Porto Alegre, sexta-feira, 24 de outubro de 2014. Atualizado às 22h38.
Hoje é Dia das Nações Unidas - ONU.
PREVISÃO DO TEMPO
PORTO ALEGRE AMANHÃ
AGORA
17°C
29°C
18°C
previsão do tempo
COTAÇÃO DO DÓLAR
em R$ Compra Venda Variação
Comercial 2,5100 2,5130 1,29%
Turismo/SP 2,3800 2,6800 0,37%
Paralelo/SP 2,3900 2,6900 0,74%
mais indicadores
Página Inicial | Opinião | Economia | Política | Geral / Internacional | Esportes | Cadernos | Colunas
ASSINE  |  ANUNCIE  |  ATENDIMENTO ONLINE
» Corrigir
Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.
Nome:
Email:
Mensagem:
» Indique esta matéria
[FECHAR]
Para enviar essa página a um amigo(a), preencha os campos abaixo:
De:
Email:
Amigo:
Email:
Mensagem:
 
» Comente esta notícia
[FECHAR]  
  Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.  
  Nome:  
  Email:    
  Cidade:    
  Comentário:    
500 caracteres restantes
 
Autorizo a publicação deste comentário na edição impressa.
 
118415
Repita o código
neste campo
 
 
COMENTAR CORRIGIR ENVIAR imprimir IMPRIMIR

artigo Notícia da edição impressa de 17/01/2014

Sobre os “rolezinhos”

Valter Nagelstein

Marxistas transformam tudo em luta de classe. A tese mais recente envolve os chamados “rolezinhos”. Tal tese, fruto de um raciocínio intelectualmente desonesto, diz que há criminalização de uma manifestação que é somente social. A tese é falsa por duas causas. Primeiro porque pobre, por sê-lo, não está proibido de ir a qualquer lugar, a qualquer shopping inclusive. Segundo porque os tais movimentos (as aglomerações) descambaram, invariavelmente, para a desordem, colocando em risco bens, fruto do trabalho de pessoas, e, mais importante, a segurança de pessoas que estão nesses espaços que são de domínio comum, os shoppings.

Eu que costumo afirmar que existem práticas comerciais que devem ser coibidas e abusos punidos (como os 20 minutos de tolerância nos estacionamentos), lembro que os shoppings centers não representam o mal do capitalismo na sua forma mais perversa, encarnado no consumismo, no luxo, na ostentação, como sustentam uns. O shopping é comércio, atividade tão antiga quanto o homem e a própria vida em sociedade. Nenhuma burocracia nem utopia criadas no século XX conseguiram oferecer alternativa melhor. Valores imateriais tais como a paz pública é que são importantes para que a sociedade viva exatamente em paz.

A visão revolucionária diz o contrário: que aqueles espaços constituem “monopólio” de uma “classe alta” ou “elite” e que por tal devem ser tomados, à força inclusive, para que os bens do capitalismo possam ser desfrutados por todos os “explorados”. Que bom se o Estado conseguisse dar ao cidadão parques e praças que fossem seguros, equipados e atrativos. Aí quem sabe, de forma espontânea, a sociedade tornaria os parques e as praças (e não os shoppings) os grandes espaços de convivência social.

Vereador/PMDB, ex-secretário da Smic

COMENTÁRIOS
José Rômulo - 17/01/2014 - 09h42
Muito bem escrito,a colocação da visão marxista a deficiência do estado de proporcionar lazer faltou apenas colocar como o estado faz para coibi tais pratica o "rolezinho" os Shopping é área comum não de segregação proibir é aguçar(despertar) o desejo de afrontar.


Professor Erico J. Dietrich -
17/01/2014 - 11h58
Eu ainda não tinha me manifestado sobre o chamado "rolezinho" sou na minha essência uma pessoa de esquerda. Concordo com o vereador, nunca foi proibido a entrada de ninguém. É muito comum irmos aos shoppings e ver cidadãos de todas as classes sociais neles, nunca vi nenhum segurança pedir a declaração de imposto de renda para alguém poder entrar. Direito a manifestação é legítima e democrática, agora, invasão em um espaço privado, destinado a compras, não é nada legítimo!


Gilson Tesch -
17/01/2014 - 12h28
"Que bom se o Estado conseguisse dar ao cidadão parques e praças que fossem seguros, equipados e atrativos. Aí quem sabe, de forma espontânea, a sociedade tornaria os parques e as praças (e não os shoppings) os grandes espaços de convivência social." Essa frase expressa claramente que os shoppings são lugares de consumo e não de lazer, que o empreendedor não investiu uma fortuna em infra estrutura para receber pessoas que não consomem...Os vinte minutos de tolerância no estacionamento já é a pen


Daniel Moreira -
17/01/2014 - 14h24
Só podia ser quem mesmo pra criticar...


Yuri -
17/01/2014 - 15h01
"Que bom se o Estado conseguisse dar ao cidadão parques e praças que fossem seguros, equipados e atrativos. Aí quem sabe, de forma espontânea, a sociedade tornaria os parques e as praças (e não os shoppings) os grandes espaços de convivência social." Mas o senhor foi a favor de transformar a orla (um parque) em uma autoestrada e considera as árvores obstáculos ao "progresso". Foi a favor da remoção das árvores para dar espaço para carros, o que as cidades sérias deixaram de fazer. Não entendi.


Maria -
17/01/2014 - 19h10
Nunca na história humana se praticou como hoje o comércio inutilidade, da despersonalização, da compra de uma imagem no lugar de um produto de necessidade. Shoppings são aberrações que só na visão estreita deste político (perseguidor de movimentos sociais) e na cabeça de gente que não pensa é que shopping tem alguma coisa de relevante na vida social.


Rafael -
17/01/2014 - 19h56
O vereador que falava em "qualificar a clientela" falando sobre rolezinho? Completamente dispensável.


Carlos Colombo -
18/01/2014 - 10h57
Vereador, essa polêmica é um tanto artificial. E sobre o tratamento discriminatório aos jovens pretos e pobres ou sobre as manifestações racistas nas redes sociais, o Sr. tem alguma opinião? Ou o seu silêncio já revela uma posição tácita?


jose -
18/01/2014 - 20h28
Esta é a armação comuno petista para tomar o Brasil,mas não conseguirão.

DEIXE SEU COMENTÁRIO CORRIGIR ENVIAR imprimir IMPRIMIR
TEXTOS RELACIONADOS
Travessia Porto Alegre-Guaíba
Dia 28 de outubro, a travessia Porto Alegre-Guaíba completa três anos e consolida a viabilidade do transporte hidroviário na Região Metropolitana
Voto consciente
Esse artigo me foi sugerido por um amigo que trabalha como presidente de seção (mesa) eleitoral em nossa cidade
Riscos na proteção contra inundações
Nos sistemas contra inundações na Grande Porto Alegre, a manutenção é feita com paliativos, quando a imprensa ou algum técnico faz a denúncia
Educação brasileira
Segundo o ranking da OCDE, o Brasil está em penúltimo lugar (35º), à frente somente do México, no que diz respeito ao nível de educação

 EDIÇÃO IMPRESSA

Clique aqui
para ler a edição
do dia e as edições
dos últimos
5 anos do JC.


 
para folhear | modo texto