Porto Alegre, terça-feira, 02 de setembro de 2014. Atualizado às 22h24.
Hoje é Dia do Repórter Fotográfico.
PREVISÃO DO TEMPO
PORTO ALEGRE AMANHÃ
AGORA
15°C
24°C
15°C
previsão do tempo
COTAÇÃO DO DÓLAR
em R$ Compra Venda Variação
Comercial 2,2430 2,2450 0,26%
Turismo/SP 2,1100 2,3800 0%
Paralelo/SP 2,1200 2,3900 0%
mais indicadores
Página Inicial | Opinião | Economia | Política | Geral / Internacional | Esportes | Cadernos | Colunas
ASSINE  |  ANUNCIE  |  ATENDIMENTO ONLINE
» Corrigir
Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.
Nome:
Email:
Mensagem:
» Indique esta matéria
[FECHAR]
Para enviar essa página a um amigo(a), preencha os campos abaixo:
De:
Email:
Amigo:
Email:
Mensagem:
 
» Comente esta notícia
[FECHAR]  
  Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.  
  Nome:  
  Email:    
  Cidade:    
  Comentário:    
500 caracteres restantes
 
Autorizo a publicação deste comentário na edição impressa.
 
590872
Repita o código
neste campo
 
 
COMENTAR CORRIGIR ENVIAR imprimir IMPRIMIR

CONJUNTURA 10/06/2010 - 16h14min

Meirelles diz que País se preparou para o pior da crise

Agência Estado

O presidente do Banco Central (BC), Henrique Meirelles, disse nesta quinta-feira (10), ao se referir à crise europeia, que o Brasil trabalhou e se preparou para o pior.

"Mas sempre vamos torcer para o melhor" ressalvou. "Muitas vezes, espera-se no caso da Europa o mais provável, mas nós estamos preparados para o pior", afirmou, ao encerrar o 3º Fórum Brasil-EUA, organizado pela Universidade de Miami e pela Federação do Comércio do Estado de São Paulo (Fecomercio-SP).

Meirelles ressaltou a importante participação do Brasil na reformulação do sistema financeiro internacional, diante dos diversos choques pelos quais passou a economia mundial. Segundo ele, o Brasil aprendeu com as crises passadas. "Buscamos políticas consistentes e aperfeiçoamento das instituições", afirmou.

Ele lembrou ainda as medidas anticíclicas adotadas pelo governo brasileiro, que permitiram ao País sair rapidamente da crise. Meirelles destacou que, em crises passadas, como no começo de 1999, a Selic (a taxa básica de juros da economia) chegou a 45%. Agora, "pela primeira vez, o governo pôde fazer política fiscal de estímulo".

COMENTÁRIOS
Deixe seu comentário sobre este texto.

DEIXE SEU COMENTÁRIO CORRIGIR ENVIAR imprimir IMPRIMIR
TEXTOS RELACIONADOS
Relatório Focus: expansão do PIB cai de 0,70% para 0,52% em 2014
Relatório divulgado pelo Banco Central mostra ainda que o mercado mantém a previsão de inflação de 6,27% para o ano e não acredita em nova alta na taxa Selic
IPC-S avança para 0,12% em agosto, diz FGV
Indicador de inflação da Fundação Getúlio Vargas acumula alta de 6,76% em 12 meses e 4,42% no ano
União usa fundos setoriais para fazer superávit
Estratégia é formar uma reserva de contingência para gastar, uma espécie de conta-poupança para casos de emergência
FGV: meta de superávit primário iria até 3% com Aécio
A magnitude do aperto na política fiscal do próximo governo deverá ter intensidades diferentes entre uma administração de Dilma Rousseff, Marina Silva e Aécio Neves

 EDIÇÃO IMPRESSA

Clique aqui
para ler a edição
do dia e as edições
dos últimos
5 anos do JC.


 
para folhear | modo texto