Porto Alegre, quarta-feira, 18 de outubro de 2017.
PREVISÃO DO TEMPO
PORTO ALEGRE AMANHÃ
AGORA
20°C
30°C
19°C
previsão do tempo
COTAÇÃO DO DÓLAR
em R$ Compra Venda Variação
Comercial 3,1670 3,1690 0,15%
Turismo/SP 3,1400 3,3200 0,60%
Paralelo/SP 3,1400 3,3200 0,60%
mais indicadores
Página Inicial | Opinião | Economia | Política | Geral / Internacional | Esportes | Cadernos | Colunas
ASSINE  |  ANUNCIE  | 
» Corrigir
Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.
Nome:
Email:
Mensagem:
179451
Repita o código
neste campo
 
» Indique esta matéria
[FECHAR]
Para enviar essa página a um amigo(a), preencha os campos abaixo:
De:
Email:
Amigo:
Email:
Mensagem:
179451
Repita o código
neste campo
 
 
» Comente esta notícia
[FECHAR]  
  Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.  
  Nome:  
  Email:    
  Cidade:    
  Comentário:    
500 caracteres restantes
 
Autorizo a publicação deste comentário na edição impressa.
 
179451
Repita o código
neste campo
 
 
imprimir IMPRIMIR

Transexualidade Notícia da edição impressa de 31/01/2013

Mudanças avançam a passos lentos no País

Direito à identidade esbarra na burocracia da legislação brasileira

Maurício Macedo

CAROLINE BICOCCHI/PALÁCIO PIRATINI/JC
Criação da Carteira Social é considerada como um primeiro passo
Criação da Carteira Social é considerada como um primeiro passo

Na última reportagem da série, o Jornal do Comércio destaca avanços e entraves legais que ainda impedem o acesso à cidadania plena

Há quase um ano, o Rio Grande do Sul se tornou pioneiro no País ao instituir a Carteira de Nome Social (CNS) para travestis e transexuais. No ato realizado no Dia Estadual de Enfrentamento à Homofobia (17 de maio), no Palácio Piratini, o titular da Secretaria da Justiça e dos Direitos Humanos, Fabiano Pereira, ressaltou que a ação poderia marcar o fim do constrangimento para um grupo que sofre com tanto preconceito.

No entanto, a realidade está longe disso. “O Rio Grande do Sul deu um grande passo, mas este avanço ainda é pouco para nós”, afirma Luísa Helena Stern, da ONG Igualdade-RS. Isto porque o documento que reconhece a opção de gênero e o nome adotado por transexuais e travestis é válido apenas em território gaúcho, mais especificamente em órgãos ligados ao governo estadual. Em postos de saúde municipais, por exemplo, eles ainda são chamados pela antiga denominação.

É por isso que os militantes sociais querem avançar mais. Para isso, citam o exemplo da Argentina, onde a legislação atual é uma das mais avançadas do mundo. Por lá, a mudança no registro civil é realizada diretamente em um cartório, sem processo judicial. “Isso evitaria a necessidade de elaboração de diagnósticos médico e psicológico”, explica Luísa.

Os ativistas gaúchos também reclamam da demora no julgamento da Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADIn) 4.275, que tramita no Supremo Tribunal Federal (STF) e requer o reconhecimento do direito dos transexuais substituírem o prenome e gênero no registro civil, independentemente da realização de cirurgia de transgenitalização. “Impor a uma pessoa a manutenção de um nome em descompasso com a sua identidade é, a um só tempo, atentatório à sua dignidade e comprometedor de sua interlocução com terceiros, nos espaços públicos e privados”, escreveu Deborah Duprat ao propor a ADIn, em 21 de julho de 2009, quando ocupou interinamente o cargo de procuradora-geral da República.

Três dias depois, em virtude da relevância do tema, o ministro relator, Marco Aurélio Mello, determinou que a ação fosse julgada pelo plenário diretamente no mérito, sem a análise da liminar. Só que a ação está parada no Supremo desde junho de 2011, quando o relator autorizou a participação no processo, como parte interessada, do Instituto Brasileiro de Direito de Família (IBDFam).

Para a vice-presidente da entidade no Estado, Maria Berenice Dias, o momento é oportuno para sensibilizar a sociedade. “Os transexuais e travestis são considerados como um dos grupos mais vulneráveis. Muitos deles são expulsos de casa e acabam tendo que se prostituir para sobreviver”, comenta.

Na Câmara dos Deputados, já tramitam alguns projetos propondo alterações na legislação. Mas para a desembargadora aposentada do Tribunal de Justiça, que tem longa trajetória na defesa dos direitos da população LGBTT (Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis e Transexuais), uma iniciativa importante é o chamado Estatuto da Diversidade Sexual. Elaborado pelo Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), este conjunto de leis é semelhante a outros estatutos aprovados pelo Congresso Nacional. “Nossa intenção é apresentá-lo por meio de uma iniciativa popular”, afirma Maria Berenice.

Para isso, é preciso juntar cerca de 1,4 milhão de assinaturas, o que representa em torno de 1% do eleitorado brasileiro. A mobilização começou em maio do ano passado. Até agora, mais de 50 mil pessoas já assinaram. Mais detalhes podem ser obtidos no site www.estatutodiversidadesexual.com.br.

COMENTÁRIOS
jose rossi - 31/01/2013 - 10h26
O RS realmente tem se destacado em tudo o que fere os bons costumes e o moral, é pioneiro em reconhecimento do casamento gay, identidade para travestis, e lembram que em Santa Maria foi tirado o crucifixo que faz alusão ao Cristianismo da sala do forum? Pois é, quem semeia vento colhe..."

imprimir IMPRIMIR
TEXTOS RELACIONADOS
Travestis e transexuais poderão usar nome social em escolas
A resolução, do Conselho Nacional de Combate à Discriminação e Promoções dos Direitos de Lésbicas, Gays, Travestis e Transexuais, foi publicada nesta quinta-feira (12) no Diário Oficial da União
 Wyllys ressalta que PL reduz burocracia na mudança do registro civil
Novo projeto beneficia travestis e transexuais
A identificação leva à união
Na segunda reportagem da série, o Jornal do Comércio acompanhou o encontro de militantes sociais, em Porto Alegre, no Dia Nacional da Visibilidade Trans
O longo caminho em busca do reconhecimento
No Dia Nacional da Visibilidade Trans, o Jornal do Comércio começa a apresentar uma série de três reportagens enfocando as dificuldades dos transgêneros

 EDIÇÃO IMPRESSA

Clique aqui
para ler a edição
do dia e acessar
o arquivo do JC.


 
para folhear | modo texto