Porto Alegre, segunda-feira, 25 de setembro de 2017.
PREVISÃO DO TEMPO
PORTO ALEGRE AMANHÃ
AGORA
18°C
30°C
17°C
previsão do tempo
COTAÇÃO DO DÓLAR
em R$ Compra Venda Variação
Comercial 3,1280 3,1300 0,03%
Turismo/SP 3,1100 3,2700 0,30%
Paralelo/SP 3,1100 3,2700 0,30%
mais indicadores
Página Inicial | Opinião | Economia | Política | Geral / Internacional | Esportes | Cadernos | Colunas
ASSINE  |  ANUNCIE  | 
» Corrigir
Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.
Nome:
Email:
Mensagem:
189269
Repita o código
neste campo
 
» Indique esta matéria
[FECHAR]
Para enviar essa página a um amigo(a), preencha os campos abaixo:
De:
Email:
Amigo:
Email:
Mensagem:
189269
Repita o código
neste campo
 
 
» Comente esta notícia
[FECHAR]  
  Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.  
  Nome:  
  Email:    
  Cidade:    
  Comentário:    
500 caracteres restantes
 
Autorizo a publicação deste comentário na edição impressa.
 
189269
Repita o código
neste campo
 
 
imprimir IMPRIMIR

ARTIGO Notícia da edição impressa de 18/02/2014

Opinião Econômica - Fumaça e fogo

Ao banir a venda de cigarros, a rede de farmácias CVS abriu mão de bilhões; mas deu passo na direção certa

Nizan Guanaes

FOLHAPRESS/JC
Nizan Guanaes publicitário e presidente do Grupo ABC
Nizan Guanaes publicitário e presidente do Grupo ABC

A decisão da rede de farmácias americana CVS Caremark de não vender mais cigarros em suas 7.600 unidades espalhadas pelos EUA a partir de outubro acendeu um debate importante sobre o novo papel das empresas no mundo que estamos construindo.

As empresas agora ganham dinheiro com o que elas fazem e também com o que elas não fazem. É fundamental ter uma mentalidade moderna, contemporânea. Cuidar de toda a cadeia de produção e de toda a cadeia de consumo como etapas fundamentais da sua atividade. Como seu produto é descartado pode ser tão importante quanto como ele é fabricado.

A CVS, ao banir os cigarros de suas lojas, abriu mão de receitas estimadas em até US$ 2 bilhões por ano declaradamente em nome da saúde de seus clientes.

“Temos cerca de 26 mil farmacêuticos e enfermeiras ajudando nossos clientes a lidar com problemas crônicos como pressão alta e doenças cardíacas, todos eles ligados ao hábito de fumar”, disse Larry Merlo, presidente-executivo da CVS.

“Encerrar as vendas de cigarros em nossas lojas é o correto para os nossos clientes e para a nossa companhia. A venda de cigarros não combina com os nossos propósitos”, completou o líder da CVS, uma empresa listada na Bolsa de Valores de Nova Iorque.

Onde não há fumaça, há fogo. Nos dias seguintes ao anúncio da perda bilionária de receita, as ações da companhia subiram cerca de 5%.

Existe também uma explicação de posicionamento nessa movimentação. A CVS quer evoluir de uma rede de lojas de varejo com foco em saúde para uma rede de miniclínicas de saúde e beleza, modelo que considera mais atraente para o futuro dos seus negócios. Como explicou outro executivo da empresa, em conferência com analistas de mercado, a decisão de banir a venda de cigarros é uma forma de aumentar a conexão com os consumidores e fomentar sua lealdade à marca CVS.

Os puros de sempre dirão que isso tudo é puro marketing. Estão de certo modo certos. E essa é a grande beleza. Que bom que o bom marketing hoje signifique também eliminar a venda de produtos lucrativos para a companhia, mas danosos à comunidade.

O Google, ícone da nossa era, tem como lema informal “don’t be evil” (não seja mau), embora, claro, seus concorrentes discordem. Cada vez mais e mais empresas entendem seu papel social e o exercem de forma transformadora dentro dos seus limites.

As empresas serão sempre empresas. Não são, nem podem ser ONGs. Elas têm compromissos com seus acionistas e precisam dar bom retorno ao capital nelas aplicado. Essa é sua primeira missão e também a sua força matriz.

Mas tenho falado constantemente nesta coluna sobre a necessidade de as empresas buscarem, além do lucro líquido, o orgulho líquido. Se, contabilizado o lucro líquido, não sobrar orgulho líquido, no futuro pode não sobrar nada. E criar orgulho é muito mais difícil do que criar lucro.

A decisão da gigante de farmácias norte-americana de banir os cigarros em suas lojas e assumir perda de bilhões em vendas é um marco nessa direção de mão única para as empresas prosperarem no século 21.

O desafio dos melhores lucros dentro das melhores práticas vai impulsionar empresas e inovações. Como tudo e todos, a publicidade também está sendo chamada às suas responsabilidades. E o que me anima muito é que o novo marketing é o instrumento talhado para acessar, liberar e conduzir o potencial social natural que existe em toda empresa.

Tanto que o gesto da CVS teve enorme repercussão. Foi saudado por autoridades médicas e lideranças políticas. Até o presidente Barack Obama fez questão de elogiar:

“Como uma das principais redes de varejo e de farmácias da América, a CVS dá um exemplo formidável. Essa decisão ajudará nos esforços para reduzir mortes relacionadas ao fumo, ao câncer e às doenças do coração, assim como reduzirá os gastos com saúde”, disse comunicado do presidente, divulgado no mesmo dia do anúncio da empresa.

O elogio presidencial pode ter custado US$ 2 bilhões à CVS, mas eu tenho a impressão de que valeu cada centavo.

Publicitário e presidente do Grupo ABC

COMENTÁRIOS
Luiz Carlos Pauli - 19/02/2014 - 10h57
Abram o olho com essa gent anti tabaco, essa gente que quer restrições ao cigarro. Abram bem o olho,fiquem alertas. Voces estão se iludindo. As tentativas sistemáticas de tornar o ser humano virtuoso sempre desaguaram em tirania e opressão, quantos crimes já se cometeram na história na pretensão de transformar os homens melhores isentos de vicios? abram o olho, repito, abram bem o olho com essas idéia anti tabagistas, pois as liberdades estão indo para o espaço. Ainda há tempo de contestar.


Paulo César Machado -
19/02/2014 - 11h29
Não tenho simpatia por pessoas e ou entidades que querem privar o cidadão de fumar. Deixo uma frase de HAMMED, para reflexão..'COMPORTAMENTO COMO A CRITICA MORALISTA, O DESEJO DE REFORMAR OS OUTROS E O CONTROLE DO QUE SE DEVE OU NÃO FAZER, REVELAM OS TRAÇOS DE CARÁTER DOS INDIVIDUOS ORGULHOSOS E AINDA DISTÂNCIADOS DA AUTÊNTICA COOPERAÇÃO NO PROCESSO DE EVOLUÇÃO, QUE NÃOS OS DEIXAM PERCEBER O QUE OCORRE NA INTIMIDADE DAS CRIATURAS". Pronto, falei....


Claudio D'Amato -
19/02/2014 - 12h37
Mas, eu, que sou fumante e não reconheço que o cigarro seja esse veneno que a mídia divulga, BOICOTO esta rede CVS. Os fumantes deveriam fazer o mesmo, assim como boicotar os locais onde não se pode fumar, como bares fechados. Sugiro: Vamos fazer um isoporzinho dos fumantes. Também sugiro boicote a shopping centers, mas vamos fazer rolêzinho nas tabacarias deles. Que seja o único estabelecimento onde gastamos nosso dinheiro. Se os fumantes REAGISSEM, esta situação não estaria como está.


Elaine Falco -
19/02/2014 - 16h03
Mas DU-VI-DO que a empresa em questão tenha arcado com o anunciado prejuízo, "em-nome-da-saúde-dos-clientes". O que se esconde por trás deste propalado "bom-mocismo"? Boa pergunta.

imprimir IMPRIMIR
TEXTOS RELACIONADOS
Delfim é economista, ex-deputado federal e ex-ministro da Fazenda, do Planejamento e da Agricultura
Opinião economica: Dificuldades
Benjamin Steinbruch é diretor-presidente da CSN e presidente do conselho de administração da empresa
Opinião economica: Exportar
Delfim é economista, ex-deputado federal e ex-ministro da Fazenda, do Planejamento e da Agricultura
Opinião economica: Simples assim
Nizan Guanaes é publicitário e presidente do Grupo ABC
Opinião econômica: Eu sou ‘investment grade’

 EDIÇÃO IMPRESSA

Clique aqui
para ler a edição
do dia e acessar
o arquivo do JC.


 
para folhear | modo texto