Porto Alegre, quarta-feira, 18 de outubro de 2017.
PREVISÃO DO TEMPO
PORTO ALEGRE AMANHÃ
AGORA
20°C
30°C
19°C
previsão do tempo
COTAÇÃO DO DÓLAR
em R$ Compra Venda Variação
Comercial 3,1670 3,1690 0,15%
Turismo/SP 3,1400 3,3200 0,60%
Paralelo/SP 3,1400 3,3200 0,60%
mais indicadores
Página Inicial | Opinião | Economia | Política | Geral / Internacional | Esportes | Cadernos | Colunas
ASSINE  |  ANUNCIE  | 
» Corrigir
Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.
Nome:
Email:
Mensagem:
152228
Repita o código
neste campo
 
» Indique esta matéria
[FECHAR]
Para enviar essa página a um amigo(a), preencha os campos abaixo:
De:
Email:
Amigo:
Email:
Mensagem:
152228
Repita o código
neste campo
 
 
» Comente esta notícia
[FECHAR]  
  Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.  
  Nome:  
  Email:    
  Cidade:    
  Comentário:    
500 caracteres restantes
 
Autorizo a publicação deste comentário na edição impressa.
 
152228
Repita o código
neste campo
 
 
imprimir IMPRIMIR

Fórum da Liberdade 13/04/2010 - 20h53min

Fernando Henrique Cardoso e Jorge Gerdau encerram o Fórum da Liberdade

Rafael Vigna

Gilmar Luís/JC
Fernando Henrique Cardoso chamou a atenção sobre a fragilidade democrática no País.
Fernando Henrique Cardoso chamou a atenção sobre a fragilidade democrática no País.

No encerramento do 23º Fórum da Liberdade, o painel Política e Ideias fechou os seis temas propostos para a edição 2010 do evento. Os discursos do ex-presidente da República, Fernando Henrique Cardoso, do presidente do Conselho de Administração do Grupo Gerdau, Jorge Gerdau Johanppeter, e do ex-presidente da Bolívia, Jorge Quiroga encerraram as atividades do evento na noite desta terça-feira (13), em Porto Alegre.

O sexto painel começou em clima de festa. FHC foi ovacionado pelo público que lotou o Centro de Eventos da Pucrs. Os aplausos só cessaram após o anúncio da chegada da governadora do Rio Grande do Sul, Yeda Crusius, que foi bastante vaiada.

Os protestos logo se dissiparam, por meio do discurso do presidente do Instituto de Estudos Empresariais (IEE), Leonardo Fração, enaltecendo a política fiscal e de equilíbrio das contas públicas no Estado. "Este governo acabou com o autoritarismo e a irresponsabilidade de outras gestões que o sucederam", atestou.

Mas a figura mais esperada do evento era a de Fernando Henrique Cardoso, considerado "o maior estadista da América Latina", pelo ex-presidente da Bolívia, Jorge Quiroga. "A situação econômica do Brasil e da América Latina é fruto da consolidação da democracia brasileira e da abertura econômica, promovidos por Fernando Henrique", salientou.

Isento das legislações eleitorais, Quiroga não poupou elogios. "Fernando Henrique sempre preferiu ser um estadista do que um político, pois um político coloca o seu partido acima da economia e um estadista privilegia a economia", concluiu o boliviano.

Em seguida, Jorge Gerdau debruçou boa parte de seu discurso sobre a conceituação das diversas formas de liberdade. "Nos empresários nos preocupamos com liberdade econômica e nos esquecemos de outras formas de liberdade", analisou.

Questionado sobre a meritocracia, Gerdau defendeu a utilização das técnicas de gestão privadas no setor público. "Criar carreiras dentro do Estado é uma peça chave, utilizada nos países mais desenvolvidos e um desenvolvimento tecnológico que serve para melhoria e qualificação dos serviços públicos", advertiu.

Antes de passar a palavra a Fernando Henrique, Gerdau fez uma crítica ao cerceamento da liberdade na China e tratou da temática social. "Este é um fórum político. Os empresários têm de cuidar da família, da empresa e também da política. Do contrário, os políticos acabam com os avanços da empresa", ironizou.

Ex-presidente criticou Plano Nacional de Direitos Humanos

Ao tomar o microfone para si, Fernando Henrique Cardoso continuou na linha introduzida pelos demais palestrantes. Inicialmente, o sociólogo falou mais alto e o público observou atento a uma aula de história acerca da democracia e suas relações com a liberdade. Sustentando suas teses, em diversos autores, entre eles, Maquiavel, Hobbes e Joaquim Nabuco, o ex-presidente avançou na direção da crítica social sobre o cenário político nacional.

"Ainda não se pode afirmar com segurança, que no Brasil estamos livres de uma forma contrária à democracia clássica, regida, sobretudo, pela liberdade. É possível que o desenvolvimento econômico seja pleno, mesmo em regimes autoritário. O que não se pode abrir mão é de uma série de mecanismos inerentes ao espírito de liberdade", avaliou.

O ex-presidente ainda chamou a atenção sobre a fragilidade democrática do País. "É preciso tomar cuidado com as facetas que se impõe como democracia. O perigo pode vir de qualquer setor, inclusive de baixo. Aliás, ao longo da história este perigo vem de baixo e não de quem está no topo", considerou.

Questionado sobre o Plano Nacional de Direitos Humanos (PNDH), apresentado pelo governo Lula, ele foi enfático ao dizer "Este modelo não vai passar. Quem acha que tem a chave para tudo acaba impondo. Não se pode ser a favor dos Direitos Humanos aqui e se ser contrário em Cuba. Estamos tratando de valores universais que não podem ser manipulados em prol de interesses políticos", contrariou.

Ao analisar o papel do estado em ano eleitoral, FHC apresentou algumas teorias sobre o que caracterizou como velho tema."Não há economia próspera sem um estado competente e bom gestor". Para ele, o problema é definir os limites desta ingerência. "Quando se privilegia determinados agentes e setores, em detrimento de uma politização da questão, há um desserviço ao interesse público", concluiu, antes de deixar o auditório da Pucrs sob os aplausos do público.

Acompanhe a cobertura completa do Fórum:
Dois eventos encaminham o final do Fórum da Liberdade
Estabilidade monetária é principal conquista da gestão, diz Meirelles
Kanitz e Woods divergem sobre o Liberalismo em painel sobre a Inflação
Exposições atagônicas marcam início do 2º dia do Fórum da Liberdade
Primeiro dia de debates destaca a crise e o cenário nacional
Carlos Ghosn defende intervencionismo em momento de crise

COMENTÁRIOS
Nenhum comentário encontrado.

imprimir IMPRIMIR
TEXTOS RELACIONADOS
28º Fórum da Liberdade reuniu empresários, jornalistas e políticos na segunda e na terça, na Pucrs
Fórum termina com brados inflamados contra governo
Kylee Majkowski, de apenas 10 anos, criou a Tomorrow's Lemonade
Jovens empresários evocaram foco para além do lucro ao empreender
Jorge Vasconcelos Sá abordou os princípios da competitividade
Fórum da Liberdade discute as instituições
Painelistas debateram os rumos da América Latina
Debate sobre rumos da América Latina destaca a participação dos jovens na política

 EDIÇÃO IMPRESSA

Clique aqui
para ler a edição
do dia e acessar
o arquivo do JC.


 
para folhear | modo texto