Porto Alegre, quinta-feira, 18 de setembro de 2014. Atualizado às 22h39.
Hoje é Dia Nacional da Televisão.
PREVISÃO DO TEMPO
PORTO ALEGRE AMANHÃ
AGORA
20°C
24°C
15°C
previsão do tempo
COTAÇÃO DO DÓLAR
em R$ Compra Venda Variação
Comercial 2,3630 2,3650 0,29%
Turismo/SP 2,2300 2,5200 1,20%
Paralelo/SP 2,2400 2,5300 0,79%
mais indicadores
Página Inicial | Opinião | Economia | Política | Geral / Internacional | Esportes | Cadernos | Colunas
ASSINE  |  ANUNCIE  |  ATENDIMENTO ONLINE
» Corrigir
Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.
Nome:
Email:
Mensagem:
» Indique esta matéria
[FECHAR]
Para enviar essa página a um amigo(a), preencha os campos abaixo:
De:
Email:
Amigo:
Email:
Mensagem:
 
» Comente esta notícia
[FECHAR]  
  Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.  
  Nome:  
  Email:    
  Cidade:    
  Comentário:    
500 caracteres restantes
 
Autorizo a publicação deste comentário na edição impressa.
 
505107
Repita o código
neste campo
 
 
COMENTAR CORRIGIR ENVIAR imprimir IMPRIMIR

Indústria 04/11/2013 - 14h40min

País produzirá mais aço em 2014, prevê Instituto

A produção de aço no Brasil deverá retomar a trajetória de crescimento em 2014, disse, nesta segunda-feira (4) o presidente executivo do Instituto Aço Brasil (IABr), Marco Polo de Mello Lopes. De janeiro a setembro deste ano, a produção do produto apresentou leve queda, de 0,6%.

Segundo o executivo, depois de um ano ruim em relação à produção de aço, as eleições, programas de utilização de conteúdo nacional e renovação de frota de veículos devem estimular o aumento da produção. Mello Lopes disse que a solução para as siderúrgicas está no mercado interno e por isso o País precisa se proteger da importação predatória.

Hoje a ociosidade da indústria siderúrgica mundial chega a 600 milhões de toneladas. No Brasil, o presidente do IABr disse que a utilização da capacidade está em 70%. No início do segundo semestre o Instituto cortou sua expectativa de crescimento na produção de aço bruto para este ano, de alta de 5,8% para um volume praticamente estável em relação a 2012, em aproximadamente 34,5 milhões de toneladas.

A produção de aço no Brasil deverá retomar a trajetória de crescimento em 2014, disse, nesta segunda-feira o presidente executivo do Instituto Aço Brasil (IABr), Marco Polo de Mello Lopes. De janeiro a setembro deste ano, a produção do produto apresentou leve queda, de 0,6%.

Segundo o executivo, depois de um ano ruim em relação à produção de aço, as eleições, programas de utilização de conteúdo nacional e renovação de frota de veículos devem estimular o aumento da produção. Mello Lopes disse que a solução para as siderúrgicas está no mercado interno e por isso o País precisa se proteger da importação predatória.

Hoje a ociosidade da indústria siderúrgica mundial chega a 600 milhões de toneladas. No Brasil, o presidente do IABr disse que a utilização da capacidade está em 70%. No início do segundo semestre o Instituto cortou sua expectativa de crescimento na produção de aço bruto para este ano, de alta de 5,8% para um volume praticamente estável em relação a 2012, em aproximadamente 34,5 milhões de toneladas.

COMENTÁRIOS
Deixe seu comentário sobre este texto.

DEIXE SEU COMENTÁRIO CORRIGIR ENVIAR imprimir IMPRIMIR
TEXTOS RELACIONADOS
Produção cai e crescem estoques indesejados
O desempenho da indústria em agosto mostra um cenário preocupante, traçado pela Confederação Nacional da Indústria (CNI)
CNI prevê piora do cenário de demissões na indústria
A expectativa negativa tem impacto na previsão de geração de vagas em setembro, com a indústria esperando 47,8 pontos para o indicador - a mais baixa desde 2009
70% dos empresários esperavam vendas melhores, informa Abit
A pesquisa ainda revela que a produção ficou abaixo do esperado para 59% dos empresários
Abiquim ressalta importância do Reintegra para indústria
Para começar a valer, o Reintegra depende da publicação de uma portaria do ministro da Fazenda e permitirá que a alíquota, de 0,1% a 3%, seja diferenciada por bens.

 EDIÇÃO IMPRESSA

Clique aqui
para ler a edição
do dia e as edições
dos últimos
5 anos do JC.


 
para folhear | modo texto