Porto Alegre, sábado, 02 de agosto de 2014. Atualizado às 21h27.
PREVISÃO DO TEMPO
PORTO ALEGRE AMANHÃ
AGORA
18°C
27°C
21°C
previsão do tempo
COTAÇÃO DO DÓLAR
em R$ Compra Venda Variação
Comercial 2,2580 2,2600 0,65%
Turismo/SP 2,0600 2,4600 0,81%
Paralelo/SP 2,0700 2,4600 0,40%
mais indicadores
Página Inicial | Opinião | Economia | Política | Geral / Internacional | Esportes | Cadernos | Colunas
ASSINE  |  ANUNCIE
» Corrigir
Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.
Nome:
Email:
Mensagem:
» Indique esta matéria
[FECHAR]
Para enviar essa página a um amigo(a), preencha os campos abaixo:
De:
Email:
Amigo:
Email:
Mensagem:
 
» Comente esta notícia
[FECHAR]  
  Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.  
  Nome:  
  Email:    
  Cidade:    
  Comentário:    
500 caracteres restantes
 
Autorizo a publicação deste comentário na edição impressa.
 
157001
Repita o código
neste campo
 
 
COMENTAR CORRIGIR ENVIAR imprimir IMPRIMIR

Inadimplência 30/01/2014 - 14h13min

Inadimplência deve manter nível de 2013, prevê Boa Vista

A taxa de inadimplência para pessoas físicas em 2014 deve manter os níveis do ano passado, na avaliação do economista da Boa Vista Serviços, administradora do Serviço Central de Proteção ao Crédito (SCPC), Flávio Calife. "O Indicador de Risco de Crédito (IRC) do Consumidor, que é um indicador antecedente, aponta estabilidade no início de 2014 e possibilidade de queda da inadimplência no 3º trimestre, mas a nossa expectativa para o fim do ano é de que a inadimplência retorne ao patamar do final de 2013", afirma.

O Banco Central (BC) divulgou ontem que a taxa de inadimplência nos bancos para pessoa física encerrou 2013 em 6,7%. "Trabalhamos com a expectativa de que 2014 deve ter uma taxa em torno de 7%, o que consideramos estabilidade", reforça.

O economista destacou ainda que no ano passado houve uma melhora na inadimplência. O indicador de registro de inadimplentes de pessoas físicas, calculado pela Boa Vista, apresentou um saldo negativo de 0,4% ante 2012, quando o registro havia crescido 4,5%. "As novas safras de crédito concedidas em um contexto mais rigoroso são melhores e a consequência disso é uma taxa menor de registros", explica Fernando Cosenza, diretor de Sustentabilidade da Boa Vista.

De acordo com Cosenza, consumidores mais cautelosos e credores mais seletivos influenciaram também o menor ritmo de crescimento da demanda de crédito e do comércio. "Esperamos que o crédito continue crescendo, mas vai crescer menos do que em anos anteriores", diz. Segundo a Boa Vista, a Demanda por Crédito do Consumidor em 2013 caiu 0,3% na comparação com o ano anterior, quanto o indicador cresceu 7,2%.

Calife destacou que o Movimento do Comércio foi um dos indicadores que apresentaram um desempenho abaixo do esperado no ano passado, quando registrou expansão de 1,9% ante crescimento de 6,9% em 2012 e alta de 7,8% em 2011. "O número vem caindo. O movimento do comércio não está negativo, mas o crescimento está menor", afirma. A estimativa para este ano é manter esse nível ou chegar a algo em torno de 3% de expansão. "Não deve voltar à faixa dos 7%."

Consenza ponderou ainda que a realização da Copa do Mundo não altera muito o cenário projetado para 2014. "Existe uma expectativa de que o comércio seja beneficiado, mas existe também uma incerteza sobre o tamanho desse movimento", ressalva.

COMENTÁRIOS
Deixe seu comentário sobre este texto.

DEIXE SEU COMENTÁRIO CORRIGIR ENVIAR imprimir IMPRIMIR
TEXTOS RELACIONADOS
Endividamento atinge 57,7% das famílias gaúchas em julho
Considerando a média em 12 meses, o endividamento permaneceu praticamente estável, com queda sutil de 57,5% em junho para 57,2% em julho
As dívidas não bancárias apresentaram recuo de 2,3% entre os semestres
Inadimplência cai 1,1% no 1º semestre, diz Serasa
Em junho, após três altas mensais seguidas, a inadimplência caiu 1,4% sobre maio
Renda em desaceleração pode elevar inadimplência, segundo CNC
O Banco Central, contudo, já tem apontado aumento da inadimplência
Endividamento das famílias sobe em julho, mostra CNC
Na comparação com julho de 2013, no entanto, houve queda, já que há um ano 65,2% dos brasileiros estavam nessa condição, de acordo com a Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor

 EDIÇÃO IMPRESSA

Clique aqui
para ler a edição
do dia e as edições
dos últimos
5 anos do JC.


 
para folhear | modo texto