Porto Alegre, segunda-feira, 21 de agosto de 2017.
PREVISÃO DO TEMPO
PORTO ALEGRE AMANHÃ
AGORA
13°C
25°C
12°C
previsão do tempo
COTAÇÃO DO DÓLAR
em R$ Compra Venda Variação
Comercial 3,1670 3,1690 0,69%
Turismo/SP 3,1500 3,3100 0%
Paralelo/SP 3,1500 3,3100 0%
mais indicadores
Página Inicial | Opinião | Economia | Política | Geral / Internacional | Esportes | Cadernos | Colunas
ASSINE  |  ANUNCIE  | 
» Corrigir
Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.
Nome:
Email:
Mensagem:
161906
Repita o código
neste campo
 
» Indique esta matéria
[FECHAR]
Para enviar essa página a um amigo(a), preencha os campos abaixo:
De:
Email:
Amigo:
Email:
Mensagem:
161906
Repita o código
neste campo
 
 
» Comente esta notícia
[FECHAR]  
  Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.  
  Nome:  
  Email:    
  Cidade:    
  Comentário:    
500 caracteres restantes
 
Autorizo a publicação deste comentário na edição impressa.
 
161906
Repita o código
neste campo
 
 
imprimir IMPRIMIR

INFRAESTRUTURA Notícia da edição impressa de 15/09/2015

Concessões de rodovias devem ter R$ 55 bilhões

Estimativa para cinco anos considera contratos já assinados, sem contar com estradas que passarão ao setor privado

Jefferson Klein, de Brasília

CBR&C BRASVIAS/ DIVULGAÇÃO/JC
Muniz prevê que concessão de mais 6,5 mil quilômetros em dois anos
Muniz prevê que concessão de mais 6,5 mil quilômetros em dois anos

Os recursos aplicados nas rodovias brasileiras concedidas devem dar um salto nos próximos anos. Desde 1995, quando começou o programa de privatizações do setor no País, foram investidos cerca de R$ 43 bilhões. Nos próximos cinco anos, segundo o presidente da Associação Brasileira de Concessionárias de Rodovias (ABCR), Ricardo Pinto Pinheiro, essas estradas absorverão mais aproximadamente R$ 55 bilhões em melhorias.

O dirigente salienta que esse número envolve apenas os contratos já celebrados. "Se não acontecer absolutamente nada daqui para frente, as concessões que foram lançadas na última etapa do Programa de Investimento em Logística (PIL) levarão para a economia R$ 55 bilhões", reitera. Pinheiro enfatiza que há muito espaço para crescer nessa área, pois há mais de 200 mil quilômetros rodoviários no Brasil e somente cerca de 20 mil quilômetros são concedidos.

Uma forma de acelerar esse processo, conforme o dirigente, é o desenvolvimento de Parcerias Público-Privadas (PPP). A respeito das dificuldades enfrentadas atualmente no cenário nacional, o presidente da ABCR diz que o debate é importante para a busca de soluções, mas recorda que, para as concessionárias de rodovias, há 20 anos, quando se iniciou o programa de privatizações, o risco Brasil era maior e o marco regulatório do segmento era praticamente inexistente.

Sobre o Rio Grande do Sul, Pinheiro diz que torce para que o governo do Estado lance um novo pacote de concessões de rodovias. O presidente da ABCR considera uma perda de tempo o encerramento desse processo no território gaúcho. O dirigente argumenta que o primeiro fato que se percebe quando termina um contrato de concessão é que, no instante seguinte, faltam recursos para a conservação do trecho. Pinheiro argumenta que é melhor pagar pela manutenção das estradas com os pedágios ao invés de pagar com os impostos, porque assim apenas o usuário do serviço é que arca com o ônus.

Para o governo federal, aponta o secretário do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), Maurício Muniz, as concessões são fundamentais. O dirigente reforça que a quantidade de rodovias concedidas vem crescendo a cada ano. Se entre 2011 a 2014 foram 5,35 mil quilômetros concedidos, para os próximos dois anos a perspectiva é que sejam leiloados mais 6,5 mil quilômetros.

Questionado se o rebaixamento da classificação de risco do Brasil pela Standard & Poor's poderia fazer com que o governo alterasse a taxa interna de retorno (TIR) - no momento em 9,2% - nos próximos leilões de rodovias, Muniz respondeu que o indicador está adequado e se trata apenas de uma referência.

COMENTÁRIOS
Dario - 17/09/2015 - 11h45
Desses 55 bi, uns 30 bi com certeza vão sair do bolso dos gaúchos. Não sou contra o pedágio, seja público, seja privado. O que não consigo digerir são os preços praticados no nosso Estado.

imprimir IMPRIMIR
TEXTOS RELACIONADOS
Expectativa é movimentar mais de 34 milhões de toneladas neste ano
Porto do Rio Grande sente pouco os efeitos da crise
Licitação foi autorizada, disse Westphalen
Edital para dragagem do canal do Sangradouro sai em setembro
Quarta faixa vai da Arena do Grêmio até praça de pedágio de Gravataí
Nova pista da Freeway fica pronta em novembro
Trajeto irá de Coquimbo, localizado no Norte chileno, até Porto Alegre, passando pela Argentina
Chile avança na ideia do Corredor Bioceânico

 EDIÇÃO IMPRESSA

Clique aqui
para ler a edição
do dia e acessar
o arquivo do JC.


 
para folhear | modo texto