Porto Alegre, sábado, 25 de outubro de 2014. Atualizado às 15h18.
PREVISÃO DO TEMPO
PORTO ALEGRE AMANHÃ
AGORA
26°C
27°C
18°C
previsão do tempo
COTAÇÃO DO DÓLAR
em R$ Compra Venda Variação
Comercial 2,4560 2,4580 2,18%
Turismo/SP 2,3300 2,6500 1,11%
Paralelo/SP 2,3400 2,6600 1,11%
mais indicadores
Página Inicial | Opinião | Economia | Política | Geral / Internacional | Esportes | Cadernos | Colunas
ASSINE  |  ANUNCIE  |  ATENDIMENTO ONLINE
» Corrigir
Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.
Nome:
Email:
Mensagem:
» Indique esta matéria
[FECHAR]
Para enviar essa página a um amigo(a), preencha os campos abaixo:
De:
Email:
Amigo:
Email:
Mensagem:
 
» Comente esta notícia
[FECHAR]  
  Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.  
  Nome:  
  Email:    
  Cidade:    
  Comentário:    
500 caracteres restantes
 
Autorizo a publicação deste comentário na edição impressa.
 
616933
Repita o código
neste campo
 
 
COMENTAR CORRIGIR ENVIAR imprimir IMPRIMIR
Adega Carlos Pires de Miranda
carlos@piresdemiranda.com.br

Adega

Coluna publicada em 15/12/2010

A quinta geração da Casa Silva

CASA SILVA/DIVULGAÇÃO/JC

Como vinícola, ela existe há apenas 11 anos. Nesse período alcançou invejável prestígio no Chile e fora dele - 20% de sua produção são consumidos internamente, os restantes 80% são comercializados pelo mundo afora. Mas foi muito antes disso, em 1894, que a família Silva iniciou em suas terras o cultivo de videiras. Quase tudo o que produziam era revendido a vinícolas chilenas, o melhor da safra era transformado em vinho, saboreado ao longo dos anos por eles e seus amigos mais próximos.

Pode ter sido em uma dessas degustações, ou quem sabe em noites de reflexão do patriarca. O fato é que a quinta geração dos Silva já estava em atividade no cultivo quando chegou a uma conclusão: se ninguém conhecia suas videiras como eles mesmos, se o vinho que artesanalmente elaboravam era desejado e saudado por quem o provasse, então por que revender sua produção ao invés de utilizá-la em rótulos próprios?

Um dos primeiros passos foi a contratação do enólogo Mário Geisse, bem conhecido no Rio Grande pelo espumante que leva seu nome - Cave Geisse. Em poucos anos ele e os Silva conseguiram concretizar o sonho da família: construíram e montaram modernas instalações no Vale do Colchagua, onde vinificam toda a produção. E espalharam o cultivo das videiras (foto) por microrregiões: Fundo Paredones, Angostura, Los Lingues e Lolol. A filosofia adotada passa por cultivar a uva mais adequada a cada terroir.

Hoje estão disponíveis 21 rótulos da Casa Silva no Brasil, onde ocupa uma firme posição no mercado. Ela foi conquistada cálice por cálice, graças também a uma eficiente distribuição de sua representante exclusiva, a gaúcha Vinhos do Mundo (tel. 51 3012-8090). Foi na sede dessa empresa, ao lado do estádio Olímpico, que conversamos com o enólogo Mário Geisse e com Mario Pablo Silva, jovem diretor-executivo da vinícola, representante de sua quinta geração (confira as respostas dele na seção Três Perguntas Para, abaixo).

Na degustação, começamos por um surpreendente Cool Coast Sauvignon Blanc (100%), prosseguimos com Quinta Generación branco, depois o tinto, ambos de 2007. A seguir, um respeitável Microterroir Los Lingues Carmenère (100%) de 2006 e finalmente o grande destaque da noite: Altura 2004, um magistral corte de Carmenère (50%), Cabernet Sauvignon (33%) e Petit Verdot (17%). Ele repousou por18 meses em barricas de carvalho francês, mais 4,5 anos na garrafa. É o top da vinícola, dele são elaboradas entre 5 mil e 8,5 mil garrafas a cada ano, que custam quase o dobro dos rótulos que o seguem e dez vezes o preço dos vinhos de entrada do portfólio da Casa Silva.

Três perguntas para Mario Pablo Silva - Diretor-executivo da Casa Silva

VINHOS DO MUNDO/DIVULGAÇÃO/JC
1 - Qual o segredo para a Casa Silva surgir do nada e tão rapidamente conquistar importantes mercados pelo mundo?

Bem, começamos nossos cultivares em 1894, em terras próprias, repassando quase toda a produção a terceiros. Então não somos neófitos no ramo, embora eu reconheça que conquistamos um invejável mercado em dezenas de países, depois de apenas 11 anos como vinícola.

2 - Então, qual o segredo para que isso ocorresse tão rapidamente?

Provavelmente ele está no fato de que somos uma empresa familiar, gerida por descendentes diretos de seus fundadores, e que todos os que nela trabalham amam o vinho. Depois, obedecemos ao princípio de que cada terroir tem uma vinífera perfeitamente adequada ou adequável a ele – respeitamos muito isso e procuramos fazer o melhor possível. Paralelamente, sempre contamos com o trabalho competente do enólogo Mário Geisse.

3 - Cabernet Sauvignon é o ícone da vitivinicultura chilena?

Pode ter sido, mas no passado. Hoje a Carmenère tem um papel mais importante e destacado no Chile. Embora ainda seja recente a descoberta dos vinhedos chilenos dessa variedade – os franceses haviam sido dizimados –, atualmente a Carmenère tem muito mais a cara do Chile do que da França. É uma variedade que se adaptou maravilhosamente a nosso solo e clima, nela temos encontrado a matéria-prima ideal para elaboração de preciosos vinhos.

Chope e cerveja

  •  Quem já provou, elogia. Enquanto isso a Cervejaria Schornstein estende seus tentáculos desde a pequena Pomerode (SC) para a poderosa São Paulo. O abre-alas é o chope artesanal Schornstein Weiss, produzido seguindo a Lei da Pureza Alemã, o que significa empregar pelo menos 50% do melhor malte de trigo alemão em sua composição e tem 5% de teor alcoólico. Veja em www.schornstein.com.br.

  •  Cerveja francesa Page 24 Blond, produzida pela Brasserie St. German, sugere harmonizações tanto por contraste quanto por semelhança. Por ser potente, acompanha carnes de gosto acentuado, como o cordeiro; mas seu leve amargor, segundo o fabricante, a torna complemento ideal para doces,como panetone. Tem na Casa da Cerveja - www.casadacerveja.com.br.

Doses

  •  Vinícola Mantellassi foi das primeiras em Maremma, hoje uma importante região com D.O.C. da Toscana. A propriedade possui 215 hectares, é tocada pelos irmãos Joseph e Aleardo Mantellassi, que acompanham cada detalhe da elaboração de seus vinhos. No Rio Grande do Sul há cinco rótulos, distribuídos pela Sommelier (tel. 51 3024 0751), com preços entre R$ 49,00 a R$ 190,00.

  •  Herdade do Esporão apresenta a nova safra de seus vinhos Esporão Reserva e Private Selection. Os rótulos (foto) reproduzem imagens de touro, cobra, sapo e lagarto, criados pela artista plástica Joana Vasconcelos. Os preços começam em R$74,40 (Reserva Breanco 2009) e vão até R$ 196,60 (Private Selection Tinto 2007). Importação da Qualimpor (tel. 0800-702-4492).
COMENTÁRIOS
Wagner - 20/12/2010 - 15h27
Segue um site onde compro os otimos vinhos da Casa Silva http://www.elegancevinhos.com.br/casasilva

DEIXE SEU COMENTÁRIO CORRIGIR ENVIAR imprimir IMPRIMIR
COLUNAS ANTERIORES
Nature dos 40 anos Pelo mundo, parte 2 Elaborando seu próprio vinho Uma nova geração de vinhateiros na Fronteira-Oeste

 EDIÇÃO IMPRESSA

Clique aqui
para ler a edição
do dia e as edições
dos últimos
5 anos do JC.


 
para folhear | modo texto