Porto Alegre, sexta-feira, 19 de setembro de 2014. Atualizado às 22h39.
PREVISÃO DO TEMPO
PORTO ALEGRE AMANHÃ
AGORA
21°C
21°C
13°C
previsão do tempo
COTAÇÃO DO DÓLAR
em R$ Compra Venda Variação
Comercial 2,3710 2,3730 0,33%
Turismo/SP 2,2500 2,5300 0,39%
Paralelo/SP 2,2600 2,5400 0,39%
mais indicadores
Página Inicial | Opinião | Economia | Política | Geral / Internacional | Esportes | Cadernos | Colunas
ASSINE  |  ANUNCIE  |  ATENDIMENTO ONLINE
» Corrigir
Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.
Nome:
Email:
Mensagem:
» Indique esta matéria
[FECHAR]
Para enviar essa página a um amigo(a), preencha os campos abaixo:
De:
Email:
Amigo:
Email:
Mensagem:
 
» Comente esta notícia
[FECHAR]  
  Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.  
  Nome:  
  Email:    
  Cidade:    
  Comentário:    
500 caracteres restantes
 
Autorizo a publicação deste comentário na edição impressa.
 
115985
Repita o código
neste campo
 
 
COMENTAR CORRIGIR ENVIAR imprimir IMPRIMIR

TRIBUTOS Notícia da edição impressa de 16/10/2012

Novo ICMS pode frear migração do setor têxtil

Clarisse de Freitas

GISELLE SEIBEL/DIVULGAÇÃO/JC
Estado conta com 37 mil trabalhadores na indústria da tecelagem, e medida deve ampliar contratações
Estado conta com 37 mil trabalhadores na indústria da tecelagem, e medida deve ampliar contratações

“Uma luz no fim do túnel vai permitir que as empresas se reorganizem e voltem a crescer ”. Assim reagiu a presidente do Sindicato da Indústria do Vestuário no Estado do Rio Grande do Sul (Sivergs), Dóris Spohr, ao decreto assinado pelo governador Tarso Genro que altera a cobrança de ICMS sobre as vendas da indústria gaúcha para outros estados.

O subsecretário da Receita Estadual, Ricardo Neves Pereira, detalhou que o decreto não faz uma redução direta da alíquota do ICMS, mas dá um crédito presumido que diminui o impacto real do tributo. “Nas vendas para fora do Estado, o ICMS destacado na nota fiscal continua sendo de 12%, mas a empresa passa a ter um crédito presumido de 9% nas operações interestaduais. Então, a carga vai acabar sendo de 3%”, disse.

A mudança também incluiu uma redução da base de cálculo para as operações feitas dentro do Rio Grande do Sul. Nesses casos, a alíquota aplicada passa a ser de 7%, o que atinge também as compras feitas pelas indústrias. Com essas duas alterações, a Secretaria da Fazenda pretende que as empresas gaúchas consigam disputar mercado em condições iguais àquelas sedeadas em outros estados, sobretudo em Santa Catarina e Paraná.

“O setor reclamava da falta de competitividade interestadual. Agora o Estado garante, com o crédito presumido de 9%, que as empresas gaúchas vão ter a mesma carga aplicável em outros estados (3% sobre faturamento). Porém, o decreto diz que o empresário só poderá usar o crédito de 9% se o valor final do ICMS a ser recolhido não for inferior a 3% do faturamento”, detalhou o subsecretário.

Dóris Spohr acredita que, com essas medidas, o Estado de fato consiga estancar a migração das empresas do setor têxtil para o estado vizinho. “Com a alíquota favorável à concorrência, as empresas que planejavam sair do Rio Grande do Sul ficam e alavancam as vendas. Porém, como o setor não tem um ciclo tão rápido, só vamos perceber os reflexos disso nos números do início do ano que vem. Mas, sem dúvida, é um grande incentivo”, disse ela.

De acordo com números dos oito sindicatos regionais da indústria do vestuário no Rio Grande do Sul, o Estado tem hoje 37 mil pessoas trabalhando no setor, enquanto no Paraná a indústria têxtil emprega 95 mil e, em Santa Catarina, 178 mil. “Já fomos os primeiros. Mas o setor inteiro vem decaindo desde o final dos anos 1980. Sofremos na época do Collor com o fim das tecelagens, que obrigou uma mudança profunda na forma de trabalharmos. Depois, começamos a enfrentar a concorrência dos produtos chineses. Mas não mantemos uma postura de queixa. O mercado interno é muito grande, e temos condições de competir”, afirma Dóris.

O presidente do Sindicato da Indústria do Vestuário do Alto Uruguai, Cladir João Dariva, afirmou que a medida vai ajudar não só na recuperação do faturamento das empresas e na criação de novos postos de trabalho, mas também no aumento da autoestima dos empresários. “Já conversei com alguns da nossa base de Erechim, e eles falam em retomar projetos de ampliação. Isso vai ajudar, e muito”, comentou. Segundo Dariva, o crédito de 9% a ser abatido no cálculo do ICMS complementa outras conquistas do setor, como substituição do recolhimento de 20% de contribuição previdenciária sobre a folha de pagamento pela tributação de 1% sobre o faturamento.

A Receita estadual calcula que os impactos negativos do decreto sobre a arrecadação (que atualmente chega a R$ 180 milhões por ano) sejam compensados pela conquista de novos mercados, pela formalização das empresas e pela queda na sonegação. “Infelizmente, a informalidade ainda é uma marca do setor do vestuário, e estamos trabalhando com as entidades para incentivar a formalização”, afirmou Pereira.

COMENTÁRIOS
Deixe seu comentário sobre este texto.

DEIXE SEU COMENTÁRIO CORRIGIR ENVIAR imprimir IMPRIMIR
TEXTOS RELACIONADOS
Receita disciplina artigos da Lei das Coligadas
A data de adoção inicial às novas regras será 1º de janeiro de 2014 para quem optou pelos efeitos da lei já em 2014
RF disciplina Regime Tributário de Transição para 2014
Sancionada em maio, a lei alterou a tributação sobre o lucro das empresas brasileiras com coligadas no exterior
Camex reduz em 2% Imposto de Importação sobre impressoras
A medida vale para máquinas automáticas que implementarão o processo de rastreabilidade de medicamentos
Camex reduz imposto de importação para impressoras
Em outra resolução, a Camex anunciou a alteração, também para 2%, das as alíquotas do Imposto de Importação incidentes sobre bens de capital, na condição de Ex-tarifários

 EDIÇÃO IMPRESSA

Clique aqui
para ler a edição
do dia e as edições
dos últimos
5 anos do JC.


 
para folhear | modo texto