Porto Alegre, quinta-feira, 18 de dezembro de 2014. Atualizado às 20h18.
Hoje é Dia Internacional do Migrante.
PREVISÃO DO TEMPO
PORTO ALEGRE AMANHÃ
AGORA
28°C
33°C
18°C
previsão do tempo
COTAÇÃO DO DÓLAR
em R$ Compra Venda Variação
Comercial 2,6530 2,6550 1,70%
Turismo/SP 2,5000 2,8300 2,74%
Paralelo/SP 2,5100 2,8400 2,06%
mais indicadores
Página Inicial | Opinião | Economia | Política | Geral / Internacional | Esportes | Cadernos | Colunas
ASSINE  |  ANUNCIE  |  ATENDIMENTO ONLINE
» Corrigir
Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.
Nome:
Email:
Mensagem:
» Indique esta matéria
[FECHAR]
Para enviar essa página a um amigo(a), preencha os campos abaixo:
De:
Email:
Amigo:
Email:
Mensagem:
 
» Comente esta notícia
[FECHAR]  
  Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.  
  Nome:  
  Email:    
  Cidade:    
  Comentário:    
500 caracteres restantes
 
Autorizo a publicação deste comentário na edição impressa.
 
521490
Repita o código
neste campo
 
 
COMENTAR CORRIGIR ENVIAR imprimir IMPRIMIR
Conexão Política Adão Oliveira
adaooliveira@hotmail.com

Conexão Política

Coluna publicada em 22/10/2009

Assim falou Yeda Crusius

Um dia depois de ver sepultada pela base aliada na Assembleia Legislativa o pedido de impeachment que tramitava contra ela, a governadora Yeda Crusius (PSDB) voltou a “enfrentar” a imprensa, ontem pela manhã, no Palácio Piratini.

Dona Yeda justificou seu retorno à mídia como solução para resolver todas as dúvidas dos gaúchos com relação a sua atuação na chefia do governo do Estado: “segmentos radicais da oposição tem conseguido lançar dúvidas quanto à honradez da governadora, eleita pelo voto popular. Mesmo que não haja uma única prova, sei que eles não vão parar”.

A governadora disse que há solidariedade enorme do povo para com ela. Dizendo-se candidata à reeleição, dona Yeda reconhece que cometeu dois erros graves: escolher Paulo Feijó (DEM) como candidato a vice-governador e comprar uma casa para morar, tão logo se elegeu.

Ela reiterou que foi uma compra legal, limpa e transparente, ainda que tenha provocado desconfiança na população. A governadora, emocionada durante o desabafo e na presença do secretariado, declarou-se vítima de ataques infundados e injustos: “sofri na pele a dor da injustiça”, reclamou.

Ao falar sobre o Detran, Yeda Crusius disse que não errou, relatando detalhes de suas decisões, tão logo soube do escândalo. Durante a entrevista coletiva à imprensa, dona Yeda também falou sobre a compra de móveis, feitas pelo governo para mobiliar a sua residência.

Livre das acusações, Yeda Crusius anunciou que “vai andar pelo Rio Grande e conversar com os gaúchos, desfazendo às dúvidas que por ventura ainda existam”.

De olho na reeleição.

Articulações

Orestes Quércia (PMDB), ex-governador de São Paulo, anda articulando pelo Rio Grande com vistas a buscar apoio do PMDB regional para a candidatura de José Serra (PSDB) à presidência da República. Sem ter procurado a governadora Yeda Crusius, correligionária de Serra, Quércia já falou com o ex-governador Germano Rigotto (PMDB) e com o prefeito de Porto Alegre, José Fogaça (PMDB), dois prováveis candidatos ao governo do Estado. O deputado federal Eliseu Padilha, secretário geral do diretório é favorável à articulação. Não se sabe ainda qual é a posição do senador Pedro Simon, presidente do PMDB gaúcho. Depois de algumas brigas internas é possível pensar que o que é bom para Padilha, talvez não seja bom para Simon.

Aliança

Tudo acertado: o PMDB nacional apóia a candidatura da ministra-chefe da Casa Civil, Dilma Rousseff (PT) à presidência da República e garante participação na chapa, com o deputado federal Michel Temer (PMDB-SP), como candidato à vice. Ciro Gomes, do PSB, que almeja concorrer, descontente com o acordo, saiu-se com essa: “espero que o PMDB entregue o que está prometendo. Espero também que os termos da aliança, sejam confessáveis”. Amigo, hein!!! Vem chumbo grosso, aí.

Obras e comícios

Sem precedentes as críticas do ministro Gilmar Mendes, presidente do Supremo Tribunal Federal, à visita feita pelo presidente Lula, Dilma Rousseff, Ciro Gomes, Aécio Neves e comitiva às obras de transposição do rio São Francisco. Mendes qualificou a visita como um “vale-tudo”. “É lícito transformar um evento rotineiro de governo num comício? Se houver desigualdade na disputa eleitoral, o órgão competente da Justiça tem que ser chamado para evitar esse tipo de vale-tudo. Pelas descrições que vimos na mídia, está havendo sorteio, entrega, festas, cantores. Em suma, isto é o modo de fiscalizar tecnicamente uma obra?” Bah!!! Me caíram os butiás dos bolsos!!!

COMENTÁRIOS
Deixe seu comentário sobre este texto.

DEIXE SEU COMENTÁRIO CORRIGIR ENVIAR imprimir IMPRIMIR
COLUNAS ANTERIORES
Perda de um amigo e jornalista exemplar PTB versus PSB
O governador Tarso Genro (PT) teve baixas ao longo do seu governo. Dois partidos que integraram sua base aliada deixaram de apoiá-lo: PSB e PDT
O recado do “guardião”
Após longo impasse, comissões aprovaram relatório do senador Luiz Henrique sobre o projeto de lei que estabelece novo indexador para as dívidas dos estados com a União
Cristãos novos do PDT
Depois de 20 anos, o PDT volta a ter reais chances de vencer uma disputa majoritária estadual

 EDIÇÃO IMPRESSA

Clique aqui
para ler a edição
do dia e as edições
dos últimos
5 anos do JC.


 
para folhear | modo texto