Porto Alegre, quinta-feira, 18 de dezembro de 2014. Atualizado às 22h31.
Hoje é Dia Internacional do Migrante.
PREVISÃO DO TEMPO
PORTO ALEGRE AMANHÃ
AGORA
23°C
30°C
16°C
previsão do tempo
COTAÇÃO DO DÓLAR
em R$ Compra Venda Variação
Comercial 2,6990 2,7010 1,24%
Turismo/SP 2,5600 2,9100 1,02%
Paralelo/SP 2,5500 2,9000 2,02%
mais indicadores
Página Inicial | Opinião | Economia | Política | Geral / Internacional | Esportes | Cadernos | Colunas
ASSINE  |  ANUNCIE  |  ATENDIMENTO ONLINE
» Corrigir
Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.
Nome:
Email:
Mensagem:
» Indique esta matéria
[FECHAR]
Para enviar essa página a um amigo(a), preencha os campos abaixo:
De:
Email:
Amigo:
Email:
Mensagem:
 
» Comente esta notícia
[FECHAR]  
  Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.  
  Nome:  
  Email:    
  Cidade:    
  Comentário:    
500 caracteres restantes
 
Autorizo a publicação deste comentário na edição impressa.
 
147272
Repita o código
neste campo
 
 
COMENTAR CORRIGIR ENVIAR imprimir IMPRIMIR
De Olho na tevê Carlos Pires de Miranda
carlos@piresdemiranda.com.br

De Olho na tevê

Coluna publicada em 22/09/2010

Indignação gremista

Semana passada recebi uma dezena de mensagens de indignados gremistas, simplesmente por ter escrito que o jogo do Inter fora de casa seria mais fácil do que o do Grêmio no Olímpico. Depois de os tricolores perderem para o Palmeiras e os colorados vencerem ao São Paulo, apenas um daqueles leitores escreveu novamente – brincalhão, pedindo palpites para Mega-Sena. Não é impossível acertar – no esporte, é claro, não no sorteio milionário. Basta ver o futebol com olhos de analista, não de torcedor.

Explicação

É previsível neste Brasileirão a estratégia dos times médios e pequenos. Em casa, quando pensam que irão encarar alguém do seu tamanho – ou ao seu alcance – eles tentam jogar para vencer. Então apanham feio, como o Avaí ao se arriscar contra o Grêmio no domingo. Mas quando esses times medianos entendem que o adversário é mais forte, que está no pelotão de cima na tabela, se encaramujam em seu próprio campo e passam a viver dos contragolpes, estratégia que muitas vezes dá resultado.

E hoje?

Não é matemático, ou não seria futebol. O Atlético-PR arrancou espetacularmente rumo ao G-4, mas o Inter voltou forte depois da Copa – jogo difícil, tendência para empate com gols. No Olímpico, o dilema gremista: ataca a frágil defesa do Flamengo e se expõe às estocadas de Renato, Diogo e Deivid ou espera, testa a paciência da torcida e busca racionalmente a vitória? Uma oportunidade para Renato Portaluppi mostrar novamente sua veia de estrategista, derrotar seu antecessor (Silas) e embalar no Brasileirão.

Cadê a agenda?

Nos tempos em que o Juventude garimpava desconhecidos, com eles montava bons times e ganhava até Copa do Brasil, falava-se de um diretor que possuía uma prodigiosa agenda, capaz de lhe fornecer os nomes certos para as posições carentes. Hoje, o clube é a imagem do fracasso, construído nas quatro últimas temporadas, sofrendo goleadas vexatórias no Gauchão, cumprindo péssimas campanhas no Brasileiro, que o fizeram desabar para a Série D. O diabo é que o caminho de volta é muito mais lento e doloroso.

Pitacos

• Amigos da Bola: assim eles foram batizados pelo então comentarista (de jogo) Lauro Quadros. Um deles era Gaspar (ex-Inter e Corinthians). E quem mais? Repostas ao e-mail desta coluna.

• Antonio Lopes, o técnico preferido de Romeu Masiero, foi o 22º demitido neste Brasileirão.

• O presidente do Palmeiras estava hospitalizado ontem. Além dele, no ano passado os maus resultados haviam derrubado Luxemburgo e Muricy Ramalho.

• Agora a irregularidade do time sacode Felipão, que dispara contra as arbitragens e limita drasticamente a ação dos repórteres. O nome disso é crise estrutural, começa desde a portaria do Parque Antarctica e passa pela parceira do clube.

• Márcio Rezende de Freitas, odiado pelos colorados desde o Brasileirão de 2005 – que o Inter entregou ao Corinthians, ao perder na última rodada para o rebaixado Coritiba – hoje é comentarista de arbitragem da Globo em Minas.

COMENTÁRIOS
Deixe seu comentário sobre este texto.

DEIXE SEU COMENTÁRIO CORRIGIR ENVIAR imprimir IMPRIMIR
COLUNAS ANTERIORES
Jogadas desastradas
No momento em que escrevo a situação era a seguinte: como é do seu estilo, educadamente, Tite rejeitou o convite do Inter e em seguida assinou com o Corinthians
Um novo presidente
De negativo em 2014, houve as sumárias desclassificações nas copas do Brasil e Sul-Americana, para dois times da Série B
O futebol entra em férias
Foi um péssimo ano: fracasso na Copa, duas inesquecíveis goleadas sofridas pela seleção e dificuldades financeiras, que passaram a rondar os principais clubes brasileiros, creio que bastam
Decisão imperdível
Vivêssemos um pouco mais preocupados com nossos times e menos com os outros, poderia ser um Grenal

 EDIÇÃO IMPRESSA

Clique aqui
para ler a edição
do dia e as edições
dos últimos
5 anos do JC.


 
para folhear | modo texto