Porto Alegre, quarta-feira, 18 de outubro de 2017.
PREVISÃO DO TEMPO
PORTO ALEGRE AMANHÃ
AGORA
20°C
30°C
19°C
previsão do tempo
COTAÇÃO DO DÓLAR
em R$ Compra Venda Variação
Comercial 3,1670 3,1690 0,15%
Turismo/SP 3,1400 3,3200 0,60%
Paralelo/SP 3,1400 3,3200 0,60%
mais indicadores
Página Inicial | Opinião | Economia | Política | Geral / Internacional | Esportes | Cadernos | Colunas
ASSINE  |  ANUNCIE  | 
» Corrigir
Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.
Nome:
Email:
Mensagem:
729275
Repita o código
neste campo
 
» Indique esta matéria
[FECHAR]
Para enviar essa página a um amigo(a), preencha os campos abaixo:
De:
Email:
Amigo:
Email:
Mensagem:
729275
Repita o código
neste campo
 
 
» Comente esta notícia
[FECHAR]  
  Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.  
  Nome:  
  Email:    
  Cidade:    
  Comentário:    
500 caracteres restantes
 
Autorizo a publicação deste comentário na edição impressa.
 
729275
Repita o código
neste campo
 
 
imprimir IMPRIMIR

Transexualidade Notícia da edição impressa de 29/01/2013

O longo caminho em busca do reconhecimento

Data de hoje lembra mobilização de ativistas transexuais pelo combate à discriminação no País

Maurício Macedo

No Dia Nacional da Visibilidade Trans, o Jornal do Comércio começa a apresentar uma série de três reportagens enfocando as dificuldades dos transgêneros (grupo de pessoas que reúne travestis e transexuais). A primeira delas conta um pouco da história da advogada Luisa Helena Stern, e destaca a mobilização para garantir o direito à identidade.

Desde criança ela sabia que não seguiria o mesmo caminho designado pela natureza. Percorrer uma trilha diferente, porém, nunca é fácil. Às vezes, leva tempo, anos até. No caso de Luísa, quase quatro décadas.

“Acho que o fato de ter estudado numa escola católica contribuiu para que essa vontade ficasse reprimida por um longo período. Mas até os meus colegas já enxergavam isso e ficavam me colocando apelidos femininos”, recorda.

No começo, era como se ela fosse praticante do chamado “cross-dressing” – termo, em inglês, utilizado em alusão à prática de se vestir ou usar objetos associados ao sexo oposto. “Só me vestia de mulher escondida, sozinha em casa. Fui assumir mesmo por volta dos 38, 39 anos”.
Aos 46, a advogada Luísa Helena Stern ultrapassou obstáculos, venceu preconceitos e hoje é militante social na ONG Igualdade-RS. Atua também no Grupo G8-Generalizando (Direitos da Mulher e de Gênero), integrante do Serviço de Assessoria Jurídica Universitária (Saju) da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (Ufrgs). Com registro na OAB/RS desde agosto do ano passado, advoga voluntariamente para garantir um direito básico a diversos travestis e transexuais sem recursos para contratar um advogado ou pagar as custas judiciais. Um direito que ela própria demorou 13 meses para conseguir: a retificação do registro civil na Justiça. No caso de Luísa, a mudança do nome só foi obtida em maio de 2012.

Contando com o apoio de outras entidades e de quase duas dezenas de voluntários, o G8 e o Saju realizam na tarde de hoje, na Capital, um ato político para marcar o Dia Nacional da Visibilidade Trans. A data, comemorada anualmente em 29 de janeiro, lembra a mobilização de ativistas transexuais que, há nove anos, participaram do lançamento da primeira campanha contra a transfobia no País – uma ação de combate à discriminação de transgêneros, organizada pelo Ministério da Saúde.

Com o slogan Direito à Identidade: Viva seu nome!, a iniciativa consiste em ingressar com um conjunto de petições judiciais na Vara de Registros Públicos de Porto Alegre. A intenção é conseguir a mudança de nome e de gênero para diversos travestis e transexuais gaúchos.
O magistrado Antonio Vinicius Amaro da Silveira garante que não há nenhuma restrição à retificação do registro. “A mudança não pode ser um mero capricho. É preciso que existam razões bem fundamentadas que propiciem a alteração do prenome”, explica o juiz que está substituindo o titular da vara.

Segundo ele, em geral, a tramitação do processo é simples. A expedição da sentença demora cerca de duas semanas quando o caso está bem fundamentado, com a apresentação das certidões e dos laudos necessários. Sem os documentos, demora mais tempo, podendo chegar a seis meses, “pois é necessário solicitar a realização de perícias técnicas”.

As formalidades são importantes para evitar a ocorrência de fraude. “Nossa preocupação é beneficiar o postulante sem causar prejuízo a terceiros”, comenta.

No caso dos travestis, uma avaliação psicológica serve para atestar a identidade psicossocial. “O objetivo é sempre compatibilizar o indivíduo com a sua identificação social, ou seja, com o que está registrado”. Já os transexuais precisam apresentar laudo médico atestando a nova fisiologia. “Desta forma, é possível compatibilizar a situação jurídica com o que existe de fato”. Neste particular, a mudança do gênero civil deve ser precedida da transformação fisiológica, com a realização de um procedimento cirúrgico de mudança de sexo. “Por isso, é necessário apresentar o prontuário médico”.

Um documento que Luísa ainda não possui. Durante dois anos, ela tem conversado com especialistas, tentando superar as barreiras da burocracia estatal. No dia 1 de março, fará a cirurgia de transgenitalização pelo Sistema Único de Saúde (SUS), no Hospital de Clínicas de Porto Alegre.

COMENTÁRIOS
Martha - 29/01/2013 - 09h33
Acompanho a trajetória de travestis em busca de cuidado à saúde no interior do RS por meio da realização de uma etnografia...é impressionante o preconceito que ainda existe em nossa sociedade. Precisamos reflexão urgente de políticas públicas...algumas já existentes e não cumpridas...

imprimir IMPRIMIR
TEXTOS RELACIONADOS
Travestis e transexuais poderão usar nome social em escolas
A resolução, do Conselho Nacional de Combate à Discriminação e Promoções dos Direitos de Lésbicas, Gays, Travestis e Transexuais, foi publicada nesta quinta-feira (12) no Diário Oficial da União
 Wyllys ressalta que PL reduz burocracia na mudança do registro civil
Novo projeto beneficia travestis e transexuais
Criação da Carteira Social é considerada como um primeiro passo
Mudanças avançam a passos lentos no País
A identificação leva à união
Na segunda reportagem da série, o Jornal do Comércio acompanhou o encontro de militantes sociais, em Porto Alegre, no Dia Nacional da Visibilidade Trans

 EDIÇÃO IMPRESSA

Clique aqui
para ler a edição
do dia e acessar
o arquivo do JC.


 
para folhear | modo texto