Porto Alegre, sexta-feira, 01 de agosto de 2014. Atualizado às 08h19.
PREVISÃO DO TEMPO
PORTO ALEGRE AMANHÃ
AGORA
14°C
24°C
15°C
previsão do tempo
COTAÇÃO DO DÓLAR
em R$ Compra Venda Variação
Comercial 2,2730 2,2750 1,42%
Turismo/SP 2,0900 2,4400 1,24%
Paralelo/SP 2,1000 2,4500 1,23%
mais indicadores
Página Inicial | Opinião | Economia | Política | Geral / Internacional | Esportes | Cadernos | Colunas
ASSINE  |  ANUNCIE
» Corrigir
Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.
Nome:
Email:
Mensagem:
» Indique esta matéria
[FECHAR]
Para enviar essa página a um amigo(a), preencha os campos abaixo:
De:
Email:
Amigo:
Email:
Mensagem:
 
» Comente esta notícia
[FECHAR]  
  Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.  
  Nome:  
  Email:    
  Cidade:    
  Comentário:    
500 caracteres restantes
 
Autorizo a publicação deste comentário na edição impressa.
 
169713
Repita o código
neste campo
 
 
COMENTAR CORRIGIR ENVIAR imprimir IMPRIMIR
Conexão Política Adão Oliveira
adaooliveira@hotmail.com

Conexão Política

Coluna publicada em 27/07/2009

Preferência

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva e ministros da coordenação política monitoram os humores do governador de São Paulo, José Serra, sobretudo a possibilidade de ele desistir da corrida ao Palácio do Planalto. Para Lula, o ideal é a ministra-chefe da Casa Civil, Dilma Rousseff, enfrentar o paulista em 2010. Afinal, seria mais fácil a “mãe do PAC” vencê-lo do que derrotar o governador de Minas Gerais, Aécio Neves, o outro presidenciável do PSDB.

Dificuldades de Serra


Apesar de aparecer com pelo menos 40% nas pesquisas de intenção de voto, Serra é considerado por Lula um concorrente menos difícil de ser batido devido, entre outros, às alianças que fechará no próximo ano. Mantido o cenário atual, ele marchará ao lado do DEM e do PPS. Fechará uma coligação pequena, formada pelos oposicionistas mais ferrenhos, os quais, segundo auxiliares de Lula, não têm votos e estão perdendo espaço eleição após eleição.

Ações eleitorais

A oposição está atenta às últimas medidas, anunciadas pelo governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, e ao que virá no segundo semestre. A principal delas foi a perspectiva de reajuste de 5% no valor do Bolsa Família, programado para agosto. Nas avaliações feitas por oposicionistas a iniciativa pode servir de alavanca para a ministra da Casa Civil, Dilma Rousseff, no Nordeste.

Preocupação

As ações do governo que podem ajudar a campanha de Dilma foram discutidas há duas semanas por integrantes do DEM e do PSDB. Inicialmente, eles apenas elencaram as propostas e ficaram de analisá-las de forma mais detalhada depois do recesso parlamentar. O que chamou a atenção deles foi a marcha dos prefeitos. Dali, cerca de 4 mil prefeitos, fundamentais para uma campanha política, saíram com um leque de conquistas.

Outras bondades

O presidente Lula liberou R$ 1 bilhão para construção de casas populares nos municípios com menos de 50 mil habitantes, reduziu em até 40% as contrapartidas de obras do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) em saneamento e habitação, doou 8.443 ônibus escolares para 1.800 municípios. Estas são algumas das bondades que, segundo a oposição, podem facilitar a candidatura de Dilma Rousseff à presidência da República.

Base dividida


O comando nacional do PT se prepara para reforçar a estratégia de um palanque único em cada estado e conta com a interferência direta de Lula para resolver os impasses. O lançamento da pré-candidatura do ministro da Justiça, Tarso Genro (PT), a governador no Rio Grande do Sul evidenciou a divisão da base do presidente Luiz Inácio Lula da Silva no Estado e estimulou outros governistas a levarem adiante seus planos de oferecer mais de um palanque regional à ministra Dilma Rousseff. É o caso do ministro Geddel Vieira Lima (PMDB), na Bahia.

Conflito

Na opinião do presidente do partido, Ricardo Berzoini, o ideal é o palanque unificado, nos estados onde é impossível um acordo. Do ponto de vista político, o conflito entre aliados, até na disputa pela agenda do candidato à presidência, não é bom. No Rio Grande do Sul, terra adotiva de Dilma, o PMDB não aceita aliança com o PT.

Trauma

O presidente do PSDB, senador Sérgio Guerra (PE), também trabalha por um candidato forte da oposição em cada estado, com palanque único para o nome tucano que disputará a presidência, o governador de São Paulo, José Serra, ou o de Minas, Aécio Neves. O PSDB tem o trauma das eleições de 2006, em que o então candidato tucano, Geraldo Alckmin, acabou sem palanque forte na Bahia, no Ceará e no Rio de Janeiro.

COMENTÁRIOS
Lena - 27/07/2009 - 15h21
Política é uma coisa suja mesmo. Só recebem por aquilo que pagam de tributos, os brasileiros, quando os políticos se preparam para as eleições. Lula e PT são os artistas principais nesse jogo de cena. Respeitar políticos como?


Lena -
27/07/2009 - 15h22
Política é uma coisa suja mesmo. Só recebem por aquilo que pagam de tributos, os brasileiros, quando os políticos se preparam para as eleições. Lula e PT são os artistas principais nesse jogo de cena. Respeitar políticos como?

DEIXE SEU COMENTÁRIO CORRIGIR ENVIAR imprimir IMPRIMIR
COLUNAS ANTERIORES

 EDIÇÃO IMPRESSA

Clique aqui
para ler a edição
do dia e as edições
dos últimos
5 anos do JC.


 
para folhear | modo texto