Porto Alegre, domingo, 23 de novembro de 2014. Atualizado às 14h26.
PREVISÃO DO TEMPO
PORTO ALEGRE AMANHÃ
AGORA
26°C
34°C
18°C
previsão do tempo
COTAÇÃO DO DÓLAR
em R$ Compra Venda Variação
Comercial 2,5200 2,5220 0,90%
Turismo/SP 2,4300 2,7300 0,72%
Paralelo/SP 2,4400 2,7400 0,72%
mais indicadores
Página Inicial | Opinião | Economia | Política | Geral / Internacional | Esportes | Cadernos | Colunas
ASSINE  |  ANUNCIE  |  ATENDIMENTO ONLINE
» Corrigir
Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.
Nome:
Email:
Mensagem:
» Indique esta matéria
[FECHAR]
Para enviar essa página a um amigo(a), preencha os campos abaixo:
De:
Email:
Amigo:
Email:
Mensagem:
 
» Comente esta notícia
[FECHAR]  
  Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.  
  Nome:  
  Email:    
  Cidade:    
  Comentário:    
500 caracteres restantes
 
Autorizo a publicação deste comentário na edição impressa.
 
379246
Repita o código
neste campo
 
 
COMENTAR CORRIGIR ENVIAR imprimir IMPRIMIR
Tecnologia da Informação Maurício Renner
mauricio@baguete.com.br

Tecnologia da Informação

Coluna publicada em 01/03/2010

Um exemplo de superação

Arquivo pessoal/Divulgação/JC

Três perguntas e três respostas com Guilherme Finotti, jovem com paralisia cerebral aprovado em Sistemas na Feevale.

1 - O Inep te impediu de fazer o Enem, por quê?

Guilherme Finotti – Devido à minha deficiência motora, fui alfabetizado com um computador adaptado com uma máscara de teclado e um mouse especial. O Inep me impediu de fazer o Enem com o equipamento, afirmando que outros candidatos poderiam dizer que houve fraude e entrar na Justiça para cancelar o exame. A alegação é que o Enem poderia ser cancelado, sem tempo para fazer outra prova, e eu prejudicaria mais de quatro milhões de inscritos. O Inep me proibiu mesmo com a possibilidade de o equipamento ser todo do próprio instituto.

2 -  E como tu conseguiste autorização para realizar o exame?

Finotti - Depois de meses em contato com o Inep em Brasília e várias negativas, meus pais tiveram de entrar na Justiça, através do Ministério Público e, posteriormente, com um advogado. Na semana do exame conseguimos liminar garantindo a realização da prova com o equipamento, mas com a exigência do instituto de que eu seria acompanhado por um representante da escola, dois professores do instituto, dois agentes da polícia federal e um funcionário da concessionária que aplicou o exame. O equipamento e a sala foram cedidos pela escola de aplicação básica da Feevale, e o computador foi vistoriado e formatado especificamente para a prova. Houve um forte esquema de segurança.

3 - E depois de vencer esta batalha, quais são teus projetos futuros?

Finotti - Agora que consegui realizar a prova do Enem e tirei uma boa nota, o que garantiu uma bolsa na faculdade pelo Prouni, o meu plano é trabalhar na profissão que escolhi, que é Sistemas para Internet, na qual já tenho formação técnica. Mais tarde pretendo fazer especializações, como doutorado, por exemplo. Também sonho em fazer um PHD na minha área. Pretendo me tornar um grande profissional, este é o meu maior sonho e objetivo daqui para frente.

O polêmico Professor Digital

Está instaurada a pendenga judicial em torno do Professor Digital, programa de venda de notebooks subsidiados para professores do governo estadual. Com 32 mil docentes já envolvidos - o projeto visa a atingir até 80 mil - a iniciativa vai dar o que falar. A Associação Software Livre e o BrOffice impugnaram o edital na Justiça, alegando que ele favorece a Microsoft. O governo diz que não. A discussão deve durar até o final do ano, tirando o doce da boca de Yeda Crusius em plena campanha eleitoral e enfurecendo milhares de professores. Mesmo que ganhem na Justiça, as ONGs perdem junto ao público.

Contratações de TI em alta

Uma pesquisa da Produtive Outplacement e Planejamento de Carreira aponta que em janeiro o nível de admissões na tecnologia cresceu 25% sobre o mesmo mês do ano passado. Além disso, o tempo médio de recolocação de executivos caiu de oito meses para quatro a seis meses. Na avaliação da consultoria, o cenário é produto da recomposição dos quadros após a crise e o aumento real de 10% nas posições, com abertura de novas vagas ou funções.

RH pelo youtube

A influência da web 2.0 sobre as novas gerações já altera o cotidiano mesmo aqui, em Porto Alegre. Na Dynamo, agência especializada em posicionamento em site de busca com todos os atributos moderninhos característicos do segmento, abriu duas vagas para atendimento nas quais os candidatos podem mandar seu currículo por meio de um link no youtube, além dos mecanismos tradicionais: http://bit.ly/atZn1D.

Social

na Scheffel, da Datadrome, foi escolhida IT Hero da Microsoft por um projeto de interoperabilidade no projeto Servidor Exchange Corporativo.

Agenda

04/03 - Café COM Internet: Palestras sobre e-commerce, conteúdo gerado pelo consumidor e outros temas. Das 14h às 18h, na Federasul. Dois litros de leite garantem a participação. Inscrições: http://bit.ly/ak9DBY.

09/03 - Android: Desenvolvimento de soluções com o Android é tema de palestra na TargetTrust (São Francisco da Califórnia, 23), das 19h às 22h. Um quilo de alimento. Inscrições: eventos@targettrust.com.br

Mercado de trabalho

• ADPLabs - Programador Pleno: Superior completo ou cursando na área de TI, inglês avançado, plena atuação em projetos com Java/J2EE, Hibernate e Struts. Desejável Websphere App Server, MQ Server, Oracle, JSF e Ajax. CVs: rhadplabs@adp.com

•  ECS - Desenvolvedor .Net/SharePoint: Sharepoint, SQL-Server e .Net (VB.NET;C#), Framework 3.5, Web parts, ASP e Javascript. CVs: easyrh@hotmail.com.

Sobe: Geração Y

Está com tudo a gurizada de 20 e poucos anos. Até a conservadora Febraban resolveu criar um prêmio para as ideias dos chamados Ys sobre o banco do futuro.

Desce: Telebrás

O discurso de reativar a estatal para fornecer serviços de banda larga só serviu para valorizar as ações da mesma. O pior é que no final, esse pode ser o único efeito.

COMENTÁRIOS
Deixe seu comentário sobre este texto.

DEIXE SEU COMENTÁRIO CORRIGIR ENVIAR imprimir IMPRIMIR
COLUNAS ANTERIORES
Crescimento em tempos difíceis Dell, um ano depois BITS 2015 de cara nova SAS de olho nas pequenas

 EDIÇÃO IMPRESSA

Clique aqui
para ler a edição
do dia e as edições
dos últimos
5 anos do JC.


 
para folhear | modo texto