Porto Alegre, domingo, 17 de dezembro de 2017.
PREVISÃO DO TEMPO
PORTO ALEGRE AMANHÃ
AGORA
24°C
23°C
21°C
previsão do tempo
COTAÇÃO DO DÓLAR
em R$ Compra Venda Variação
Comercial 3,3060 3,3080 0,89%
Turismo/SP 3,2300 3,4800 0%
Paralelo/SP 3,2300 3,4800 0%
mais indicadores
Página Inicial | Opinião | Economia | Política | Geral / Internacional | Esportes | Cadernos | Colunas
ASSINE  |  ANUNCIE  | 
» Corrigir
Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.
Nome:
Email:
Mensagem:
750081
Repita o código
neste campo
 
» Indique esta matéria
[FECHAR]
Para enviar essa página a um amigo(a), preencha os campos abaixo:
De:
Email:
Amigo:
Email:
Mensagem:
750081
Repita o código
neste campo
 
 
» Comente esta notícia
[FECHAR]  
  Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.  
  Nome:  
  Email:    
  Cidade:    
  Comentário:    
500 caracteres restantes
 
Autorizo a publicação deste comentário na edição impressa.
 
750081
Repita o código
neste campo
 
 
imprimir IMPRIMIR

Transexualidade Notícia da edição impressa de 30/01/2013

A identificação leva à união

Luta de transgêneros por igualdade de direitos passa pela organização

Maurício Macedo

Na segunda reportagem da série, o Jornal do Comércio acompanhou o encontro de militantes sociais, realizado ontem, em Porto Alegre, no Dia Nacional da Visibilidade Trans.

Reunidos na Usina do Gasômetro, diversos travestis e transexuais contaram sobre as dificuldades enfrentadas no dia a dia. Também apontaram a união como o caminho a ser seguido para que a luta por igualdade de direitos seja cada vez mais visível.

“Não precisam gostar de nós. Mas têm que nos respeitar”, bradou Liza Mineli, que veio de Curitiba (PR) para participar da oficina promovida pela ONG Igualdade-RS dentro da programação do Fórum Social Temático.

A paranaense pediu que ninguém abandone a luta. “As mulheres tiveram que queimar sutiãs para serem reconhecidas. Muitas foram queimadas em uma fábrica. Quem vai querer pagar esse preço? É preciso ter coragem.”

Coragem que é ainda mais necessária fora da Capital, onde o preconceito é maior. “Quem vive em uma cidade pequena sofre mais. Travesti não é gente para delegado de polícia ou para médico”, reclamou Pitty Serrano, moradora de Guaíba. A condição acaba empurrando para a prostituição. “No Interior, não temos acesso a educação e qualificação. Muitas travestis têm que ficar fazendo programa a cinco reais para conseguir sobreviver”.

Mas, para vencer as adversidades, primeiramente é preciso conquistar autonomia. “Cobram que essas pessoas façam por si, mas não se leva em consideração que é preciso adquirir autonomia para isso. A sociedade heteronormativa que vivemos nos ensina que o certo é se esconder. Não é fácil superar essa questão. É algo que leva tempo”, comenta Joana Puglia. Pesquisadora da Universidade de Santa Cruz do Sul (Unisc), a psicóloga ressalta a importância dos bons exemplos e cita os casos da servidora pública Marcelly Malta, coordenadora da Igualdade-RS, e de Luísa Helena Stern (personagem da matéria de ontem), que estudou e hoje é advogada. “Quando há uma identificação, a pessoa começa a ver que tem o direito de ser o que quer ser”.

A identificação leva à união. “Sem organização, a luta não avança. Só a organização mostra a força que as pessoas têm. O que se consegue hoje é graças à luta que vem sendo travada há mais 30 anos”, salienta Bernardo Amorim, da ONG Somos, com mais de uma década de atuação na defesa dos direitos humanos e pelo respeito às sexualidades.

COMENTÁRIOS
Nenhum comentário encontrado.

imprimir IMPRIMIR
TEXTOS RELACIONADOS
Travestis e transexuais poderão usar nome social em escolas
A resolução, do Conselho Nacional de Combate à Discriminação e Promoções dos Direitos de Lésbicas, Gays, Travestis e Transexuais, foi publicada nesta quinta-feira (12) no Diário Oficial da União
 Wyllys ressalta que PL reduz burocracia na mudança do registro civil
Novo projeto beneficia travestis e transexuais
Criação da Carteira Social é considerada como um primeiro passo
Mudanças avançam a passos lentos no País
O longo caminho em busca do reconhecimento
No Dia Nacional da Visibilidade Trans, o Jornal do Comércio começa a apresentar uma série de três reportagens enfocando as dificuldades dos transgêneros

 EDIÇÃO IMPRESSA

Clique aqui
para ler a edição
do dia e acessar
o arquivo do JC.


 
para folhear | modo texto