Porto Alegre, quarta-feira, 22 de novembro de 2017.
PREVISÃO DO TEMPO
PORTO ALEGRE AMANHÃ
AGORA
20°C
28°C
16°C
previsão do tempo
COTAÇÃO DO DÓLAR
em R$ Compra Venda Variação
Comercial 3,2500 3,2520 0,36%
Turismo/SP 3,1600 3,3800 0,29%
Paralelo/SP 3,1700 3,3900 0,29%
mais indicadores
Página Inicial | Opinião | Economia | Política | Geral / Internacional | Esportes | Cadernos | Colunas
ASSINE  |  ANUNCIE  | 
» Corrigir
Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.
Nome:
Email:
Mensagem:
108048
Repita o código
neste campo
 
» Indique esta matéria
[FECHAR]
Para enviar essa página a um amigo(a), preencha os campos abaixo:
De:
Email:
Amigo:
Email:
Mensagem:
108048
Repita o código
neste campo
 
 
» Comente esta notícia
[FECHAR]  
  Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.  
  Nome:  
  Email:    
  Cidade:    
  Comentário:    
500 caracteres restantes
 
Autorizo a publicação deste comentário na edição impressa.
 
108048
Repita o código
neste campo
 
 
imprimir IMPRIMIR

artigo Notícia da edição impressa de 16/07/2013

O preço das passagens de ônibus

Fábio Ostermann

Desde janeiro deste ano, a questão do preço das passagens de ônibus tem sido o grande tema público da cidade de Porto Alegre. Mas o simples fato de militantes barulhentos e dotados de tempo ocioso tomarem as ruas e invadirem a Câmara com a reivindicação de que o transporte gratuito ou o preço abaixo do seu custo seria um “direito” não altera em nada o mundo real. Os custos do setor (salários, manutenção, renovação da frota, combustível etc) têm subido – e muito – nos últimos anos. Além disso, as principais causas para a elevação desses custos parecem ser solenemente ignoradas pela militância antiaumentos. Não se ouve uma menção à falta de controle sobre a inflação, muito menos críticas ao aparelhamento político e à perda de competitividade da Petrobras, um dos raríssimos casos de empresa que consegue ter perdas em um dos setores mais rentáveis da economia mundial na atualidade (petróleo).

Mas nada disso parece importar, afinal, é muito mais fácil culpar os empresários do transporte por todos os problemas. Não que eles não tenham sua parcela de culpa, claro: são beneficiários de um sistema corrupto e pouco transparente, que concede a exclusividade da prestação de um serviço que deveria estar submetido à concorrência de mercado. A livre concorrência é a melhor garantia do consumidor contra serviços mal prestados. No sistema atual, no entanto, essa garantia inexiste: o passageiro/consumidor que não tem carro acaba se tornando refém de empresas que detêm monopólios sobre o transporte em certas áreas. O transporte coletivo necessita, como qualquer outro setor, de mais concorrência e transparência.

Diretor do Instituto Ordem Livre, conselheiro fiscal do IEE

COMENTÁRIOS
Nenhum comentário encontrado.

imprimir IMPRIMIR
TEXTOS RELACIONADOS
Acorda, Brasil
A maré da indignação nacional, por força de suas vertentes naturais, rompeu os diques da tolerância popular e se espraiou com a violência de um tufão
O Dia Mundial do Turismo no Rio Grande
Domingo, dia 27 de setembro, será comemorado o "Dia Mundial do Turismo no Rio Grande do Sul"
Dilma: pague a compensação da Lei Kandir
Aprovada em 1996, a lei federal isenta o ICMS de produtos e serviços para exportação
Fusões & Aquisições, oportunidade e risco
Quatro vezes um é igual a um! Essa é ainda a matemática feita pelo investidor estrangeiro em relação ao Brasil

 EDIÇÃO IMPRESSA

Clique aqui
para ler a edição
do dia e acessar
o arquivo do JC.


 
para folhear | modo texto