente o general gaúcho Adriano Pereira Júnior, de 62 anos. O general assumiu as funções em maio último depois de ter chefiado a Força de Paz na Guatemala. Será sua segunda experiência em unidade de pacificação. Sob seu comando, em menos de 12 horas, 800 homens do Exército ocuparam o acesso ao Morro do Alemão. Ele disse que na operação “deu muita vontade de entrar em campo. Desta vez a motivação era maior, pelo País”.

Toda a área do Morro do Alemão está sendo delimitada, inclusive a subterrânea, pois oficiais de Brasília e com experiência no Haiti, sob o comando do general Fernando José Lavaquial Sardenberg.

As diretrizes serão baixadas pela Secretaria de Segurança do Rio, também comandada pelo delegado gaúcho, José Mariano  Beltrame. O Exército fará o patrulhamento ostensivo dos acessos e no interior. A PM fará a varredura atrás de armas, drogas e bandidos. E a Polícia Civil terá uma delegacia lá dentro para atuar como Polícia Judiciária. O objetivo do ministro da Defesa é formar, pela primeira vez, uma força única. E lá dentro das 40 favelas que forma o Morro do Alemão que atuará são só os militares e policiais da força tarefa. São os gaúchos comandando uma operação que já é considerada um exemplo para outros países, conseguindo, a integração entre policiais e forças armadas, um feito considerado remoto até o ano passado.

Fusão de Serasa e SPC

Os dois maiores bancos de dados de inadimplentes do País, Serasa e SPC (Serviço de Proteção ao Crédito) podem se tornar um só. Isso porque negociações para a fusão das duas empresas estão bastante adiantadas. O gigantesco banco de dados que surgirá terá 150 milhões de registros de Cadastros de Pessoa Física (CPF), 400 mil Cadastros Nacionais de Pessoa Jurídica (CNPJ) e quase 2 mil lojistas. Só o patrimônio do SPC vale R$ 2 bilhões. “Você teria um único órgão com informações sobre inadimplência. É ruim para quem deve, mas é bom para o credor”, avalia Newton Marques, conselheiro do Conselho Federal de Economia, Segundo ele, um órgão unificado impede que o inadimplente peça crédito em lugares que não contratem o serviço de um ou outro banco de dados.

COMENTÁRIOS
Deixe seu comentário sobre este texto.

DEIXE SEU COMENTÁRIO CORRIGIR ENVIAR imprimir IMPRIMIR
COLUNAS ANTERIORES
As várias capitais
Outros cinco municípios tentam conseguir o título de “capital nacional”, sendo que dois são gaúchos
Divisões amargas
Se o segundo turno dessas eleições deixou o Brasil mais dividido, as divisões que já existiam dentro do Congresso ficaram mais amargas. Partidários de Dilma Rousseff (PT) e Aécio Neves (PSDB) se digladiam nas poucas sessões entre os dias 5 e 26 de outubro
PMDB pós-moderno
Resultados do primeiro turno indicam “sintomas alarmantes” e podem estar levando o PT a virar um “PMDB pós-moderno”
Atraso no orçamento
Como nos anos anteriores, a votação da Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) está muito atrasada

 EDIÇÃO IMPRESSA

Clique aqui
para ler a edição
do dia e as edições
dos últimos
5 anos do JC.


 
para folhear | modo texto