Porto Alegre, terça-feira, 17 de outubro de 2017.
PREVISÃO DO TEMPO
PORTO ALEGRE AMANHÃ
AGORA
30°C
35°C
20°C
previsão do tempo
COTAÇÃO DO DÓLAR
em R$ Compra Venda Variação
Comercial 3,1700 3,1720 0,06%
Turismo/SP 3,1400 3,3200 0,60%
Paralelo/SP 3,1400 3,3200 0,60%
mais indicadores
Página Inicial | Opinião | Economia | Política | Geral / Internacional | Esportes | Cadernos | Colunas
ASSINE  |  ANUNCIE  | 
» Corrigir
Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.
Nome:
Email:
Mensagem:
570366
Repita o código
neste campo
 
» Indique esta matéria
[FECHAR]
Para enviar essa página a um amigo(a), preencha os campos abaixo:
De:
Email:
Amigo:
Email:
Mensagem:
570366
Repita o código
neste campo
 
 
» Comente esta notícia
[FECHAR]  
  Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.  
  Nome:  
  Email:    
  Cidade:    
  Comentário:    
500 caracteres restantes
 
Autorizo a publicação deste comentário na edição impressa.
 
570366
Repita o código
neste campo
 
 
imprimir IMPRIMIR
Conexão Política Adão Oliveira
adaooliveira@hotmail.com

Conexão Política

Coluna publicada em 15/04/2014

PTB versus PSB

Guilherme Kolling, interino

O governador Tarso Genro (PT) teve baixas ao longo do seu governo. Dois partidos que integraram sua base aliada deixaram de apoiá-lo: PSB e PDT. Ainda assim, o petista larga com o respaldo de um número maior de partidos na sua campanha à reeleição: seis siglas estiveram ao seu lado no lançamento da pré-candidatura ao Piratini no sábado passado: PT, PCdoB, PTB, PR, PRB e PPL.

Em 2010, a coligação de Tarso teve quatro legendas. Há uma vantagem quantitativa, sem dúvidas. Mas, em política, nem sempre 2 + 2 = 4. Quero dizer que o número de legendas pode agregar tempo de TV e estrutura partidária, mas não necessariamente significa mais votos.

A questão é que a coalizão de Tarso não passou por uma simples operação de soma, houve uma perda em relação ao pleito passado: PT, PCdoB e PR seguem com Tarso, mas o PSB não irá apoiar o petista.

O que aconteceu, portanto, foi a substituição do PSB, que indicou o vice-governador Beto Grill, por PTB, PRB e PPL. Cabe observar que o PPL já estava com Tarso em 2010, mas o partido ainda não havia sido oficializado.

E o PRB, embora tenha uma expressiva bancada na Câmara dos Deputados – o que significa mais espaço na propaganda eleitoral de rádio e TV –, no Rio Grande do Sul, ainda é um partido pequeno, elegeu apenas um deputado estadual, nenhum federal.

Desta forma, o mais importante é avaliar se a substituição do PSB pelo PTB agrega ou subtrai de Tarso, até porque devem ser os petebistas que vão indicar o companheiro de chapa em 2014.

O governador encara a mudança como positiva, observa, por exemplo, que o PTB é um partido maior e com mais capilaridade no Rio Grande do Sul do que o PSB. Além disso, conta com mais parlamentares. São cinco deputados estaduais petebistas – eram seis, mas Cassiá Carpes foi para o Solidariedade – contra três do PSB. E dois deputados federais do PTB – aí também houve uma migração, eram três, mas Danrlei de Deus foi para o PSD – contra três do PSB.

Mais uma vez, a quantidade favorece Tarso. Mas, eleitoralmente, não é possível dizer que é uma vantagem a troca do PSB pelo PTB. Até porque o nome dos sonhos para ser candidato a vice-governador, o ex-senador Sérgio Zambiasi (PTB), já declinou o convite para disputar a eleição deste ano.

Comunicador popular, Zambiasi agregaria votos a Tarso. Mas prefere se manter no comando do seu programa na Rádio Farroupilha. Ao que tudo indica, terá uma participação discreta na campanha.

Além disso, o PTB sofre o desgaste de um partido que, nos últimos anos, teve filiados exercendo cargos públicos que foram alvo de denúncias de irregularidades em Porto Alegre e no Rio Grande do Sul.

Isso sem falar na questão da identidade política e programática. Reparem: o PTB está com Tarso Genro desde 2011, mas antes integrou a administração Yeda Crusius (PSDB, 2007-2010) e o governo Germano Rigotto (PMDB, 2003-2006). Assim, seu protagonismo na campanha de Tarso pode, inclusive, enfraquecer eventuais comparações do modo petista de comandar o Estado com as gestões anteriores.

E mais: o PSB foi um aliado fiel do PT nas últimas décadas em eleições pelo governo do Estado e presidência da República. O PTB, ao contrário, não fez coligações sistemáticas com PT de Tarso. Em 2010, por exemplo, optou por uma aliança com o DEM, partido que está no campo oposto ao PT.

Cabem questionamentos: o histórico dos partidos não influencia a votação? Petistas de carteirinha e o eleitorado mais simpático à esquerda prefere apoiar um candidato coligado com o PSB ou com o PTB? A crença na aliança e o empenho desses militantes na campanha serão os mesmos?

Enfim, perguntas que demonstram que uma aliança mais vantajosa em termos de estrutura partidária e tempo de TV pode não significar necessariamente mais votos.

COMENTÁRIOS
Sergio - 15/04/2014 - 13h00
Estamos de luto!


Leonardo Ribeiro -
15/04/2014 - 21h26
Muito obrigado por sua missão, que Deus abençoe lhe abençoe na nova jornada!!!

imprimir IMPRIMIR
COLUNAS ANTERIORES
Perda de um amigo e jornalista exemplar O recado do “guardião”
Após longo impasse, comissões aprovaram relatório do senador Luiz Henrique sobre o projeto de lei que estabelece novo indexador para as dívidas dos estados com a União
Cristãos novos do PDT
Depois de 20 anos, o PDT volta a ter reais chances de vencer uma disputa majoritária estadual
Economia preocupa PT

 EDIÇÃO IMPRESSA

Clique aqui
para ler a edição
do dia e acessar
o arquivo do JC.


 
para folhear | modo texto