Porto Alegre, sábado, 18 de novembro de 2017.
PREVISÃO DO TEMPO
PORTO ALEGRE AMANHÃ
AGORA
20°C
25°C
12°C
previsão do tempo
COTAÇÃO DO DÓLAR
em R$ Compra Venda Variação
Comercial 3,2620 3,2640 0,48%
Turismo/SP 3,1800 3,3900 0%
Paralelo/SP 3,1900 3,4000 0%
mais indicadores
Página Inicial | Opinião | Economia | Política | Geral / Internacional | Esportes | Cadernos | Colunas
ASSINE  |  ANUNCIE  | 
» Corrigir
Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.
Nome:
Email:
Mensagem:
128374
Repita o código
neste campo
 
» Indique esta matéria
[FECHAR]
Para enviar essa página a um amigo(a), preencha os campos abaixo:
De:
Email:
Amigo:
Email:
Mensagem:
128374
Repita o código
neste campo
 
 
» Comente esta notícia
[FECHAR]  
  Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.  
  Nome:  
  Email:    
  Cidade:    
  Comentário:    
500 caracteres restantes
 
Autorizo a publicação deste comentário na edição impressa.
 
128374
Repita o código
neste campo
 
 
imprimir IMPRIMIR

Empresas 10/01/2010 - 19h52min

Heineken pode comprar operações de cerveja da Femsa por US$ 8 bi

A cervejaria holandesa Heineken está perto de fechar um acordo para comprar as operações de cerveja da Femsa por quase US$ 8 bilhões, segundo o Wall Street Journal, que citou pessoas próximas ao assunto. Esse seria um final surpreendente para o leilão da cervejaria mexicana e daria continuidade à consolidação do setor.

A Heineken emergiu como o provável comprador dos negócios da Femsa depois que a britânica SABMiller, considerada por muitos como a líder na disputa, abandonou o leilão. Um acordo pode ser anunciado já nesta semana, embora a situação possa mudar e não haja garantia de que a Heineken vai alcançá-lo.

A compra da unidade de cerveja da Femsa daria à Heineken uma grande fatia no México, um dos mercados de cerveja mais lucrativos do mundo. Também levaria a empresa a uma concorrência mais próxima com a Anheuser-Busch InBev no México e no Brasil. Além disso, a Heineken teria oportunidades para crescer nos EUA, onde as marcas Tecate e Dos Equis, da Femsa, têm fortes vendas. A Heineken é o importador exclusivo das marcas da Femsa nos EUA, sob um acordo de longo prazo.

A Femsa, que surgiu em 1890 em Monterrey, no México, é composta por três negócios: refrigerantes, cervejas e varejo. As operações de cerveja geram quase US$ 4 bilhões em vendas anuais. A Coca-Cola Femsa, unidade da companhia mexicana, é a maior engarrafadora da Coca-Cola na América Latina em volume de vendas.

Uma onda de consolidação no mercado global de cerveja que culminou em novembro de 2008, com a compra da norte-americana Anheuser-Busch pela belgo-brasileira InBev por US$ 52 bilhões, pressionou cervejarias menores a encontrar compradores maiores. A Femsa controla quase metade do mercado de cerveja do México, atrás apenas no Grupo Modelo, que é parcialmente controlado pela AB InBev. As informações são da Dow Jones.

COMENTÁRIOS
Nenhum comentário encontrado.

imprimir IMPRIMIR
TEXTOS RELACIONADOS
Empresas de internet faturaram R$ 120,5 bilhões em 2014, aponta estudo da Abranet
Segundo o estudo, faturamento do setor representa 1,45% dos R$ 8,28 trilhões de faturamento de todas as empresas brasileiras
Órgão regulador dos EUA diz que francesa Total manipulou mercado de gás natural
A Comissão Regulatória de Energia dos EUA acusou a petroleira francesa Total de manipular o preço do gás natural no sul do país entre junho de 2009 e junho de 2012
Multinacionais devem ter piores resultados no Brasil em mais de uma década
De fato, mais de uma em cada cinco empresas que integram o S&P 500 citaram o desempenho do Brasil em suas teleconferências mais recentes sobre resultados trimestrais
Volkswagen pede desculpas por violação de regras de poluição
A agência disse que software fez com que cerca de 482 mil carros a diesel parecessem emitir menos gás do que fato faziam ao ser testados

 EDIÇÃO IMPRESSA

Clique aqui
para ler a edição
do dia e acessar
o arquivo do JC.


 
para folhear | modo texto