Porto Alegre, sexta-feira, 25 de julho de 2014. Atualizado às 22h00.
Hoje é Dia do Escritor. Hoje é Dia do Motorista .
PREVISÃO DO TEMPO
PORTO ALEGRE AMANHÃ
AGORA
11°C
14°C
5°C
previsão do tempo
COTAÇÃO DO DÓLAR
em R$ Compra Venda Variação
Comercial 2,2190 2,2210 0,04%
Turismo/SP 2,1000 2,3600 0,42%
Paralelo/SP 2,1100 2,3700 0,42%
mais indicadores
Página Inicial | Opinião | Economia | Política | Geral / Internacional | Esportes | Cadernos | Colunas
ASSINE  |  ANUNCIE
» Corrigir
Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.
Nome:
Email:
Mensagem:
» Indique esta matéria
[FECHAR]
Para enviar essa página a um amigo(a), preencha os campos abaixo:
De:
Email:
Amigo:
Email:
Mensagem:
 
» Comente esta notícia
[FECHAR]  
  Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.  
  Nome:  
  Email:    
  Cidade:    
  Comentário:    
500 caracteres restantes
 
Autorizo a publicação deste comentário na edição impressa.
 
945761
Repita o código
neste campo
 
 
COMENTAR CORRIGIR ENVIAR imprimir IMPRIMIR
A Voz do Pastor Dom Dadeus Grings
mitra.poa@terra.com.br

A Voz do Pastor

Coluna publicada em 18/11/2010

As quatro relações humanas

O ser humano se realiza por meio de quatro relações: consigo, com os outros, com o mundo e com Deus. Ser pessoa é ser relação. Nascemos ontologicamente pessoas, ou seja, a natureza nos relaciona quadruplicamente, mas devemos tornar-nos psicologicamente pessoas, o que exige tomar consciência e elaborar mental e afetivamente estas relações que nos são dadas. É preciso, por assim dizer, torná-las próprias, conscientes e assumidas.

1) Psicologicamente, a primeira relação que desenvolvemos é com os outros. Todo o nosso ser é feito para destacar esta dimensão da vida. Ninguém é indivíduo. Não pode fechar-se sobre si mesmo. Necessariamente convive. Bem antes de se conhecer e antes de reconhecer seu próprio rosto e sua voz, conhece os outros. A criança reage ao sorriso das pessoas sem saber como resplandece seu rosto sorridente; entende os gestos dos outros antes de compreender seus próprios. Falamos por isso de intersubjetividade. É, pois, a primeira dimensão da vida humana. Nasce numa família e se descobre no aconchego de um lar.

Nossa tarefa, ao crescer, é intensificar, alargar e interiorizar estas relações com os outros. O ser humano se realiza na medida em que se abre aos outros e os conquista pelo amor. Sua riqueza são as relações humanas que desenvolve em torno de si. Sua vida são seus familiares e amigos.

2) A intersubjetividade leva à subjetividade. Aos poucos, em contato com os outros, cada um vai descobrindo sua própria profundidade e identidade. Responde ao imperativo socrático de conhecer-se a si mesmo. Não estão, em primeira linha da curiosidade, os órgãos físicos, mas suas funções. Cada um se reconhece inteligente e corpóreo, afetivo e empreendedor. Destaca três dimensões a serem desenvolvidas: inteligência, vontade e sentimentos. Sente-se rico de valores. Realizar-se é, pelo que a própria palavra diz, tornar-se real. Isto envolve autoestima. Não bastam ideias nem projetos. É preciso investir na vida, para que se torne plena.

3) A terceira relação nos leva ao mundo. As ciências e a técnica nos têm proporcionado grandes subsídios. Nossa ideia e nossa presença no mundo hoje são muito mais amplas que as de nossos antepassados. A cada cinco anos se duplica o acervo de conhecimentos e de capacidades de agir sobre o mundo. O problema é se isto nos leva também a um melhor relacionamento com ele. Conhecemo-lo, sem dúvida, melhor. Mas também o valorizamos,  na mesma medida? Estamos satisfeitos com ele? Conseguimos usufruir de seus valores e de sua harmonia ou os estamos destruindo e menosprezando? Não basta o conhecimento da história e da constituição do mundo para ser feliz. É preciso relacionar-se com sabedoria e respeito com ele.

4) A quarta relação nos leva a Deus. Está na origem e no destino da vida e do universo. Como cristãos temos uma revelação divina que nos reporta ao Pai. Para desenvolver esta relação, nos foi dado como que um terceiro olho, que nos faz ver o invisível. Pelo batismo fomos dotados de um novo organismo sobrenatural, que se manifesta por três impulsos vitais: a fé para ver o invisível, a esperança para ir a seu encontro e a caridade para, já agora, começar a vivenciar esta relação com o Pai, na qualidade de filhos, em Jesus Cristo, pelo Espírito Santo.

COMENTÁRIOS
Deixe seu comentário sobre este texto.

DEIXE SEU COMENTÁRIO CORRIGIR ENVIAR imprimir IMPRIMIR
COLUNAS ANTERIORES

 EDIÇÃO IMPRESSA

Clique aqui
para ler a edição
do dia e as edições
dos últimos
5 anos do JC.


 
para folhear | modo texto