Porto Alegre, sábado, 16 de dezembro de 2017.
PREVISÃO DO TEMPO
PORTO ALEGRE AMANHÃ
AGORA
25°C
34°C
22°C
previsão do tempo
COTAÇÃO DO DÓLAR
em R$ Compra Venda Variação
Comercial 3,3060 3,3080 0,89%
Turismo/SP 3,2300 3,4800 0%
Paralelo/SP 3,2300 3,4800 0%
mais indicadores
Página Inicial | Opinião | Economia | Política | Geral / Internacional | Esportes | Cadernos | Colunas
ASSINE  |  ANUNCIE  | 
» Corrigir
Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.
Nome:
Email:
Mensagem:
110577
Repita o código
neste campo
 
» Indique esta matéria
[FECHAR]
Para enviar essa página a um amigo(a), preencha os campos abaixo:
De:
Email:
Amigo:
Email:
Mensagem:
110577
Repita o código
neste campo
 
 
» Comente esta notícia
[FECHAR]  
  Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.  
  Nome:  
  Email:    
  Cidade:    
  Comentário:    
500 caracteres restantes
 
Autorizo a publicação deste comentário na edição impressa.
 
110577
Repita o código
neste campo
 
 
imprimir IMPRIMIR

Água Notícia da edição impressa de 23/03/2010

Amyra afirma que Brasil é rico pelos recursos hídricos que tem

Economista prega o debate acerca de mudanças nos sistemas econômico e político

Juliano Tatsch

Fredy Vieira/JC
Amyra alerta para eminentes conflitos no continente
Amyra alerta para eminentes conflitos no continente

O Brasil é um país que não tem problemas em relação à água. Possui mananciais em abundância. Com exceção das regiões do agreste nordestino, que sofrem com a seca, toda a população tem acesso à água.

Essa é a ideia mais presente nas cabeças dos brasileiros quando se fala no assunto. Na prática, porém, a situação não é tão tranquila assim. Foi sobre o futuro da água e sobre as garantias para que ela seja utilizada por todos e não somente por poucos que a economista e fundadora do Projeto Bolsa Brasileira de Commodities Ambientais e da Aliança Redes de Cooperação Comunitária Sem Fronteiras (RECOs), Amyra El Khalili, falou ontem na conferência Água para a Guerra - Água para Paz, que abriu o Fórum Internacional de Gestão Ambiental - Água, o Grande Desafio, realizado no Centro de eventos do Hotel Plaza São Rafael, em Porto Alegre.

"Nós temos no Brasil as nossas guerras, os nossos conflitos pela água. A água sempre foi objeto de disputa política, no Nordeste se troca água por votos. Já temos uma lista de mártires da causa no Brasil e na América Latina. Pessoas morreram defendendo as bacias hidrográficas. Temos de preservar essa nossa riqueza. O Brasil não é rico porque tem pré-sal, é rico porque tem água", afirmou.

Segundo ela, questões econômicas são o ponto nevrálgico dos temas que envolvem a preservação da água. "Convivemos com uma guerra intestina, mas silenciosa, em pequenos focos espalhados pelo continente que, se não estivermos preparados para novos enfrentamentos econômicos e políticos, podem eclodir a qualquer momento em um emaranhado de ações e convulsões sociais."

Para Amyra, sustentabilidade, palavra tão em moda, representa novos desafios, dentre eles o de fazer valer a ética nas macrorrelações econômicas, fator determinante entre a guerra e a paz. "A OEA já fez uma previsão de que daqui a 30 anos um barril de água custará mais carpo do que um de petróleo. Petróleo não é renovável, mas é substituível. A água não é substituível. Hoje o grande temor dos ambientalistas é a comoditização da água, de ela passar a ser cotada nas bolsas de valores. Isso seria uma tragédia. A água é um bem difuso, de todos. Hoje, entretanto, ela já foi comoditizada. Uma comodity é uma mercadoria padronizada para compra e venda. O que é aquilo que vemos engarrafado nas prateleiras dos supermercados, água mineral? A água não está sendo vendida na bolsa ainda, mas já há um mercado", enfatizou.

Para a pesquisadora, os destinos econômicos de uma nação estão intimamente ligados ao modo como a água é tratada por esse país. "No Uruguai foi feito um plebiscito para desprivatizar a água. Nenhum povo é soberano quando outro povo ou alguma organização controla a água que ele vai beber", disse. A economista defende que, para se ter um real desenvolvimento sustentável, é preciso que haja uma mudança no sistema econômico.

"Transformações de posturas e comportamentos por parte da sociedade envolvem um profundo debate sobre consumo pró-ativo, consciência ecológica e ambiental, que aliados à discussão em políticas públicas exigem reformas tributárias e fiscais consideráveis, bem como uma rigorosa regulamentação do sistema financeiro, para que ele se adapte a todas estas condições", ressalta.

COMENTÁRIOS
Lea Correa Pinto - 26/03/2010 - 22h17
[201000326 Terræ Registra] CARTA DE PORTO ALEGRE: Conclusões do Figa 2010 e álbum de fotos pela ONU-Agua com registros de ações da cidadania globais pela Água inclusas aquelas em prol da Bacia do Caçador- SP, com depoimento de Amyra El Khalili . Att., Léa Corrêa Pinto Acesse os Links: ONU- AGUA : http://www.unwater.org/worldwaterday/flash/g5/gallery1.html, Depoimento Amyra El Khalili : http://s.lourencinho.sites.uol.com.br/2010wwd/Amyra.htm Slide Show Águas Bacia do Caçador , Florestas , Serra e Cidadania : http://network.earthday.net/photo/photo/slideshow?albumId=1734264:Album:99644 --------------------------------------------------------------------------------

imprimir IMPRIMIR

 EDIÇÃO IMPRESSA

Clique aqui
para ler a edição
do dia e acessar
o arquivo do JC.


 
para folhear | modo texto