Porto Alegre, sábado, 25 de outubro de 2014. Atualizado às 13h52.
PREVISÃO DO TEMPO
PORTO ALEGRE AMANHÃ
AGORA
25°C
27°C
18°C
previsão do tempo
COTAÇÃO DO DÓLAR
em R$ Compra Venda Variação
Comercial 2,4560 2,4580 2,18%
Turismo/SP 2,3300 2,6500 1,11%
Paralelo/SP 2,3400 2,6600 1,11%
mais indicadores
Página Inicial | Opinião | Economia | Política | Geral / Internacional | Esportes | Cadernos | Colunas
ASSINE  |  ANUNCIE  |  ATENDIMENTO ONLINE
» Corrigir
Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.
Nome:
Email:
Mensagem:
» Indique esta matéria
[FECHAR]
Para enviar essa página a um amigo(a), preencha os campos abaixo:
De:
Email:
Amigo:
Email:
Mensagem:
 
» Comente esta notícia
[FECHAR]  
  Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.  
  Nome:  
  Email:    
  Cidade:    
  Comentário:    
500 caracteres restantes
 
Autorizo a publicação deste comentário na edição impressa.
 
148213
Repita o código
neste campo
 
 
COMENTAR CORRIGIR ENVIAR imprimir IMPRIMIR
A Voz do Pastor Dom Dadeus Grings
mitra.poa@terra.com.br

A Voz do Pastor

Coluna publicada em 18/11/2010

As quatro relações humanas

O ser humano se realiza por meio de quatro relações: consigo, com os outros, com o mundo e com Deus. Ser pessoa é ser relação. Nascemos ontologicamente pessoas, ou seja, a natureza nos relaciona quadruplicamente, mas devemos tornar-nos psicologicamente pessoas, o que exige tomar consciência e elaborar mental e afetivamente estas relações que nos são dadas. É preciso, por assim dizer, torná-las próprias, conscientes e assumidas.

1) Psicologicamente, a primeira relação que desenvolvemos é com os outros. Todo o nosso ser é feito para destacar esta dimensão da vida. Ninguém é indivíduo. Não pode fechar-se sobre si mesmo. Necessariamente convive. Bem antes de se conhecer e antes de reconhecer seu próprio rosto e sua voz, conhece os outros. A criança reage ao sorriso das pessoas sem saber como resplandece seu rosto sorridente; entende os gestos dos outros antes de compreender seus próprios. Falamos por isso de intersubjetividade. É, pois, a primeira dimensão da vida humana. Nasce numa família e se descobre no aconchego de um lar.

Nossa tarefa, ao crescer, é intensificar, alargar e interiorizar estas relações com os outros. O ser humano se realiza na medida em que se abre aos outros e os conquista pelo amor. Sua riqueza são as relações humanas que desenvolve em torno de si. Sua vida são seus familiares e amigos.

2) A intersubjetividade leva à subjetividade. Aos poucos, em contato com os outros, cada um vai descobrindo sua própria profundidade e identidade. Responde ao imperativo socrático de conhecer-se a si mesmo. Não estão, em primeira linha da curiosidade, os órgãos físicos, mas suas funções. Cada um se reconhece inteligente e corpóreo, afetivo e empreendedor. Destaca três dimensões a serem desenvolvidas: inteligência, vontade e sentimentos. Sente-se rico de valores. Realizar-se é, pelo que a própria palavra diz, tornar-se real. Isto envolve autoestima. Não bastam ideias nem projetos. É preciso investir na vida, para que se torne plena.

3) A terceira relação nos leva ao mundo. As ciências e a técnica nos têm proporcionado grandes subsídios. Nossa ideia e nossa presença no mundo hoje são muito mais amplas que as de nossos antepassados. A cada cinco anos se duplica o acervo de conhecimentos e de capacidades de agir sobre o mundo. O problema é se isto nos leva também a um melhor relacionamento com ele. Conhecemo-lo, sem dúvida, melhor. Mas também o valorizamos,  na mesma medida? Estamos satisfeitos com ele? Conseguimos usufruir de seus valores e de sua harmonia ou os estamos destruindo e menosprezando? Não basta o conhecimento da história e da constituição do mundo para ser feliz. É preciso relacionar-se com sabedoria e respeito com ele.

4) A quarta relação nos leva a Deus. Está na origem e no destino da vida e do universo. Como cristãos temos uma revelação divina que nos reporta ao Pai. Para desenvolver esta relação, nos foi dado como que um terceiro olho, que nos faz ver o invisível. Pelo batismo fomos dotados de um novo organismo sobrenatural, que se manifesta por três impulsos vitais: a fé para ver o invisível, a esperança para ir a seu encontro e a caridade para, já agora, começar a vivenciar esta relação com o Pai, na qualidade de filhos, em Jesus Cristo, pelo Espírito Santo.

COMENTÁRIOS
Deixe seu comentário sobre este texto.

DEIXE SEU COMENTÁRIO CORRIGIR ENVIAR imprimir IMPRIMIR
COLUNAS ANTERIORES
Tempo de celebração e reflexão
A Igreja está celebrando os 50 anos da abertura do Concílio Ecumênico Vaticano II
O novo arcebispo de Porto Alegre
Na Voz do Pastor da semana passada, procurei olhar para trás, destacando alguns marcos do caminho percorrido
A Arquidiocese de Porto Alegre
Em 1848, três anos após o término da Revolução Farroupilha, Porto Alegre foi elevada à categoria de diocese, desmembrada do Rio de Janeiro
Democracia e teocracia
Distinguem-se fundamentalmente dois sistemas de governo: um a partir do povo, com o nome de democracia; e outro a partir de Deus, chamado teocracia

 EDIÇÃO IMPRESSA

Clique aqui
para ler a edição
do dia e as edições
dos últimos
5 anos do JC.


 
para folhear | modo texto