Porto Alegre, terça-feira, 25 de novembro de 2014. Atualizado às 22h37.
Hoje é Dia do Doador de Sangue.
PREVISÃO DO TEMPO
PORTO ALEGRE AMANHÃ
AGORA
24°C
24°C
19°C
previsão do tempo
COTAÇÃO DO DÓLAR
em R$ Compra Venda Variação
Comercial 2,5350 2,5370 0,47%
Turismo/SP 2,3900 2,7000 0,37%
Paralelo/SP 2,4000 2,7100 1,11%
mais indicadores
Página Inicial | Opinião | Economia | Política | Geral / Internacional | Esportes | Cadernos | Colunas
ASSINE  |  ANUNCIE  |  ATENDIMENTO ONLINE
» Corrigir
Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.
Nome:
Email:
Mensagem:
» Indique esta matéria
[FECHAR]
Para enviar essa página a um amigo(a), preencha os campos abaixo:
De:
Email:
Amigo:
Email:
Mensagem:
 
» Comente esta notícia
[FECHAR]  
  Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.  
  Nome:  
  Email:    
  Cidade:    
  Comentário:    
500 caracteres restantes
 
Autorizo a publicação deste comentário na edição impressa.
 
790303
Repita o código
neste campo
 
 
COMENTAR CORRIGIR ENVIAR imprimir IMPRIMIR
Teatro Antônio Hohlfeldt
a_hohlfeldt@yahoo.com.br

Teatro

Coluna publicada em 24/09/2010

Triste atualidade de Policarpo Quaresma

Passadas as mais fortes agruras da recém-implantada República no Brasil, o escritor Afonso Henriques de Lima Barreto, que já ousara escrever sobre a imprensa industrial brasileira, também então nascente (em Recordações do escrivão Isaías Caminha), e pagaria pelo resto de sua vida tal ousadia, partia para outro projeto audacioso e mortal: denunciar a falsidade da renovação política que a república produzira. Para tanto, escreveu Triste fim de Policarpo Quaresma, no ano de 1915. Isso o afastaria de vez do centro das decisões políticas. O escritor não esmoreceu, procurou viver sempre da pena - embora mal - e ao morrer, abrigado em um manicômio público  ironicamente, hoje uma das salas do Curso de Comunicação da UFRJ - miserável e abandonado, não deixara de organizar sua própria obra, que sobreviveria.

Recentemente, Policarpo Quaresma foi transposto para o cinema. Agora, encontramo-lo adaptado ao teatro, graças à iniciativa do diretor Antunes Filho (sim, aquele mesmo de Macunaíma, de algumas décadas atrás). Foi este espetáculo a que assisti em São Paulo, recentemente, dirigido por Antunes Filho, que está sempre experimentando, ousando quebrar a tradição. Já fez um Chapeuzinho Vermelho com um texto absolutamente inarticulado, e agora constrói uma encenação extremamente paródica do romance, com cerca de duas horas de duração. Felizmente para Antunes Filho, e para nós, seus admiradores, ele encontrou no Sesc um espaço ideal de apoio para seus projetos, de sorte que tem podido dar-se ao luxo de continuar a experimentar, mostrando a todos os resultados de suas ideias.

Se a escrita de Lima Barreto em Policarpo Quaresma é desequilibrada, ora pendendo para o realismo, ora para a sátira, o mesmo ocorre com a encenação de Antunes Filho. Ela começa devagar, mas parece apontar para um certo rumo. Pela metade, se perde - embora seja aí que ocorra uma cena antológica e inesquecível, a que nos referiremos de imediato - e se reencontra no final. Talvez o excesso seja seu pecado maior, mas para reconstituir aquela república, não seria mesmo necessário este excesso? Seja como for, Antunes Filho nunca teve medo de romper convenções e regras, e não o faz por menos.

Com um elenco de pouco mais de uma vintena de intérpretes, não apenas centra a atenção em uns poucos personagens, interpretadas fixamente por determinados atores (por exemplo, Quaresma é Lee Thalor e Floriano Peixoto é Marcos de Andrade) quanto se permite colocar todos os demais integrantes do elenco a se multiplicarem em figuras variadas e díspares. Na verdade, Antunes Filho está menos preocupado pelas individualidades do que por uma certa representação social da época. Não por acaso, dá especial atenção ao espaço do manicômio a que também o personagem Quaresma é recolhido (premonição de Lima Barreto?), ao mesmo tempo em que faz todo o tipo de referência, direta ou indireta, dependendo do maior conhecimento cultural que o espectador possua, a situações e personagens de então: seu Floriano Peixoto, por exemplo, é baixote, quepe enfiado sobre a cabeça que faz desaparecer o rosto, jamais visto; usa um bigodinho e lembra demais a Adolf Hitler...

Certamente Antunes Filho deve ter pesquisado sobre as "revistas" da época, moda teatral então em pleno vigor e que, a cada final de ano, satirizava os acontecimentos da temporada, para gáudio de uma plateia mais popular e menos exigente, mas para desespero, dentre outros, do vetusto Machado de Assis. Desse tipo de espetáculo sai, sem dúvida, a exploração do clima farsesco de todo o espetáculo, a presença das melindrosas e a representação dos diferentes espaços cênicos apenas indicados por alguns adereços.

O espetáculo, assim, interessante mas desigual, não deixa de ter seus bons momentos. O melhor deles, contudo, é aquele em que Quaresma acompanha a interpretação do Hino Nacional com um sapateado no meio da cena. O público delira e aplaude. É aquela sacada que só um bom diretor é capaz de ter, criando uma cena inesquecível. No mais, é um espetáculo interessante, bem produzido e bem realizado, mas que não chega a repetir outros excelentes momentos do grande diretor. Deve ser visto, contudo, de qualquer modo. 

COMENTÁRIOS
Denise Caceres - 24/09/2010 - 21h51
Não há o que discutir sobre a genialidade de Antunes Filho como diretor, porém, a cena em que Policarpo Quaresma sapateia nas formigas ao som do Hino Nacional, foi uma criação do ator Lee Taylor (antes Lee Thalor e agora com nova grafia), que interpreta maravilhosamente bem o Major Policarpo no espetáculo. Segue abaixo trecho da entrevista dada por Lee Taylor e Antunes Filho para a Revista Bravo, (edição de maio), sob o Título de "Cria Atrevida": "Claro que essa postura atrevida gera conflitos e brigas constantes. A cena do sapateado ao som do hino, por exemplo, não nasceu fácil. Thalor teve a ideia e quis testar, Antunes dizia que não podia parar a peça para um solo. O ator insistiu, o diretor pediu pra ver a cena, mas Thalor não mostrou: foi fazer aula de dança e ficou ensaiando por semanas. Antunes sabia que seu pupilo estava se preparando e o atiçava, perguntando quando ia ver o tal sapateado. Poucos dias antes da estreia, já nos ensaios no teatro, a cena foi apresentada. E o resto já se sabe." http://bravonline.abril.com.br/conteudo/teatroedanca/lee-thalor-policarpo-quarema-cria-atrevida-564510.shtml

DEIXE SEU COMENTÁRIO CORRIGIR ENVIAR imprimir IMPRIMIR
COLUNAS ANTERIORES
50 anos depois, um coral mostra sua pujança
Mais de uma centena dos então jovens cantores se reuniram no Centro Cultural 25 de Julho. As primeiras canções que se tornaram sucesso foram rememoradas e entonadas
Espetáculo policial bem construído
Em nome do jogo , original do britânico Anthony Shaffer, é uma dessas raras ocasiões de se assistir a uma peça com enredo policial
Quase cem anos depois... ainda atual
O espetáculo Antônio Chimango divide-se em dois atos, no primeiro dos quais se narra a gênese do personagem e, no segundo, a maneira pela qual ele chegou ao poder
Diz para ela...o quê, mesmo?
GPS Gaza é um trabalho de uma hora de duração, composto de fragmentos de textos variados, de múltiplos autores

 EDIÇÃO IMPRESSA

Clique aqui
para ler a edição
do dia e as edições
dos últimos
5 anos do JC.


 
para folhear | modo texto