Porto Alegre, sexta-feira, 31 de outubro de 2014. Atualizado às 10h17.
Hoje é Dia das Bruxas.
PREVISÃO DO TEMPO
PORTO ALEGRE AMANHÃ
AGORA
23°C
27°C
20°C
previsão do tempo
COTAÇÃO DO DÓLAR
em R$ Compra Venda Variação
Comercial 2,4170 2,4190 0,45%
Turismo/SP 2,2800 2,6200 1,13%
Paralelo/SP 2,2900 2,6300 1,12%
mais indicadores
Página Inicial | Opinião | Economia | Política | Geral / Internacional | Esportes | Cadernos | Colunas
ASSINE  |  ANUNCIE  |  ATENDIMENTO ONLINE
» Corrigir
Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.
Nome:
Email:
Mensagem:
» Indique esta matéria
[FECHAR]
Para enviar essa página a um amigo(a), preencha os campos abaixo:
De:
Email:
Amigo:
Email:
Mensagem:
 
» Comente esta notícia
[FECHAR]  
  Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.  
  Nome:  
  Email:    
  Cidade:    
  Comentário:    
500 caracteres restantes
 
Autorizo a publicação deste comentário na edição impressa.
 
638588
Repita o código
neste campo
 
 
COMENTAR CORRIGIR ENVIAR imprimir IMPRIMIR
Teatro Antônio Hohlfeldt
a_hohlfeldt@yahoo.com.br

Teatro

Coluna publicada em 24/09/2010

Triste atualidade de Policarpo Quaresma

Passadas as mais fortes agruras da recém-implantada República no Brasil, o escritor Afonso Henriques de Lima Barreto, que já ousara escrever sobre a imprensa industrial brasileira, também então nascente (em Recordações do escrivão Isaías Caminha), e pagaria pelo resto de sua vida tal ousadia, partia para outro projeto audacioso e mortal: denunciar a falsidade da renovação política que a república produzira. Para tanto, escreveu Triste fim de Policarpo Quaresma, no ano de 1915. Isso o afastaria de vez do centro das decisões políticas. O escritor não esmoreceu, procurou viver sempre da pena - embora mal - e ao morrer, abrigado em um manicômio público  ironicamente, hoje uma das salas do Curso de Comunicação da UFRJ - miserável e abandonado, não deixara de organizar sua própria obra, que sobreviveria.

Recentemente, Policarpo Quaresma foi transposto para o cinema. Agora, encontramo-lo adaptado ao teatro, graças à iniciativa do diretor Antunes Filho (sim, aquele mesmo de Macunaíma, de algumas décadas atrás). Foi este espetáculo a que assisti em São Paulo, recentemente, dirigido por Antunes Filho, que está sempre experimentando, ousando quebrar a tradição. Já fez um Chapeuzinho Vermelho com um texto absolutamente inarticulado, e agora constrói uma encenação extremamente paródica do romance, com cerca de duas horas de duração. Felizmente para Antunes Filho, e para nós, seus admiradores, ele encontrou no Sesc um espaço ideal de apoio para seus projetos, de sorte que tem podido dar-se ao luxo de continuar a experimentar, mostrando a todos os resultados de suas ideias.

Se a escrita de Lima Barreto em Policarpo Quaresma é desequilibrada, ora pendendo para o realismo, ora para a sátira, o mesmo ocorre com a encenação de Antunes Filho. Ela começa devagar, mas parece apontar para um certo rumo. Pela metade, se perde - embora seja aí que ocorra uma cena antológica e inesquecível, a que nos referiremos de imediato - e se reencontra no final. Talvez o excesso seja seu pecado maior, mas para reconstituir aquela república, não seria mesmo necessário este excesso? Seja como for, Antunes Filho nunca teve medo de romper convenções e regras, e não o faz por menos.

Com um elenco de pouco mais de uma vintena de intérpretes, não apenas centra a atenção em uns poucos personagens, interpretadas fixamente por determinados atores (por exemplo, Quaresma é Lee Thalor e Floriano Peixoto é Marcos de Andrade) quanto se permite colocar todos os demais integrantes do elenco a se multiplicarem em figuras variadas e díspares. Na verdade, Antunes Filho está menos preocupado pelas individualidades do que por uma certa representação social da época. Não por acaso, dá especial atenção ao espaço do manicômio a que também o personagem Quaresma é recolhido (premonição de Lima Barreto?), ao mesmo tempo em que faz todo o tipo de referência, direta ou indireta, dependendo do maior conhecimento cultural que o espectador possua, a situações e personagens de então: seu Floriano Peixoto, por exemplo, é baixote, quepe enfiado sobre a cabeça que faz desaparecer o rosto, jamais visto; usa um bigodinho e lembra demais a Adolf Hitler...

Certamente Antunes Filho deve ter pesquisado sobre as "revistas" da época, moda teatral então em pleno vigor e que, a cada final de ano, satirizava os acontecimentos da temporada, para gáudio de uma plateia mais popular e menos exigente, mas para desespero, dentre outros, do vetusto Machado de Assis. Desse tipo de espetáculo sai, sem dúvida, a exploração do clima farsesco de todo o espetáculo, a presença das melindrosas e a representação dos diferentes espaços cênicos apenas indicados por alguns adereços.

O espetáculo, assim, interessante mas desigual, não deixa de ter seus bons momentos. O melhor deles, contudo, é aquele em que Quaresma acompanha a interpretação do Hino Nacional com um sapateado no meio da cena. O público delira e aplaude. É aquela sacada que só um bom diretor é capaz de ter, criando uma cena inesquecível. No mais, é um espetáculo interessante, bem produzido e bem realizado, mas que não chega a repetir outros excelentes momentos do grande diretor. Deve ser visto, contudo, de qualquer modo. 

COMENTÁRIOS
Denise Caceres - 24/09/2010 - 21h51
Não há o que discutir sobre a genialidade de Antunes Filho como diretor, porém, a cena em que Policarpo Quaresma sapateia nas formigas ao som do Hino Nacional, foi uma criação do ator Lee Taylor (antes Lee Thalor e agora com nova grafia), que interpreta maravilhosamente bem o Major Policarpo no espetáculo. Segue abaixo trecho da entrevista dada por Lee Taylor e Antunes Filho para a Revista Bravo, (edição de maio), sob o Título de "Cria Atrevida": "Claro que essa postura atrevida gera conflitos e brigas constantes. A cena do sapateado ao som do hino, por exemplo, não nasceu fácil. Thalor teve a ideia e quis testar, Antunes dizia que não podia parar a peça para um solo. O ator insistiu, o diretor pediu pra ver a cena, mas Thalor não mostrou: foi fazer aula de dança e ficou ensaiando por semanas. Antunes sabia que seu pupilo estava se preparando e o atiçava, perguntando quando ia ver o tal sapateado. Poucos dias antes da estreia, já nos ensaios no teatro, a cena foi apresentada. E o resto já se sabe." http://bravonline.abril.com.br/conteudo/teatroedanca/lee-thalor-policarpo-quarema-cria-atrevida-564510.shtml

DEIXE SEU COMENTÁRIO CORRIGIR ENVIAR imprimir IMPRIMIR
COLUNAS ANTERIORES
Diz para ela...o quê, mesmo?
GPS Gaza é um trabalho de uma hora de duração, composto de fragmentos de textos variados, de múltiplos autores
O melhor do ano, inequivocamente
O palco do Theatro São Pedro viveu um fim de semana excepcional, quando ali foi apresentada a peça Os homens do triângulo rosa , criação dramatúrgica dirigida por Margarida Peixoto
Espetáculo digno e inesquecível
Espetáculo Elis, a musical supera amplamente tudo o que de melhor se poderia esperar
Um musical bem brasileiro, criativo e encantador
A junção do trabalho de Vanessa Dantas (libretista), Wladimir Pinheiro (maestro e compositor) e Fabiana de Mello Souza (direção) resulta num espetáculo dirigido às crianças

 EDIÇÃO IMPRESSA

Clique aqui
para ler a edição
do dia e as edições
dos últimos
5 anos do JC.


 
para folhear | modo texto