Porto Alegre, quinta-feira, 28 de agosto de 2014. Atualizado às 22h09.
Hoje é Dia Nacional do Bancário.
PREVISÃO DO TEMPO
PORTO ALEGRE AMANHÃ
AGORA
12°C
24°C
9°C
previsão do tempo
COTAÇÃO DO DÓLAR
em R$ Compra Venda Variação
Comercial 2,2370 2,2390 0,31%
Turismo/SP 2,1000 2,4000 2,04%
Paralelo/SP 2,1100 2,4100 2,03%
mais indicadores
Página Inicial | Opinião | Economia | Política | Geral / Internacional | Esportes | Cadernos | Colunas
ASSINE  |  ANUNCIE  |  ATENDIMENTO ONLINE
» Corrigir
Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.
Nome:
Email:
Mensagem:
» Indique esta matéria
[FECHAR]
Para enviar essa página a um amigo(a), preencha os campos abaixo:
De:
Email:
Amigo:
Email:
Mensagem:
 
» Comente esta notícia
[FECHAR]  
  Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.  
  Nome:  
  Email:    
  Cidade:    
  Comentário:    
500 caracteres restantes
 
Autorizo a publicação deste comentário na edição impressa.
 
162296
Repita o código
neste campo
 
 
COMENTAR CORRIGIR ENVIAR imprimir IMPRIMIR
Teatro Antônio Hohlfeldt
a_hohlfeldt@yahoo.com.br

Teatro

Coluna publicada em 27/04/2010

Encontro com a tradição celta

A civilização celta tem origem em torno de dois mil anos antes de Cristo. Origina-se no Oeste europeu mas se espalha, ao longo dos séculos seguintes, chegando até a atual Inglaterra. Daí os resquícios que encontramos nos mitos do Santo Graal e na Távola Redonda, por exemplo, ou nos gigantescos e enigmáticos monumentos presentes em todo o território anglo-saxão. A cultura celta desaparece muito rapidamente, em torno do século I antes de Cristo, submetida pelos romanos.

Mas os traços e as referências remanescentes permanecem ainda hoje, ampliadas ou modificadas, como as crenças nos druidas, seus antigos sacerdotes, a música ritmicamente marcada - e que chegou aos Estados Unidos através dos pioneiros da conquista do Oeste, sendo massificada nos movimentados e quase sempre violentos bailes entre caubóis que o cinema registrou. Em Portugal e Espanha encontram-se ainda fortes traços remanescentes dos celtas, sendo que hoje em dia cresce o interesse por aquela cultura, ainda que bastante modificada.

Isso tudo justifica o interesse provocado, no domingo passado, pela apresentação do Celtic Legends, grupo de 17 figuras, entre cinco músicos e bailarinos (5 homens e 7 mulheres), no Teatro do Sesi, trazido pela Branco Produções, que entra em seu 16º ano de atividades em Porto Alegre.

O espetáculo dura cerca de duas horas, com intervalo de dez minutos. Música e dança o compõem, desde música instrumental a solos, passando por conjuntos coreográficos marcados pelo sapateado (logo lembrei o genial Gene Kelly).

Bem pensado, com um bom equipamento de iluminação e efeitos de gelo seco, música alegre e figurinos cuidadosamente desdobrados para brilharem aos olhos dos espectadores, Celtic legends é um espetáculo de projeção folclórica que encanta e envolve. Que tenha raízes legitimamente folclóricas é indubitável: basta ver os estribilhos das canções. Há, ainda, a presença de instrumentos originais, como uileann, que é soprado, ao mesmo tempo em que o intérprete aperta os alforjes que contêm ar e que fazem com que o som ressoe, o que não é fácil. O conjunto, formado por flauta, violino, acordeão e guitarra, além do instrumento tradicional, faz um bom conjunto e permite variações múltiplas habilmente exploradas no espetáculo, como violino e acordeão; uileann e flauta; violino e guitarra etc.

Quanto aos bailarinos, todos jovens, apresentam coreografia relativamente repetitiva: o sapateado é a marca dos intérpretes, que mantêm corpos descansados e eretos, braços dirigidos para o chão, de modo a facilitar o equilíbrio, mãos relativamente fechadas, voltadas para dentro do corpo ou viradas para fora. A rapidez e a precisão são a marca do conjunto. Não se observou um único descompasso entre eles, e isso que o ritmo, por vezes, é verdadeiramente alucinado.

O público foi curioso, mas também participativo. Para isso, valeu a iniciativa do apresentador, em conseguir dizer algumas frases em português, o que alcançou a simpatia da plateia. O grupo promete voltar no próximo ano, e eu sugeriria que as coreografias de Ger Hayes e da diretora Liz Knowles fossem menos hollywoodianas e se voltassem mais para o aspecto original de instrumentos e danças, tal como se viu num momento solo da violinista, ela mesma Liz Knowles, e que encantou a todos. Mais subjetivo, mais intimista, certamente o espetáculo, ao alternar dois momentos diferentes de expressão, poderá render mais e agradar a um público mais vasto, escapando da repetição que, se não chega a cansar, numa segunda visita tornar-se-á, por certo, enfadonho.

No mais, foi uma bela noitada, de encontro com uma cultura literalmente milenar e que mostra que, com um pouco de sensibilidade e inventividade, pode ser ampliada e interessar a plateias muito distantes tanto no tempo quanto no espaço em relação ao contexto em que foi criada.  

COMENTÁRIOS
Deixe seu comentário sobre este texto.

DEIXE SEU COMENTÁRIO CORRIGIR ENVIAR imprimir IMPRIMIR
COLUNAS ANTERIORES
São Paulo surrealista entra em cena
O melhor da agenda teatral de São Paulo, onde estive na semana passada, provavelmente seja o filme do recentemente falecido Alain Resnais,  Amar, beber e cantar
Katakló: mais exigente e mais diversificado
De modo geral, o Katakló, que é uma companhia de dança atlética, como seu nome indica, é formado por antigos atletas olímpicos que resolveram abrir os horizontes de seu treinamento
Entre o egoísmo e as máscaras
A dramaturga alemã Rebeca Kricheldorf (cujo nome também aparece como Rebekka) nasceu em Freiburg, no ano de 1974
Um Bukowski arrasado mas consistente
De certo modo, a montagem de  Bukowski - Histórias da vida subterrânea , que o diretor Roberto Oliveira assina e interpreta como principal ator, é um projeto de vida inteira

 EDIÇÃO IMPRESSA

Clique aqui
para ler a edição
do dia e as edições
dos últimos
5 anos do JC.


 
para folhear | modo texto