Porto Alegre, quarta-feira, 22 de novembro de 2017.
PREVISÃO DO TEMPO
PORTO ALEGRE AMANHÃ
AGORA
20°C
28°C
16°C
previsão do tempo
COTAÇÃO DO DÓLAR
em R$ Compra Venda Variação
Comercial 3,2500 3,2520 0,36%
Turismo/SP 3,1600 3,3800 0,29%
Paralelo/SP 3,1700 3,3900 0,29%
mais indicadores
Página Inicial | Opinião | Economia | Política | Geral / Internacional | Esportes | Cadernos | Colunas
ASSINE  |  ANUNCIE  | 
» Corrigir
Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.
Nome:
Email:
Mensagem:
122003
Repita o código
neste campo
 
» Indique esta matéria
[FECHAR]
Para enviar essa página a um amigo(a), preencha os campos abaixo:
De:
Email:
Amigo:
Email:
Mensagem:
122003
Repita o código
neste campo
 
 
» Comente esta notícia
[FECHAR]  
  Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.  
  Nome:  
  Email:    
  Cidade:    
  Comentário:    
500 caracteres restantes
 
Autorizo a publicação deste comentário na edição impressa.
 
122003
Repita o código
neste campo
 
 
imprimir IMPRIMIR

artigo Notícia da edição impressa de 05/02/2014

Greve, pra que te quero?

Fábio Ostermann

A Copa do Mundo que se aproxima trará os olhares do mundo para o Brasil nos próximos meses. Nossos políticos, especialmente em âmbito federal, sabem muito bem que um fracasso em manter a ordem durante esse período manchará a imagem do País e poderá trazer grande abalo nas eleições de outubro.

Diante dessa “sensibilidade” adicional da classe política brasileira, começa a se formar um cenário perigoso: ao que tudo indica, em 2014 veremos batidos todos os recordes de greves país afora. A greve dos rodoviários em Porto Alegre é apenas mais um exemplo desse fenômeno.

Sindicatos ligados ao serviço público ou a setores com alto grau de interferência política (caso dos rodoviários) já se aproveitam do fato de não terem um patrão a sentir sozinho o peso de suas demandas, como é o caso no setor privado. Políticos avaliam o custo de algo não em termos financeiros (como todos nós), mas sim em capital político.

As greves que estão ocorrendo agora prenunciam um ano turbulento. O governo federal, ao que tudo indica, usará recursos de que não dispõe para (tentar) apaziguar grupos de pressão que historicamente o apoiaram, mas dos quais se tornou refém ao longo dos últimos 11 anos.

A nós caberá, como de costume, pagar a conta. Mas podemos virar o jogo dando o recado aos nossos governantes, esses mesmos que não aproveitaram os bons ventos internacionais e os altos índices de aprovação popular e apoio do Congresso para realizar as reformas necessárias à sustentabilidade fiscal e institucional do Estado.

O modelo de inchaço estatal e cooptação de grupos de pressão dotados de interesses específicos, que tem levado tantos países mundo afora a crises econômicas, precisa ser reformado urgentemente no Brasil. Caso contrário, nosso futuro estará não “entre a cruz e a espada”, mas entre o caos e a falência.

Cientista político e conselheiro fiscal do IEE

COMENTÁRIOS
Luana Borges da Silveira - 05/02/2014 - 11h20
É bom o teu artigo, Fábio! Só estou surpresa que assinastes como Cientista Político?Qual foi a parte dessa graduação ou formação que eu perdi? Abraços, Luana


Luana Borges da Silveira -
05/02/2014 - 11h20
É bom o teu artigo, Fábio! Só estou surpresa que assinastes como Cientista Político?Qual foi a parte dessa graduação ou formação que eu perdi? Abraços, Luana

imprimir IMPRIMIR
TEXTOS RELACIONADOS
Acorda, Brasil
A maré da indignação nacional, por força de suas vertentes naturais, rompeu os diques da tolerância popular e se espraiou com a violência de um tufão
O Dia Mundial do Turismo no Rio Grande
Domingo, dia 27 de setembro, será comemorado o "Dia Mundial do Turismo no Rio Grande do Sul"
Dilma: pague a compensação da Lei Kandir
Aprovada em 1996, a lei federal isenta o ICMS de produtos e serviços para exportação
Fusões & Aquisições, oportunidade e risco
Quatro vezes um é igual a um! Essa é ainda a matemática feita pelo investidor estrangeiro em relação ao Brasil

 EDIÇÃO IMPRESSA

Clique aqui
para ler a edição
do dia e acessar
o arquivo do JC.


 
para folhear | modo texto